Pravda.ru

Notícias » CPLP


Portugal: Vira o disco e...

06.06.2011 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Portugal: Vira o disco e.... 15116.jpegO resultado da eleição legislativa de domingo providenciou uma escolha previsível pelo eleitorado português, que teima em bater o nariz nas mesmas duas paredes (PS ou PSD) pensando que quanto mais baterem, algo há de acontecer, cegos ao facto de que são estes partidos a causa e não a solução. Enfim, como se costuma dizer, cada povo tem o governo que merece.

Desta vez foi o PSD, liderado por Pedro Coelho, que substituiu o PS liderado por José Sócrates, que sai das eleições na condição de maior partido. Estes dois partidos políticos estão no poder desde 1974 e levaram o país ao estado abominável em que se encontra. Mesmo assim, o eleitorado português decidiu mais uma vez recorrer a um deles, por muito que desafie a lógica...mas a democracia é assim e só se pode respeitar a escolha.

Não há dúvida de que o Partido Socialista de José Sócrates foi punido por seu desempenho desde 2009 (quando a maioria absoluta foi perdido) e o resultado é a proposta de demissão do líder. José Sócrates já era.

Os vencedores de domingo são três: O PSD (mas que memória curta têm as pessoas), o CDS / PP (conservador) e, em certa medida, a CDU (Partido Comunista/Verdes, que aumentou a sua quota marginalmente e mais ou menos consolidada o eleitorado.

O pano de fundo das eleições de Domingo em Portugal é um pacote de austeridade de 78 mil milhões de euros, o que em primeiro lugar, é o resultado de uma gestão política abominável desde que Portugal entrou na Comunidade Europeia em 1986 e, em segundo, viu a população total e completamente divorciada dos jogadores no cenário político . Desconfiando dos pequenos partidos, com medo da esquerda, mas também ciente de que a doença portuguesa foi causada pelos dois partidos no poder nos últimos 37 anos desde a Revolução de 1974 (PSD, os sociais-democratas, de centro-direita e PS, os socialistas, com o Primeiro-Ministro José Sócrates, também de centro-direita mas tradicionalmente centro-esquerda), o eleitorado português escolheu a primeira opção, um partido cuja inépcia e incompetência foi acompanhado apenas pelo oportunismo de muitos nas suas fileiras.

Os dois partidos de esquerda com presença no Parlamento, nomeadamente a CDU (coligação entre o Partido Comunista Português e os Verdes) e BE (Bloco de Esquerda) foram os únicos que apresentaram um manifesto no sentido de prometer uma renegociação do financiamento externo, que promete condições incapacitantes para o tão sitiado povo português. O resultado de hoje, por conseguinte, condena o português a um pacote de austeridade ainda mais temeroso do que os muitos flagelos políticos e sociais e pedidos de sacrifício impostos por bandos de incompetentes desde a Revolução Cravos.

Mais cedo ou mais tarde, alguém tem que dizer a verdade sobre Portugal. O país não estava pronto para entrar na CE em 1986. A Espanha sim, Portugal não e a principal razão para a entrada de Portugal na época era em parte devido ao relacionamento especial entre o Primeiro Ministro português Mário Soares e o Presidente francês François Miterrand. Isto não é criticar Mário Soares - um dos melhores políticos Portugal conheceu na sua história.

Quem estava sentado à frente de Portugal durante a década após a adesão à CE foi o então primeiro-ministro e agora Presidente, Aníbal Silva. Sua arrogância e pura tacanhez de espírito deu o que deu: foi responsável em parte pela destruição da competitividade de Portugal, e deve assumir a sua parte da responsabilidade pelo estado do país hoje, devido ao fato de que a sua década no poder produziu o quê?

O virtual desaparecimento da intervenção portuguesa na pesca, agricultura e indústria e do fracasso total e abismal em preparar Portugal, um país de tamanho médio em termos europeus, para o desafio europeu. O resultado? O que vemos hoje, e outra geração de português a "fazerem sacrifícios". Para quê?

Desta vez, o povo português vai estar a vigiar Pedro Coelho de perto e vai estar mais atento à maquinaria do PSD, que já se conhece muito bem. Pedro Coelho, estamos atentos.

Para concluir, antes do jogo, um prognóstico: Pedro Coelho não terá a inteligência emocional a lidar com a pressão dos barões do seu partido e a sua falta de experiência da vida (apostaria que nem sequer pegou alguma vez numa enxada e só saberia o que era um mangual se lhe batesse na cabeça) não o preparou para o desafio que enfrenta. Espero que não mas prevejo um desastre, porque o novo Primeiro Ministro só tem dois lados para virar: ao Presidente (tem qualquer autoridade a dar conselhos a alguém depois do belo serviço que ele fez?) e ao político veterano que deve formar coligação com ele, Paulo Portas. Por muito sensato que o Portas possa ser, dar-lhe ouvidos vai enfraquecer a sua posição.

Prevejo uma massiva onda de descontentamento entre um povo cujas dificuldades nenhum parlamentar compreende, excepto talvez os membros da CDU e alguns, nem todos, no Bloco de Esquerda.


2002
PPD / PSD (social-democratas) 40,21% (2.200.765 votos)
PS ("socialistas") 37,79% (2.068.584)
CDS / PP (conservadores) 8,72% (477,350)
CDU (PCP Comunistas e Verdes PEV) 6,94% (379,870)
BE (Bloco de Esquerda) 2.74% (149,966)


2005
PS ("socialistas") 45,03% (2.588.312)
PPD / PSD (social-democratas) 28,77% (1.653.425 votos)
CDU (PCP Comunistas e Verdes PEV) 7,54% (433,369)
CDS / PP (conservadores) 7,24% (416,415)
BE (Bloco de Esquerda) 6,35% (364,971)


2009
PS ("socialistas") 36,56% (2.066.194)
PPD / PSD (social-democratas) 29,08% (1.643.744 votos)
CDS / PP (conservadores) 10,46% (591,234)
BE (Bloco de Esquerda) 9,85% (556,552)
CDU (PCP Comunistas e Verdes PEV) 7,89% (448,003)


2011
PPD / PSD (social-democratas) 38.6% (2.145.452 votos)
PS ("socialistas") 28,1% (1.557.864)
CDS / PP (conservadores) 11,7% (652.194)
CDU (PCP Comunistas e Verdes PEV) 7,9%  (440.850)
BE (Bloco de Esquerda) 5,2% (288.076)

 

Foto: utilidadespublicas.wordpress.com

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 
7337
Loading. Please wait...

Fotos popular