Pravda.ru

Notícias » Brasil


Lula: não há hipótese de a economia não crescer

16.03.2004 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

"Esse projeto não é para uma eleição ou para um governo, é para um país. Fazer a coisa com seriedade leva tempo, fazer com responsabilidade leva muito mais tempo ainda, mas eu prefiro que seja assim porque somos todos passageiros e o Brasil fica", afirmou.

Lula reconheceu que a taxa de juros do país é alta, mas fez uma ressalva. "É alta mesmo, se comparada a outros países, mas é a mais baixa em termos reais dos últimos dez anos", ressaltou. "Para o juro ser mais baixo, é preciso que o país tenha solidez e credibilidade."

Planos milagrosos

Citando os planos Real e Bresser, Lula reiterou que o governo não vai editar nenhum plano econômico como os lançados em governos passados porque, segundo ele, quem paga o preço é o próprio povo. Segundo ele, só o Plano Real está fazendo o governo pagar R$ 12,4 bilhões aos aposentados, enquanto o Plano Bresser custou R$ 40 bilhões ao governo.

Ele ressaltou que a população precisa reconhecer que o governo está garantindo a estabilidade sem inventar nenhum plano econômico milagroso que só traz prejuízos depois ao país.

Recuperação

Lula criticou os reajustes de preços que estão sendo aplicados em alguns setores e aqueles que pedem mais flexibilidade nas metas. Ele disse que quem quer que a inflação chegue a 6%, "vai sempre querer 1% a mais". Ele enfatizou que a política econômica será conduzida com "serenidade e seriedade", sem mudanças.

Segundo ele, o país está mais perto do que nunca do índice de inflação trabalhado pelo Banco Central, de 5,5% ao ano, e comparou o controle da inflação a um estudante que precisa atingir uma média para passar de ano.

O presidente citou como exemplo a criança que corre atrás da menor média na escola, e no fim do ano fica de recuperação. "Não queremos ficar para a recuperação, quero o controle da inflação para garantir que o trabalhador não tenha prejuízo no salário.

Prioridades das prioridades

Lula afirmou que o governo vai estabelecer uma lista mais restrita de prioridades para projetos a serem desenvolvidos no país. Segundo o presidente, depois da última reunião ministerial, o governo definiu uma lista de 31 prioridades e, com base nesses projetos, vai estabelecer "as prioridades das prioridades".

Para ele, esse trabalho é necessário, já que o orçamento não tem condições de abarcar todos os projetos. "Em vez de colocarmos R$ 10 milhões em cada obra, é melhor colocarmos R$ 100 milhões em uma única e botá-la para funcionar", disse.

O presidente também informou aos conselheiros que solicitou ao presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Lessa, que dê prioridade máxima ao trabalho de recuperação de uma empresa que seja capaz de reativar a ferrovia que liga a cidade de Santos à Bolívia, o que permitirá a ligação do Brasil ao Oceano Pacífico.

Segundo Lula, o projeto de recuperação dessa ferrovia custa apenas R$ 80 milhões. Mas a empresa, que adquiriu o direito de exploração da linha, está endividada e não tem condições de contratar esse crédito. Na avaliação de Lula, a ligação do Brasil ao Oceano Pacífico ajudará não só o transporte de cargas, mas também o transporte de turistas.

De acordo com ele, não faltará dinheiro nos bancos oficiais para financiar o investimento. "Os números demonstram que não há porque não termos confiança que as coisas vão de vento em popa", disse o presidente.

Só o BNDES aumentará os recursos para investimento dos R$ 35 bilhões de 2003 para R$ 47,3 bilhões em 2004. "Se tiver projeto não faltará dinheiro, o que faz o dinheiro é o bom projeto", disse o presidente aos empresários.

Lula informou ainda que a CEF aumentará os investimentos neste ano de R$ 5,1 bilhões para R$ 10,7 bilhões e o Banco do Brasil ampliará de R$ 4,7 bilhões para R$ 7,6 bilhões. Os recursos da CEF serão destinados, principalmente, para obras de saneam

Incentivos à produção

O plano do governo para a política industrial, tecnológica e de comércio exterior passará hoje pelo crivo do CDES, que se reúne pela manhã no Palácio do Planalto. Do Conselho fazem parte alguns dos maiores industriais do país e representantes dos trabalhadores, além da sociedade civil.

Elaborada conjuntamente pelos ministérios do Desenvolvimento, Planejamento, Fazenda, Ciência e Tecnologia e Casa Civil, a política industrial que está sendo elaborada pelo governo teve suas diretrizes anunciadas em novembro do ano passado, como o principal elemento reanimador da economia. O objetivo é promover a retomada do desenvolvimento com base num crescimento sustentável. A política industrial não deve sair em forma de pacote, mas por etapas até o dia 31 de março, à medida em que haja consenso sobre cada iniciativa.

Uma das primeiras medidas a serem anunciadas é o lançamento do Modermaq, um plano que prevê incentivo à compra de máquinas e equipamentos para dinamizar a indústria. Outro setor que deverá ter investimentos anunciados é o de semicondutores. De 23 grandes empresas de semicondutores, 20 faliram. Além dos bens de capital e dos semicondutores, o governo elegeu os setores de softwares e fármacos como prioritários na implementação do programa.

Cronograma

Não será hoje que o governo anunciará o volume de recursos a ser empregado no plano. O presidente apresentou as linhas gerais da política industrial aos conselheiros. A política industrial é parte de um conjunto de ações que compõem a estratégia de desenvolvimento, apresentada no documento Orientação Estratégica de Governo: Crescimento Sustentável, Emprego e Inclusão Social.

Ela está articulada com os investimentos planejados para a infra-estrutura e com os projetos de promoção do desenvolvimento regional. Para promover o desenvolvimento será necessária ainda a implementação de outras iniciativas como o marco regulatório do setor elétrico, das Parcerias Público-Privadas, da nova Lei de Falências.

Desobstruções

O presidente anunciou a criação da "Sala de Situação", que será coordenada pelo vice-presidente José Alencar e destinada a receber os investidores estrangeiros no Brasil. Nesta sala estariam à disposição dos investidores estrangeiros representantes de cada ministério, desde a Receita Federal até o Ministério do Meio Ambiente, e essas pessoas, em nome do governo, iriam tentar desobstruir os problemas para implementação de projetos novos.

"Num só bloco os investidores estrangeiros teriam contato com todas as áreas do governo e nesta sala tentariam resolver os problemas para viabilizar os novos investimentos. Queremos demonstrar que quem tem pressa em receber esses investimentos somos nós", afirmou.

O presidente também disse aos conselheiros que no próximo dia 19 fará uma nova reunião com ministros da área de infra-estrutura, mais os presidentes do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES e o chefe do Ibama, para definir todos os gargalos existentes, com relação ao licenciamento de projetos. Para Lula é fundamental definir esses gargalos e resolvê-los para que licenciamentos ambientais não sejam impeditivos para o desenvolvimento de projetos no país.

Partido dos Trabalhadores

 
7455
Loading. Please wait...

Fotos popular