Pravda.ru

Notícias » CPLP


ACED toma posição sobre a política das salas de chuto

22.09.2006 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Ag  Agora, um dos membros da ACED polemiza a respeito das movimentações para boicotar o acolhimento da medida emblemática por parte do governo. Ler tudo em www.sociofonia.net/aced. Ler artigo polémico a seguir:

Os pobres diabos, os escribas de serviço,

os interesses obscuros...

 

Um recluso do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira fez saber, refugiando-se sob a capa do anonimato, que intentou uma “providência cautelar” para tentar obstar à instalação de um plano de troca de seringas nas prisões portuguesas decorrente de uma decisão do governo. E logo Rui Jorge Cruz, advogado do recluso, aproveitou o ténue flop mediático para se pôr a jeito, debitando ao “Correio da Manh㔠ser o seu cliente “um homem de convicções fortes”...

 

Segundo o causídico, “António” (nome fictício usado pelo “CM”) não concorda com a medida governamental, alegando ser esta “um atentado à saúde pública dentro das prisões”. Embalada pela verborreia, a própria jornalista (?!) do “CM”, Marta Martins Silva, especula -  num estilo que já não se percebe ser o de uma notícia ou de um artigo de opinião da própria - que “incentivados pela ideia de António, outros reclusos ponderam também interpor providências cautelares, que impeçam a troca de seringas dentro das cadeias”.

 

Para que ninguém pense ser “António” um pobre diabo ao serviço de interesses obscuros, o advogado ainda declara mais adiante gostar o seu cliente de “guerras difíceis”, tendo tomado “esta decisão sozinho”. E, mais ainda, remata peremptório: “O meu cliente não está nem nunca esteve envolvido com drogas”... Pois claro, para que não fiquem  dúvidas!

 

Pondo-se também a jeito – aproveitando a embalagem da jornalista (?!) que, curiosamente (revelando um discutível sentido ético da profissão), não se dignou ouvir ninguém que defenda a troca de seringas -, o novel presidente do sindicato dos guardas prisionais manifestou o seu apoio à providência cautelar, rematando apologético: “Os reclusos têm os seus fundamentos para estar contra a medida do governo, nós [os guardas prisionais] temos os nossos. E a segurança é a nossa preocupação. Não me surpreendem que estejam contra, porque tal como nós, os reclusos conhecem o meio prisional português”...

 

Não deixa de ser interessante a oportunidade da “notícia”. O recluso “que gosta de guerras difíceis” - mas de quem ninguém conhece uma única posição contra a violação dos direitos humanos nas prisões, nem nunca se manifestou contra as precárias condições de assistência médica – vem  mesmo a calhar para as estratégias de manipulação e demagogia que procuram torpedear uma medida fundamental para suster a proliferação de doenças transmissíveis por via venosa. E, mais ainda, o recluso “que não está nem nunca esteve envolvido em drogas” dá mesmo jeito às sinistras figuras do negócio da droga que, obviamente, já perceberam que esta medida – e o controlo médico-sanitário que lhe estará inerente – poderá contribuir não só para a redução de riscos, mas também para a implementação de planos de desintoxicação e, futuramente, para a prossecução de políticas mais corajosas para o combate ao tráfico e a redução dos factores que geram criminalidade associada aos consumos. Ou seja, o combate ao negócio que medra nas prisões com a cumplicidade dos vários poderes instalados!

 

Quanto ao sindicato dos guardas, o “homem das convicções fortes” vem mesmo a calhar, ou já não tivesse o seu presidente, Jorge Alves, num invulgar exemplo de vidência sindical, especulado sobre a possibilidade de reclusos -  que alegadamente estariam contra a medida do governo – destruirem máquinas de troca de seringas a instalar nas prisões. Mas, naturalmente, são só coincidências...

 

António Alte Pinho

Leceia, 2006-09-20

 António Pedro Dores

 

 
5097
Loading. Please wait...

Fotos popular