Pravda.ru

Notícias » Brasil


Indústria gerou mais empregos em 2004

27.07.2004 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Em junho, porém, o total de novas vagas já alcançou um total de 1.034 milhão, o maior saldo (diferença entre contratações e demissões registradas no país) desde 1992, quando o Caged foi criado.

A radiografia dos novos empregos foi traçada pela Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da Prefeitura de São Paulo, a partir dos dados do Caged, referentes aos cinco primeiros meses do ano.

O setor de Serviços aparece em segundo lugar no ranking de novas contratações, com 254 mil vagas abertas de janeiro a maio – o equivalente a 30% do total. Na seqüência, vem o setor agrícola, tradicionalmente informal, com 144 mil trabalhadores contratados com carteira assinada. Já o comércio empregou formalmente 105 mil novos funcionários.

Na soma, as 847 mil vagas geradas de janeiro a maio representam um crescimento de 90% no emprego se comparadas com o mesmo período (nos primeiros cinco meses de 2003 foram contratados, com carteira assinada, 435 mil trabalhadores).

Agricultura

Impulsionados pelas exportações, a indústria e a agricultura foram os setores que mais expandiram suas bases de trabalhadores com carteira assinada de janeiro a maio deste ano.

Juntos, os segmentos foram responsáveis por 58% das 827 mil contratações registradas pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. A agricultura, que normalmente responde por apenas 4% do estoque de empregos formais do país, ofereceu 17% das vagas.

A análise dos dados do Caged foi feita pela Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da Prefeitura de São Paulo. Em números, a Indústria, que responde por 23% do total de empregos formais do país, foi responsável por 41% (347 mil) das novas vagas. Já o setor agrícola, que tradicionalmente é informal respondeu por (144 mil) dos postos de trabalho criados de janeiro a maio em todo o Brasil, com registro.

O setor de serviços abriu mais vagas que o agrícola, mas, proporcionalmente ao peso que tem no estoque de empregos do país, foi o segmento que menos expandiu seu quadro de funcionários fixos. Responsáveis pelo grande volume de empregos formais do país (55%), os serviços responderam por 30% (254 mil) das novas contratações. Já o Comércio, que tem participação de 17% no estoque de emprego formal, ficou com 12,4% (105 mil) das novas vagas.

“Tudo indica que a dinâmica do emprego vem sendo condicionada pelas exportações”, avalia o assessor econômico da Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da Prefeitura de São Paulo, Alexandre de Freitas Barbosa.

Outro aspecto interessante, enfatizado pelo economista, é o crescimento significativo do emprego formal fora das regiões metropolitanas. O interior, que normalmente responde por 60% do estoque de contratações com registro do país, gerou 72% das vagas abertas de janeiro a maio deste ano.

“O interior está gerando empregos a um ritmo duas vezes maior do que as regiões metropolitanas”, explica Barbosa. Isto reflete, segundo ele, a “reespacialização” do emprego, já que várias empresas saíram das regiões metropolitanas por questões como custo da mão-de-obra. Setores mais intensivos em capital, no entanto, continuaram concentrando-se nos centros metropolitanos.

“Um bom indício de que a recuperação do emprego está se sustentando é verificar que o ritmo de crescimento do emprego, tanto no interior como nas regiões metropolitanas, está seguindo a mesma tendência.” Na avaliação do economista, o índice divulgado hoje pelo IBGE, de crescimento de 3,2% do emprego formal em seis regiões metropolitanas do país é “um bom indício de que a recuperação do emprego está se sustentando”.

Homens jovens

Homens, jovens, com ensino médio completo e salário de até três salários mínimos ocuparam a grande maioria dos 827 mil empregos gerados em todos os setores da economia, até maio deste ano, e as contratações se concentraram em áreas operacionais.

A análise foi feita pela Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da Prefeitura de São Paulo com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

O detalhamento do perfil dos trabalhadores absorvidos pelo mercado formal mostra que 70% são do sexo masculino, 60% têm idade entre 15 e 24 anos, 40% concluíram o segundo grau e 9% têm curso superior completo.

Apesar da escolaridade considerada acima da média, a remuneração é baixa, de acordo com o economista Alexandre de Freitas Barbosa, assessor econômico da Secretaria. Isso mostra que as contratações concentram-se em áreas operacionais. “Pelo nível salarial, percebe-se que são trabalhadores que não estão em atividades estratégicas das empresas, tanto no setor público quanto no privado”, avalia.

Barbosa explica que até 1998 havia uma certa exclusão do jovem do mercado de trabalho, o que acabou criando uma massa de trabalhadores jovens e desempregados, com escolaridade acima da média e dispostos a receber salários mais baixos.

Na prática, isso pode sinalizar um processo de exclusão e segmentação do emprego, no qual não têm vez trabalhadores com mais idade ou com menor qualificação.“Percebo pessoas qualificadas para postos de trabalho com baixa qualificação. Isto faz com que algumas pessoas acabem tendo dificuldade de ingressar no mercado de trabalho”, conclui Barbosa.

Ele acredita, no entanto, que o perfil dos novos empregos tende a mudar. “A partir do momento em que a economia começar a crescer de forma mais sustentada e expandir seu nível de investimentos, você vai precisar de pessoas nas áreas financeira, de gestão, de marketing, recursos humanos. Isto tende a gerar empregos com qualificação e maiores salários”.

PT

 
6134
Loading. Please wait...

Fotos popular