Pravda.ru

Notícias » CPLP


Para quando o próximo verão chegar

10.02.2009 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Depois das tempestades, a bonança. Silenciosamente, as águas voltam ao seu leito natural e a vida segue seu curso diário. Lentamente, as velhas mazelas são esquecidas e os repetidos protestos das populações atingidas pelas enchentes, evaporam-se à luz do sol, que banha e ilumina o dia-a-dia das cidades brasileiras. Infelizmente, tudo vai devagar, passivamente, enquanto as janelas olham as cidades seguindo em marcha batida, a velha rotina, até quando dezembro chegar.

As tragédias das enchentes são todas construídas no dia-a-dia de nossas cidades, desde a mão que joga o lixo no chão, que vai, bueiro abaixo, entulhando os canais de escoamento, até a mão da administração omissa, que prefere ignorar as obras subterrâneas de esgotamento sanitário e galerias fluviais, em detrimento das obras exposta à céu aberto, à olhos vistos. Tudo, na visão eleitoreira de quem escolhe entre as tragédias de seu povo e o possível sucesso eleitoral.

É preciso entender que o prejuízo de uma enchente é o atestado oficial de uma gestão distante dos verdadeiros anseios de sua comunidade, de uma administração incompetente, sem capacidade para corrigir os erros mais primários da urbanização dos pequenos e grandes centros urbanos de nossas cidades. Enquanto isso, das janelas das prefeituras de Minas e do Brasil, alguns contabilizam os estragos que as enchentes causaram, enquanto a chuva caia devagar.

Depois de recolher os cacos, é preciso começar os trabalhos, recomeçar a vida além do ponto em que paramos. É preciso vislumbrar mudanças, aprender com os erros, seguir em determinado progresso.

Enxugar a água e apenas retirar a lama, sem corrigir as causas dos desastres; dos deslizamentos de terra; da não vazão da enxurrada; dos transbordamentos dos rios; é estender no varal do tempo o lenço para enxugar as próximas lágrimas, fruto de muito sofrimento, tristezas e dor.

O tempo não para e as próximas chuvas já tem o seu dia marcado para chegar, gerando prejuízo para o Estado, para o município e para a população. Se nada for feito pelas prefeituras, ela ceifará vidas, destruirá esperanças e afogará sonhos.

É preciso corrigir isso, é preciso investir no mais barato, no mais viável, e realizar o trabalho necessário para que a vida continue tranqüila e aprazível nas cidades brasileiras. Afinal, a nossa vida não é tão besta assim!

Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor

 
2490
Loading. Please wait...

Fotos popular