Pravda.ru

Notícias » Brasil


Introdução às Histórias em Quadrinhos

18.01.2005 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

A História em Quadrinhos é uma arte, como a pintura, a literatura ou a música. Tem sua história, seus estilos, seus expoentes. É uma arte basicamente do século XX, apesar de já existirem tiras no final do século XIX e ilustrações próximas aos quadrinhos desde o século XVIII.

Tudo começou quando algumas pessoas resolveram unir texto e desenhos, mas de uma forma diferente. Havia ilustrações em livros e isso há séculos, mas o texto era sempre o principal, o que predominava no conjunto. A História em Quadrinhos mudou o foco, de maneira que o desenho seja o elemento predominante, de modo até, às vezes, suprimir o texto. Não queremos dizer com isso que Quadrinhos é só desenho. De maneira alguma. O texto (que nós chamamos de roteiro) também é importante. Mas no conjunto, é o que menos há. Em relação a um livro, o texto de uma história em quadrinhos é uma síntese.

A História em Quadrinhos tem seu jargão, como qualquer arte ou ciência. Antes de prosseguirmos, é melhor que você esteja familiarizado com os termos que usaremos constantemente. É hora de conhecer...

A produção de uma história em quadrinhos

Para que alguém desenhe uma história, é preciso que ela seja previamente escrita. É como no cinema. Antes de tudo virar imagem e som, a história do filme foi escrita em um livreto chamado roteiro. É o que conduz o diretor nas filmagens.

O desenhista também precisa de um roteiro para desenhar a história. Como o desenho será feito, não importa, desde que obedeça o roteiro. Quando se desenha para um jornal, ou seja, se faz uma tira, ou somente uma pequena seqüência de quadrinhos, o próprio desenhista elabora o roteiro. Mas quando se trabalha com uma revista mensal, quinzenal ou semanal, é preciso uma pessoa específica para isso, o roteirista.

O desenhista usa sua técnica para transformar as idéias do roteirista em imagens. Mas ele não faz tudo. Há mais três pessoas das quais ele precisa para que os quadrinhos sejam finalizados.

O arte-finalista completa os detalhes do desenho e traça os contornos, dando um realce aos traços de seu colega.

O letrista cuida de preencher as notas de cabeçalho, rodapé e o principal, que são os balões. Os balões são espaços nos quais se expressa o diálogo ou o monólogo das personagens. Além das palavras, o letrista pode usar as onomatopéiais, que são figuras de linguagem que traduzem um determinado som, ou símbolos (para xingar alguém, por exemplo).

Se os quadrinhos não forem em preto (normalmente o papel já é branco, então por que se diz preto e branco?), um último ator entra em cena: o colorista. Ele pinta os quadrinhos seguindo as orientações do roteiro.

E pra você que pensava que isso é coisa moderna, lá vai...

A História das Histórias em Quadrinhos.

(Adaptado do Professor Álvaro de Moya da USP)

Nós só daremos os marcos históricos. Para mais detalhes, consulte os links de cada personagem. Há nomes os quais com certeza você nunca ouviu falar. Outros você certamente reconhecerá. Preste atenção e veja se alguns deles não se tornaram seriados ou filmes. Os nomes estão no original. A tradução, se necessária, está entre parênteses.

1734 - Harlot´s Progress de William Hogarth, Inglaterra.

1809 - Cartoons de Thomas Rowlandson, The Tour of Dr. Syntax.

1814 - Hokusai Manga, no Japão.(É por isso que os quadrinhos japoneses se chamam Mangá)

1865 - 1ª distribuidora de material de imprensa: A.N.Kellog News.

1867 - Ally Sloper, de Ch. Henry Roos, na Inglaterra, um pioneiro.

1889 - La Familie Fenouillard, de Christophe, na França.

1890 - Comic Cuts & Chips, na Inglaterra.

1893 - 1ª página em cores: N.Y. Recorder: Little Bears, de Swinnerton.

1896 - A linguagem dos quadrinhos começa em The Yellow Kid (O Garoto Amarelo), de R.F. Outcault, Nova Iorque.

1900 - Happy Holigan, de Opper.

1902 - Primeiro quadrinho sueco, de Anderson.

1903 - Clare Briggs lança A.Piker Clerk.

1904 - 1º trabalho franco-canadense, Ladebauche, de Charlesbois.

1906 - Kin-der-Kids, de Feininger.

1910 - Quadratino, de Rubino, na Itália.

1915 - Fontaine Fox com Toonerville Folks. E surge Rube Goldberg.

1916 - Arturo Lanteri, El Negro Raúl, na Argentina.

1921 - Russ Westower: Tillie the Toiler.

1925 - Alain St. Ogan, na França, apresenta Zig et Puce.

1926 - No México, Cabrera com Chupamirto.

1928 - Macaco por K-Hito, na Espanha.

1931 - Patoruzu, de Quinterno, na Argentina.

1935 - Palácio cria Don Fulgencio, na Argentina.

1937 - Cesare Zavattini e G.Scolari, na Itália: Saturno contra a Terra.

1938 - A revista Spirou, na Bélgica.

1940 - The Flash, escrito por Gardner Fox.

1941 - Bob Montana lança Archie. Green Arrow (Arqueiro Verde) e Plastic Man (Homem-Borracha) nos gibis.

1943 - Hawkman (Gavião Negro), de Joe Kubert.

1945 - Les Pionniers de l´Esperance, na França.

1946 - Placide et Muzo, de Arnal, na França.

1948 - Tex, de Bonelli e Galep, na Itália.

1951 - Dennis the Menace. No Brasil, a 1ª Expo Internacional de HQ.

1954 - Mort Walker e Dik Browne lançam Hi and Lois. (Mort Walker é o criador do Recruta Zero e Dik Browne de Hagar, o Horrível)

1957 - On Stage, de L. Starr. Na Itália, Jacovici começa Cocco Bill.

1959 - Revista Pilote, na França. Asterix vem dentro. Sucesso.

1960 - A revista Spirou inicia Les Schtroumpfs (Os Smurfs), de Peyo.

1961 - Stan Lee e Jack Kirby lançam Fantastic Four( Quarteto Fantástico).

1962 - Spider Man (Homem Aranha) e Thor.

1963 - Modesty Blaise, na Inglaterra. Gir (Jean Giraud) começa nos quadrinhos.

1964 - Kriminal, na Itália.

1965 - Bordighera inicia os congressos de Comics. No ano seguinte, Lucca. Agora, Roma, encampa os Salões Internacionais.

1967 - Freak Brothers, de Shelton. Livro de Druillet, Lone Sloane.

1968 - Doonesbury, de Trudeau. Tira política.

1970 - O Museu de Arte de São Paulo organiza exposição e congressos de quadrinhos. Começam os gibis de Conan.

1974 - Abre o Museum of Cartoon Art. Na Itália, Trino, de Altan e Ken Parker, de Berardi e Milazzo. Un Tal Danieri, de A.Breccia e Trillo. Yamagami cria Gaki Deka, no Japão. Orion e Agar de Moliterni e Gigi.

1975 - Moebius, ex-Gir na revista Métal Hurlant.

1976 - Milo Manara explode com Scimmiotto.

1977 - E. Breccia e Trillo: Alvar Mayor.

1978 - Sally Forth e New Comics de Wallace Wood. Garfield de Jim Davis. Começa a graphic novel em Contrato com Deus de Will Eisner.

1979 - Trillo e Horacio Altuna, premiados na Argentina.

1980 - Na Espanha: Daniel Torres. Maus, de Art Spiegelman, ganha o prêmio Pulitzer de Literatura. Piracicaba, Mon Amour, de Moliterni e W,Fahrer, na França (com Álvaro de Moya como vilão).

1981 - Ranxerox, de Tamburini. Torpedo 36, de Bernet e Abuli. O Mercenário, de Segrelles. Pango, primeira revista árabe-africana: vilões-brancos.

1982 - Martin Veyron: álbum Bernard Lermite.

1983 - A melhor tira dos últimos tempos: Calvin, de Bill Watterson. E American Flagg, de Howard Chaykin.

1984 - Começa a revista de Rinaldo Traini Comic Art, em Roma.

1985 - Little Ego, de Vittorio Giardino. Rocketeer, de Dave Stevens.

de 1986 a 1993 (O APOGEU DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS):

a.. O Monstro do Pântano, de Alan Moore.

b.. Love and Rockets, na mítica Palomar, dos irmãos Hernandez.

c.. Alan Moore, Big Numbers.

d.. O violento Judge Dredd (O Juiz Dredd), de J.Howard e Brian Bolland.

e.. Halo Jones, de Alan Moore e Ian Gibson.

f.. Slaine, de Simon Bisley.

g.. Zenith, de Grant Morrison.

h.. Captain Britain (Capitão Bretanha), escrita por Chris Claremont e desenhada por Alan Davis.

i.. Vem The Punisher (O Justiceiro). E Wolverine, Nick Fury.

j.. Batman Ano 1, belos desenhos de Mazzuchelli que tentara O Sombra.

1996 - 100 anos da linguagem dos quadrinhos.

Para mais informações consulte o best-seller:

MOYA, Álvaro de, História das Histórias em Quadrinhos. São Paulo. Brasiliense.1996.

 
8759
Loading. Please wait...

Fotos popular