Pravda.ru

Notícias » CPLP


Força do mal nova, depois da força do mal velha

16.09.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Força do mal nova, depois da força do mal velha. 20870.jpeg

Ressurreição, reinvenção e linguística. Barack Obama fez de tudo. E agora fala de os EUA irem à guerra também na Síria, além de no Iraque. Oh yes, e ele vai derrotar o ISIS, o "barbarismo", o "genocídio", a "ideologia distorcida" do ISIS - até que os malditos sejam "evanescidos da face da Terra". Saudades de George W Bush...


11/9/2014, Robert Fisk, The Independent , UK - http://goo.gl/sLBfp7


Mas examinemos a coisa com lente linguística. Primeiro, Obama vai obrar a ressurreição das milícias sunitas "Conselho do Despertar" - criatura criada por um tal general David Petraeus - que recebia salário para combater a al-Qaeda pago pelos norte-americanos durante a ocupação norte-americana do Iraque, mas foi varrido de lá pela al-Qaeda e traído pelo governo iraquiano dominado por xiitas. Obama até inventou nome novo: chamou-as de "Unidades da Guarda Nacional", que vão "ajudar comunidades sunitas a proteger a própria liberdade delas contra o ISIL." Guarda Nacional, é? Façam-me o favor!

E há também a reinvenção da tal oposição síria "moderada", que antigamente se chamava Exército Sírio Livre - constituído de desertores corruptos e traídos tanto pelos seus aliados ocidentais como também traídos pelos aliados islâmicos deles -, que já nem existe. Esse exército fantasma será chamado de "Coalizão Nacional Síria" e será treinada - e onde mais seria?! - na Arábia Saudita, cujos cidadãos deram zilhões de dólares à al-Qaeda no Iraque, também chamada ISIS, ISIL, Estado Islâmico (você mesmo escolhe a sigla), Jabhat al-Nusra inúmeros outros sujeitos-do-mal os quais, agora, Obama quer ver "banidos da Terra".

E há também a coisa linguística. Obama "não hesitará em empreender ação contra o ISIL na Síria". Mas, então, significa que ele vai tornar "banidos da Terra" os inimigos do presidente sírio Bashar al-Assad, o mesmo que Obama já estava quase "banindo da Terra" ano passado - até que se borrou e preferiu deixar Assad em paz. Assim sendo, se o inimigo do meu inimigo é meu inimigo - como há quem suponha que os árabes digam por lá, uns aos outros - Assad pode ver Washington praticamente como nova aliada.

Mas, não, não, não. Nada disso. Aí começaram as difíceis explicaçõezinhas bem sujas: os EUA "não podem confiar num regime Assad que aterroriza o próprio povo", regime que "nunca mais recuperará a legitimidade que perdeu". Mas ninguém nunca mandou que os EUA "confiassem" em Assad - Assad é quem já confia no apoio da Rússia. E a legitimidade de Assad é reconhecida e respeitada por China, Irã - com quem os EUA estão tendo íntimas conversações nucleares - e pela Rússia, cujos exércitos claramente não hesitaram "em empreender ação" na Ucrânia.

Feitas as contas, um belo estado de coisas. E parte do problema é que os EUA não têm memória semântica - nem institucional nem nacional. Obama conta que os EUA vão "caçar terroristas que ameaçam nosso país". Mas eu me lembro do vice-presidente George Bush dizendo ao seu povo, depois que a Marinha dos EUA bombardeou Beirute em 1983 que "não deixaremos um bando de covardes terroristas insidiosos abalarem a política externa dos EUA". Na sequência, os militares norte-americanos fugiram de Beirute. Três anos depois, o presidente Ronald Reagan disse de Muammar Gaddafi da Líbia ("cachorro louco do Oriente Médio"), que "fugiu - mas não tem onde se esconder". Mas Gaddafi escapou - e ainda foi beijado por Tony Blair, depois de ser perdoado por todo o seu "terrorismo" - só para ser assassinado muito depois, quando outra vez voltou a ser "terrorista" tudo outra vez.

É fácil entender que essas lições de história do Oriente Médio sejam muito difíceis, quase incompreensíveis, para o norte-americano médio. Todas essas forças do mal banidas e rebanidas tudo outra vez, outra vez, até que - bingo - aparece força do mal nova a ser banida. E vem Obama e produz palavras fáceis de engolir, "genocídio", "barbarismo", "câncer".

Só ocasionalmente aparece alguma coisinha que nada tem a ver com o que foi dito antes - e que os norte-americanos devem fingir que não viram que nada tem a ver com o que foi dito antes. Nesse discurso apareceu, por exemplo, aquela estranhíssima referência que Obama fez a "grupos radicais" que exploram ressentimentos em benefício deles mesmos". E que "ressentimentos" seriam? - pergunto eu. A invasão ilegal do Iraque em 2003 e o concomitante banho de sangue? Nossa ocupação sem fim do Afeganistão? A pulverização de Gaza, pelo maior aliado dos EUA?

Obama, o generoso, não pronunciou o nome do tal aliado, embora ele tenha aposta muito alta já feita na nova guerra re-expandida dos EUA no Oriente Médio - Israel, afinal, tem importante fronteira com a Síria. Mas Arábia Saudita, Qatar e os demais Cresos-sunitas árabes do Golfo podem não gostar de que seus cidadãos sejam relembrados de que a renovada aliança com Washington - treinar aqueles carinhas "moderados" inexistentes, por exemplo - ajudará Israel, e muito.

A estridente ironia é que os homens do "Estado Islâmico" são açougueiros, decepadores de cabeças e limpadores étnicos de inimigos. O "estado" que inventaram e o sadismo converteram-nos numa estranha combinação de Mickey Mouse com Genghis Khan. Mas nunca, em tempo algum, por estranho que pareça, o EI tentou explorar qualquer "ressentimento" anônimo dos que Obama comentou. A "ideologia" (aspas de citação, para não deixar dúvidas sobre quem disse o quê) deles é tão totalmente introvertida que, até hoje, o EI, islâmico e tudo, jamais pronunciou uma palavra, que fosse, de simpatia pelos palestinos de Gaza, nem durante todo o longo e mais recente evento de massacre perpetrado pelos israelenses contra palestinos. Há ressentimentos, sim, é claro. Haverá talvez um Curdistão? Haverá algum dia uma Palestina?

Pois Obama não disse palavra sobre esses assuntos infinitamente mais graves. Temo que se trate da mesma velha política dos EUA: confrontar a maior crise nova no Oriente Médio que surgiu desde a maior crise velha no Oriente Médio. O que seria de nós, sem os EUA para fazerem esse serviço?!***** 

 

 
7562
Loading. Please wait...

Fotos popular