Pravda.ru

Notícias » CPLP


Observadores brasileiros destacam "total legitimidade" da eleição da Maduro

19.04.2013 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Samuel Pinheiro Guimaraes, Olívio Dutra e Roberto Amaral desmentem alegações da direita venezuelana, apoiada pelos governos dos EUA e da Espanha.


Convidados pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela para acompanhar o pleito do último domingo (14) no país vizinho, o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, Alto-Representante Geral do Mercosul; o ex-governador do Rio Grande do Sul, Olívio Dutra; e o ex-ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, foram unânimes durante entrevista em Caracas, nesta terça-feira, em reafirmar a "total legitimidade" da eleição do presidente Nicolás Maduro.

Leonardo Wexell Severo, de Caracas

(Fotos de Joka Madruga - ComunicaSul)
 
 
"Acompanhamos todas as etapas, uma vez que passamos a semana na Venezuela. O CNE explicou detalhadamente todo o processo, desde a sua construção e funcionamento, a sua rede, o voto eletrônico, a forma de aferição, a eficiência, a legitimidade e a objetividade", declarou Olívio Dutra.

Durante todo o período, ressaltou o líder gaúcho (foto), ocorreram reuniões com os técnicos do órgão eleitoral que também trataram de especificidades jurídicas, esclarecendo a todos de forma pormenorizada.
 
"Visitamos locais onde as urnas são aferidas, as instalações e várias seções eleitorais. Pudemos constatar muita responsabilidade e preocupação com a objetividade do processo. As eleições de domingo foram realizadas de forma eficiente e transparente, de forma que o eleitor tivesse consciência". Desde que o cidadão chega para votar, apontou Olívio, há cinco etapas distintas e separadas para garantir a mais completa privacidade, o segredo do voto, num formato de "ferradura" na sala de votação. Após apresentar a cédula de identidade e digital, o eleitor vai até a máquina escolher seu candidato na tela e confirmar o nome no monitor. A máquina então imprime o comprovante, o eleitor confirma o seu voto e coloca na urna. Depois assina o caderno de votação e pinta o dedo mindinho com uma tinta indelével.
 
"O resultado deu a vitória ao candidato oficial, Maduro, com uma vantagem inferior a 2%. Esta foi a verdade das urnas. Este é um dado objetivo", sublinhou o ex-governador, contestando as alegações de fraude sustentada pelo candidato oposicionista, Henrique Capriles, que conclamou seus apoiadores e não reconhecerem o resultado. O pedido foi prontamente atendido e amplamente repercutido pelos governos dos Estados Unidos e da Espanha.
 
Numa sociedade "altamente politizada" como a venezuelana, ressaltou Olívio, estas foram eleições "disputadíssimas", com amplas liberdades. "Nas ruas, nas rádios e televisões, nas bancas de jornais, vi uma demonstração de que há liberdade de imprensa. Inclusive, a grande maioria é de oposição e diz o que bem entende".
 
Para o ex-governador, a vitória do candidato chavista aponta para um "avanço na democracia da Venezuela". "Que bom que esse exemplo possa se irradiar e que os problemas da democracia sejam resolvidos com mais democracia". Olívio lembrou que a lisura do pleito foi destacada pelo conjunto dos observadores internacionais, que expressaram por escrito essa mesma opinião. "Ouvi a todos nas reuniões, ninguém colocou em dúvida a legitimidade do processo, que foi marcado pela eficiência, transparência e verdade", acrescentou.
 
" VITÓRIA DA DEMOCRACIA "
 
Renomado intelectual, autor dos livros Quinhentos anos de periferia e Desafios brasileiros na era dos gigantes, ex ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República no governo Lula, Samuel Pinheiro Guimarães também sustenta que o resultado foi uma "vitória da democracia". "Foram eleições absolutamente limpas, com amplíssima liberdade de imprensa, num processo de votação sem nenhuma restrição". Conforme o embaixador, o sistema eleitoral venezuelano é "bem mais avançado do que o dos supostos países democráticos, como os Estados Unidos e a Espanha".
 
Sobre o significado da vitória de Maduro para a integração latino-americana, Samuel analisa que a eleição do chavista dará "continuidade à orientação da política externa venezuelana em relação à América do Sul, com maior aproximação do Brasil e da Argentina e o ingresso da Venezuela no Mercosul, extremamente importante, uma garantia contra um golpe da direita".  Ele também destacou a relevância econômica da Venezuela para a integração ser potencializada.
 
Na avaliação do embaixador, neste momento, "a oposição procura deslegitimar, de todas as formas possíveis a vitória do PSUV (Partido Socialista Unificado da Venezuela) e de seus aliados". Pedir a recontagem de todas as urnas, disse, é algo que "não está previsto na legislação, nem é necessário". Samuel lembra que esta "tentativa de desestabilização" tem se tornado um "clima permanente" na República Bolivariana. "Agora, como a diferença foi pequena, a oposição mobiliza apoios de alguns governos como o dos Estados Unidos e da Espanha, e algumas organizações como a OEA, que deram declarações que não reconhecem o resultado das urnas", condenou.
 
ALERTA CONTRA OS GOLPISTAS
 
Para o ex-ministro de Ciência e Tecnologia e vice-presidente nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Roberto Amaral (foto), "mais do que eleitoral, as eleições mostraram um crescimento ideológico da direita, o que é muito preocupante". "Isso está estampado nas declarações de Capriles e dos jornais que, contrariando as regras do jogo, se recusam como oposição a aceitar que perderam e prometem desestabilizar o país. Daí a importância das forças de esquerda de toda a América Latina acompanharem de perto esse processo", asseverou.
 
Roberto Amaral disse ter visto nos dias que passou na Venezuela, "uma participação popular que há muitos anos não se vê no Brasil, num processo extraordinário, limpo, transparente e seguro. Muito mais do que o nosso, inclusive".
 
Segundo o líder socialista, a vitória de Maduro fortalece a integração da América Latina, "na qual o Brasil está interessado", enquanto a candidatura oposicionista representa a "anti-integração", mais do que óbvia por seus estreitos vínculos com o governo dos Estados Unidos. "A eleição de Maduro fortalece o Mercosul muito além da economia, pois tem grande importância geopolítica. Representa a articulação da Venezuela, Argentina, Brasil, Equador, Bolívia e Uruguai, fundamentalmente, para que mantenhamos o avanço das forças populares e progressistas da América Latina", concluiu.


http://www.patrialatina.com.br/editorias.php?idprog=997ddfb43e587b1580a0caba67f9de24&cod=11345

 
8055
Loading. Please wait...

Fotos popular