Pravda.ru

Notícias » CPLP


Por que não canto o Hino Nacional

14.11.2011 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Por que não canto o Hino Nacional

Mário Maestri*

Por que não canto o Hino Nacional. 15925.jpegNo início do século 19, os soldados franceses enviados por Napoleão Bonaparte para vergar a barbárie e restabelecer a civilização na parte francesa da ilha de Santo Domingos, futuro Haiti, escutavam, ao longe, assustados e perplexos, o ressoar da canção querida que seus oficiais lhes proibiam cantar. Eram os negros insurrectos que, entoando a Marselhesa, surgiam da profundeza da noite para desbaratar as linhas do exército invicto.

 

Avante, filhos da Pátria

O dia de glória chegou

Contra nós, levantou-se,

O estandarte ensangüentado da tirania.

Escutai, nos campos, rugir esses ferozes soldados?

Eles vêm, nos nossos braços,

degolar vossos filhos, vossas companheiras.

       Às armas, cidadãos! Formai, vossos batalhões!

Marchemos! Marchemos!

 

            A Marselhesa teria sido composta para o exército do Reno, em 1792, pelo capitão-engenheiro Claude-Joseph de Lisle Rouget. Ela transformou-se na principal canção marcial popular e, muito mais tarde, no hino nacional da França, pela decisão e vontade anônimas e soberanas da população nacional em armas.

A Marselhesa foi selecionada entre tantos outros hinos porque na forma e no conteúdo sintetizava o entusiasmo com que a França democrática, republicana e plebéia levantava-se para vergar os aristocratas e conservadores que, dentro e fora do país, coligavam-se contra a revolução.

Após o golpe militar de 1799, Bonaparte proibiu aos soldados franceses cantar a Marselhesa, tamanha era seu poder de invocação democrática e revolucionária. A tradição conta que teria apenas permitido que fosse entoada, por uma única vez, em 1805, em Austerlitz, quando da grande vitória sobre os imperadores da Áustria e da Rússia.

 

Pela Internacional!

No século 19, através do mundo, a Marselhesa tornou-se a canção do movimento democrático e socialista.  Em 1870, com a Terceira República francesa, ela foi reconduzida como hino patriótico francês.  Portanto, em 1871, na Comuna de Paris, o mundo do trabalho e a ordem do capital defrontaram-se, de armas à mão, cantando ambos o mesmo hino.

Durante os combates parisienses, foi composto o "Canto da Internacional: hino dos trabalhadores", que o Jornal Oficial da Comuna falhou ao prognosticar como a possível "Marselhesa da nova Revolução" - como lembra Luiz A. Gini. Cem mil trabalhadores foram mortos, fuzilados ou aprisionados durante e após os combates pelas forças da reação burguesa francesa.

O "Canto da Internacional" não prosperou. Porém, a canção revolucionária "A Internacional", com música do operário Pierre Degeyter [1888] e poema escrito por Eugène Pottier, que participara da Comuna, em 1871, terminou celebrizando-se, no fim do século 19. Desde então, "A Internacional" constituiu o hino dos trabalhadores franceses e  de todo o mundo, cantado com a mesma música nos mais diversos idiomas.

De pé, ó vítimas da fome!
De pé, famélicos da terra!
Da idéia a chama já consome
A crosta bruta que a soterra.
Cortai o mal bem pelo fundo!
De pé, de pé, não mais senhores!
Se nada somos neste mundo,
Sejamos tudo, ó produtores!

Refrão (bis)

Bem unidos façamos,
Nesta luta final,
Uma terra sem amos
A Internacional.

Macieira não dá laranjas. A gênese histórica e social radicalmente distinta do hinário patriótico brasileiro explica seu nulo poder evocativo popular e democrático. A ruptura da união do Brasil com Portugal foi certamente o movimento de independência mais atrasado e mais conservador das três Américas. 

Para tranqüilizar os interesses dos proprietários britânicos e portugueses, as classes dominantes provinciais do Brasil aceitaram o tacão centralizador e despótico de um príncipe português que era, igualmente, o herdeiro da coroa lusitana que renegavam. Para garantir a continuidade da ordem negreira, os grandes proprietários de todas as províncias optaram por um Estado monárquico, centralizador e antiliberal.

 

Independência de branco

Muito logo, as classes proprietárias do Brasil teriam a prova amarga da tacanhice da solução política bragantina. Em novembro de 1823, quatorze meses após o Sete de Setembro, dom Pedro desferia o primeiro golpe militar do Brasil independente, fechava a assembléia nacional constituinte e legislativa, ditava a constituição anti-liberal de 1824 que governaria o Brasil até 1889.

A Independência de 1822 foi coisa de branco, de escravista e de rico, pra branco, escravista e rico. A grande maioria da população trabalhadora, formada por africanos e brasileiros escravizados, prosseguiu sob o jugo absolutista e colonial do bacalhau de cinco pontas do escravista impiedoso.

O "Hino da Independência" teve autores mais ilustres do que a Marselhesa e a Internacional. A letra foi escrita por Evaristo da Veiga, prócer da Independência, e a música, composta, nada mais, nada menos do que pelo imperador em pessoa. Em verdade, o hino foi executado, em 7 de setembro, à noite, no Teatro da Ópera, em São Paulo, diante do digno compositor e da igualmente digna nata dos proprietários escravistas da cidade. Tudo muito chic e oportuno, portanto! Uma independência socialmente excludente geraria hino esteticamente excludente.

 

Já podeis da Pátria filhos,

Ver contente a mãe gentil;

Já raiou a liberdade

No horizonte do Brasil.

 

Como assinala Flávio R. Kothe, em O cânone imperial, o primeiro verso realiza-se na segunda pessoa do plural, comum à linguagem áulica da Corte e desconhecida da população livre pobre, para não falar da população trabalhadora, que se comunicava em boa parte através de línguas e koinés africanas e indígenas.

A contradição berrante entre os "filhos da pátria" que saudavam a "liberdade" que  raiara "no horizonte" e as multidões de homens e mulheres de pele negra e parda acorrentadas à escravidão até a morte registrava o fato de que a massa trabalhadora não faria, sequer formalmente, por 66 anos, parte da nação que surgia.  A nova pátria que se criava a partir do velho mundo colonial tinha poucos e escolhidos filhos.

 

República do fazendeiro

O golpe militar de 15 de novembro de 1889 pôs fim a um centralismo monárquico que a Abolição tornara desnecessário e, de lambuja, sufocou a proposta de refundação democrática da nacionalidade brasileira defendida pelo movimento abolicionista. Então, todos os habitantes do Brasil passaram a participar, formalmente, de uma república essencialmente federalista e oligárquica e nulamente democrática e plebéia.

A ruptura com o passado monárquico exigiu a produção de novos símbolos republicanos, em geral construídos com o velho e usado material simbólico imperial, para que ninguém esquecesse que, no fundo, pouco mudara. Em forma ainda mais radical, o hino mais cantado na República materializou formalmente a profunda rejeição das classes populares, na nova ordem republicana, pelas novas classes dominantes em tudo herdeiras dos velhos dominadores.

As exóticas inversões sintáticas e o elitismo vocabular dos versos do Hino Nacional Brasileiro, musicado por Francisco Manuel da Silva, em 1841, registraram plenamente o elitismo da nova república dos coronéis e latifundiários, onde se manteve o mundo do trabalho na submissão, a ferro e fogo, se necessário, como comprovam, entre outros sucessos, a guerra de Canudos-Belo Monte, em 1897; a Revolta da Chibata, em 1910; a guerra do Contestado, em 1912. 

O pernosticismo lexical e o preciosismo sintático usados por Osório Duque Estrada, na construção, em 1909, da letra definitiva do Hino Nacional, foram tão radicais que  ele ainda hoje é praticamente incompreensível para a imensa maioria da população, incapaz de dar sentido a vocábulos retorcidos como "plácido", "retumbante", "fúlgido", "resplandecente", "impávido", "florão", "garrida", "lábaro", "verde-louro", "clava" etc.

 

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas

De um povo heróico o brado retumbante

E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,

Brilhou no céu da Pátria nesse instante

 

 

A linguagem do mito

 A esquizofrenia patente de uma população cantando hino que não entende ensejou propostas de simplificação lingüística ou modificação radical da letra da canção pátria, para que o povo a pudesse compreender o que cantava.  Essas tentativas de remendo ignoram a funcionalidade, na ótica das classes dominantes brasileiras, do caráter estrangeiro da língua em que foi composto o Hino Nacional.

O lingüista marxista Mikhail Bakhtine lembrava que, por além da compreensão, na "consciência histórica dos povos, a palavra estrangeira fundiu-se com a idéia de poder, de força, de santidade, de verdade". Por isso, em geral, o discurso religioso dá-se em língua impossível ou difícil de ser compreendida pelos crentes. Comumente, seu caráter evocativo se dissolve como sorvete exposto ao sol ao ser traduzido em língua de gente.

Foi com indignação e perplexidade que ouvi meu professor de latim explicar que o mágico e magnético "It missa est" de minha infância queria dizer qualquer coisa como "podem ir jogar futebol que a missa já terminou". Os sentidos irracionais de uma narrativa podem ser mais facilmente entranhados quando o estranhamento lingüístico que produz nos receptores dificulta-lhes uma tentativa de apreensão racional dos conteúdos sociais e ideológicos reais da mensagem. 

A linguagem esotérica e arcaica galvaniza comumente sentimentos mágicos e aristocráticos imprecisos e difusos. No mundo das percepções invertidas e alienadas, a sentimentos superiores não pode corresponder, jamais, linguagem e conceitos tidos como inferiores. Ou seja, comumente, para que conteúdos elitistas alcancem efeito popular, eles não podem ser vertidos em linguagem popular plenamente compreensível.

A linguagem mandarinesca supera a impossibilidade de escrever, em língua de gente, canção que registre, no seio de espaço geográfico nacional,  os inexistentes interesses comuns a banqueiros e bancários, a patrões e trabalhadores e empregados, a investidores e desempregados, a latifundiários e sem terra. A linguagem rebuscada e incompreensível materializa mais facilmente sentimentos produzidos na esfera da irracionalidade social.

Nesse sentido, a repetição de uma produção verbal semi-compreensível, associada a sentimentos alienados e irracionais sacralizados, enseja que o homem comum, educado na repetição do rito desde criança, associe-se, periodicamente, a ato unitário de celebração nacional que consolida a perpetuação de Estado fundado e construído através da produção e reprodução consciente da miséria, da exploração e da desigualdade.

 

* Mário Maestri, 63, rio-grandense, é historiador. Entre outro, é autor, em parceria com Florence Carboni A linguagem escravizada [São Paulo: Expressão Popular, 2002]. E-mail: maestri@via-rs.net

 

 
14220
Loading. Please wait...

Fotos popular