Pravda.ru

Notícias » CPLP


O enterro da moralidade

25.06.2009 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

por Geraldo Almendra


“Não temos dúvidas de que eles vencerão beneficiados pelas impunidades que protege o covil de bandidos, e que jamais pagarão por seus crimes, que continuarão ricos e corruptos, e até mesmo respeitáveis, restando-nos continuar escrevendo para não sermos nunca igualados com a canalha que está controlando o país, nem com os patifes esclarecidos que são cúmplices dessa corja”.


O presidente da nossa apodrecida República declarou que existem coisas mais importantes para o país do que tratarmos da crise do Senado, um grotesco escândalo que em qualquer país civilizado, e com uma Justiça e um poder de polícia que merecessem esses nomes, justificaria uma fila de patifes saindo do covil de bandidos algemados, indo direto para a cadeia sem direito a liberdade provisória durante suas merecidas condenações.


Um presidente que pede que os gastos pessoais dos ocupantes do Poder Executivo com cartões de crédito corporativo sejam tratados como “segredo de Estado” não poderia dar outro tipo de satisfação para esta sociedade covarde, omissa, hipócrita e leviana em que vivemos, graças aos patifes esclarecidos e seus cúmplices que tomaram conta do poder público depois do regime militar.

Gastos com botox é segredo de Estado?
Gastos com cremes e cosméticos importados é segredo de Estado?
Saques em dinheiro é segredo de Estado?
Etc.

Pelo menos a inutilidade corrupta da inútil não é segredo para mais ninguém.

É esse o “cara do Obama”!

O nosso problema não é mais termos uma absurda fraude como cidadão, ser humano e político dirigindo o país, pois a continuidade do seu projeto de poder perpétuo já é uma realidade que se transformou, do projeto de poder das “gangs dos quarenta”, em um projeto nacional da burguesia petista e seus cúmplices subornados de todas as formas possíveis.

O mais grave problema do país, contrariamente ao que pensa o Retirante Pinóquio, é a falência da moralidade como norma de conduta em todas as classes sociais, que admitem, passivamente, serem controlados por um covil de bandidos absolutamente protegidos da ação do poder de polícia.

Que ninguém se iluda. A história do mensalão – como todos os outros – vai se repetir com o escândalo do Senado; um boizinho de piranha vai ser suficiente para nossa imoral e estúpida sociedade esquecer a crise do covil de bandidos e continuar trabalhando mais de cinco meses por ano para sustentar esses deliquentes de colarinho branco.

O castelo de cartas da degradação moral dificilmente vai cair, pois os arquivos vivos da canalhice dentro do covil de bandidos mutuamente se protegem; o líder do crime organizado dentro do poder público não tem mais escolha a não ser se autoproteger, protegendo os bandidos-cúmplices.

Artistas, homens do direito, acadêmicos, jornalistas marrons, caserneiros graduados, empresários e outros esclarecidos, no seu silêncio apátrida-calhorda, insistem, com suas omissões, com os subornos do seu silêncio, ou com suas cumplicidades diretas, em dar o aval para que esse canalha e seus asseclas meliantes continuarem jogando o país no fosso da degradação moral.

O caos da corrupção, do corporativismo sórdido e da imoralidade já está sem controle, pois os arquivos vivos já colocam na mesa suas cartas de denuncias das cumplicidades.

O jeito mesmo é o presidente desconversar e continuar fazendo os cidadãos de otários, imbecis e empregados do circo do Retirante Pinóquio.

Aí se coloca como executiva do quadro burocrático do senado uma antiga chefe de gabinete da filha do “amigo do presidente” como executiva do Senado para tratar das investigações dos roubos dos contribuintes. É demais!

Lamento que um jornalista do porte de Alexandre Garcia inicie seu brilhante comentário sobre essa desgraça de Senado, que é cúmplice do afundamento do país na mediocridade política e no crime organizado dentro do poder público, com a seguinte entrada: “com todo o respeito presidente...”.


Absolutamente desnecessária e incorreta a introdução, Alexandre.

Você, pela exceção que representa em nosso jornalismo - apesar de trabalhar na Globo, cúmplice exemplar da “competente” patifaria do politicamente correto - é que merece nosso respeito, e não essa fraude – escória da imoralidade - que está fazendo o país se transformar no paraíso dos canalhas.

O cargo de presidente e seu ocupante são rigorosamente incompatíveis. A honra do cargo se perdeu, pois está sendo destruída pela mediocridade do seu ocupante e de seus cúmplices das “gangs dos quarentas”.

Enquanto isso a sociedade vai esquecendo a CPI da Petrobrás que poderia, se não estivesse sendo fraudada pela base de apoio ao presidente, simplesmente deixar a sociedade sem saída - apesar de sua imensa covardia –, sendo obrigada a destituir esse desgoverno.


Geraldo Almendra
glaf@terra.com.br

http://www.guiasaojose.com.br/novo/coluna/index_novo.asp?id=2855

 
5191
Loading. Please wait...

Fotos popular