Pravda.ru

Notícias » CPLP


A sinuca do gás

07.11.2006 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

O consumidor brasileiro e as indústrias que utilizam gás natural, estão numa sinuca, criada pelo governo, que incentivou o uso do gás natural em veículos, residências e fábricas. Não faz tanto tempo assim que a Comgás, empresa que distribui o produto em São Paulo, alardeou as vantagens da conversão dos fogões e outros equipamentos do gás de petróleo (GLP) para o natural (GNV, GNP).

A culpa, é claro, cabe ao distinto público, que não aprende a desconfiar de políticas de incentivo governamentais. Esqueceram-se os consumidores da falta de planejamento que redundou na escassez de álcool ali pelo fim da década de 80, de tal sorte que ninguém queria sequer ouvir falar em carro a álcool. Com o advento dos veículos flex, ninguém mais precisou se sujeitar aos humores dos usineiros, podendo optar pelo combustível verde somente quando o preço compensar.

Mas muita gente fez a conversão de seus automóveis para o uso do GNV, investindo considerável quantia, e muitos pequenos empresários se endividaram para capacitar suas oficinas a fazer a adaptação dos veículos.

Quando a crise do gás boliviano se instalou, o presidente Lula foi o primeiro a declarar que o preço do gás não subiria; se houvesse aumento do produto nas negociações com a Petrobrás, ela teria de absorver a diferença. Isto foi dito em maio, e é bom que os consumidores cobrem de Sua Excelência o cumprimento da promessa, que a reeleição não invalidou.

Onde há fumaça, há fogo, e a Agência Nacional do Petróleo já prepara o terreno, dando a entender que a Petrobrás terá de aumentar os preços. Evo Morales, presidente da Bolívia, quer um acréscimo de 25%, levando o custo do produto ao mesmo nível suportado pela Argentina, em recente acordo com a Bolívia, que se comprometeu a fornecer, dentro de alguns anos, uma quantidade de gás da qual, hoje, não dispõe, apostando no aumento da produção, o que demandaria investimentos da ordem de U$$3 bilhões, que o país não tem , como não possui sequer capacidade técnica para operar suas refinarias, que, na verdade, são da Petrobrás. Ou eram.

O pomposo “decreto supremo” de Morales irá expropriar as unidades da empresa brasileira que, todavia, terá direito a uma indenização, já que os brilhantes condutores de nossa política externa não haverão de se atrever a atender o desejo do presidente boliviano, que as pediu de presente. Ingrato, abusado, Evo se esquece que Lula perdoou uma dívida de seu país da ordem de US$500 milhões, meio bilhão de dólares.

Morales é beligerante por natureza, mau negociador. Não só porque vende o que não tem, ou por não respeitar contratos, mas por sua gritante inconseqüência. Mas, a Petrobrás, que “viciou” os consumidores no gás natural, já dá sinais de que vai mesmo aceitar o aumento boliviano – e repassá-lo a sua distinta clientela.

Marco Aurélio Garcia, assessor de Lula e defensor da política boliviana de expropriação diz que não há ameaças da parte de Evo. Quem foi, então, que ameaçou mandar seu exército invadir as instalações da Petrobrás, se o acordo – leia-se coação- não fosse aceito?

Está certo, a Bolívia é um país pobre, e desse ponto de vista, talvez o Brasil deva mesmo aceitar o aumento. Mas Lula já conhecia a situação da nação andina, quando asseverou que os consumidores não sofreriam aumento. Também é verdade que não convém fechar as portas para um fornecedor de energia tão próximo, porque já falta gás para nossas termoelétricas – é possível que a próxima grande guerra se dê em razão da disputa por fontes de energia -, mas é difícil negociar nestes termos.

Outra face da contenda é a intenção da Bolívia de retirar do GNV parte substancial de seus componentes nobres – o que dimuirá seu poder calorífico – para destiná-los a uma joint-venture com a PDVSA, a estatal petrolífera da Venezuela.

É um jogo duro, a Bolívia se arrisca, ante uma negativa da Petrobrás, ainda que improvável, a perder os excelentes técnicos brasileiros. Quem pode mais?

Quanto aos consumidores, de duas, uma: ou aprendemos a não confiar nas promessas - e negativas ou afirmações – de nossas autoridades, ou elas aprendem a não apregoar o que não sabem se poderão cumprir.

Luiz Leitão

São Paulo, Brasil

luizleitao@ebb.com.br

 
4404
Loading. Please wait...

Fotos popular