Pravda.ru

Notícias » Brasil


Chinaglia: governadores tucanos não podem criticar governo Lula

09.08.2004 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Entre as reivindicações apresentadas estão um maior repasse de recursos da União aos governos e “limites mais suportáveis” para o pagamentos das dívidas estaduais.

A reunião dos governadores tucanos ocorreu em Palmas, Tocantins, quando também foi aprovado um apoio à proposta do senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT) de retirar do cálculo das dívidas estaduais os gastos com saúde e educação. “Ajudar o Brasil não é retirar investimentos de saúde e educação do cálculo da divida estadual, mas ajudar o presidente Lula a convencer o FMI que os investimentos em estatais e em infra-estrutura não entrem no cálculo do superávit primário. Isso porque a responsabilidade de pagar as dívidas é da União”, rebateu Chinaglia, ao ser entrevistado hoje pela manhã pelo Portal do PT.

Eleições

Já o deputado federal Virgílio Guimarães (PT-MG), que foi relator do projeto de reforma tributária na Câmara, atribui ao momento eleitoral a ênfase do documento dos governadores. “Num momento de eleições, sendo os governadores que assinam o documento de oposição, não considero que isso vá aguçar um eventual atrito com o governo federal”, afirmou hoje Guimarães.

O parlamentar mineiro acredita que as reivindicações do documento fazem parte do jogo político e do próprio papel do administrador público. “Governador e prefeito são como sindicalistas: têm de reivindicar sempre. Isso é normal e até os nossos governadores reivindicam também”, disse Virgílio Guimarães, que ressalta, no entanto, que o governo do presidente Lula tem uma relação diferente com os governos estaduais. “O governo Lula foi o que mais atendeu os governadores e, dentro do programa de desenvolvimento, vai fortalecer os governadores”, garantiu o parlamentar.

Ajuste

O líder Arlindo Chinaglia vai mais longe e lembra que o acordo sobre a dívida dos Estados para com a União foi celebrado no governo FHC. “Na época, alguns como Olívio Dutra e Itamar Franco procuraram rediscutir essa questão da dívida dos Estados e dos acordos feitos com a União e que, já naquela época, traziam dificuldades. O governo passado não só não aceitou como manteve a paridade cambial, o que agravou ainda mais o problema”, relembrou Chinaglia, para quem, não há uma saída para os Estados sem encontrar soluções para a União.

PT

 
2403
Loading. Please wait...

Fotos popular