Pravda.ru

Notícias » CPLP


2016: O ano em que quase paralisaram o desenvolvimento do Brasil

06.01.2017 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
2016: O ano em que quase paralisaram o desenvolvimento do Brasil. 25777.jpeg

2016: O ano em que quase paralisaram o desenvolvimento do Brasil

A população brasileira viveu o ano de 2016, em uma expectativa de constantes denúncias, na qual, até a simples ameaça da denúncia era suficiente.

Os brasileiros estão conscientes de que a situação atualmente vivida pelo país, não é exceção, porque, qualquer país que tenha suas entranhas expostas, como acontece no Brasil, viveria uma crise idêntica à crise brasileira.

 Por :  Profa. Guilhermina Coimbra

 

Inexiste no mundo país que tenha sofrido tantas pressões para entregar o subsolo fértil de minérios geradores de energia, quanto às pressões sofridas pelo Brasil - sem que os brasileiros tenham se fechado, dado um basta, um "chega para lá", como fizeram canadenses e australianos, na época na qual se encontravam em situações idênticas as do Brasil. Canadá e Austrália Membros da mesma Comunidade não tergiversaram e fizeram-se respeitar.

O Canadá e a Austrália são os melhores exemplos de como agir, porque ambos sofreram os mesmos tipos de pressões.

A população brasileira, nos últimos dez anos, tem presenciado situações disfuncionais, com movimentos cujo objetivo principal é a desestabilização do Brasil, financiada por interesses de fora, no Brasil.

Nas manifestações populares, em 2013, o então Primeiro Ministro da Turquia (e agora Presidente) Recep Tayyip Erdogan, advertiu o Governo brasileiro, porque, já tinha experimentado demonstrações parecidas em seu próprio país naquele ano. Importante observar o fato de que à exceção da Tunísia, nenhum destes movimentos populares resultaram em mais segurança e bem-estar para as populações onde se realizaram. Muito pelo contrário, transformaram-se em exemplos de como-não-fazer, não se recomendam.

Em notória interferência na queda do Presidente da Ucrânia, por exemplo, a mídia participou estimulando a população a protestar nas ruas. As táticas e as estratégias de indispor as populações contra os respectivos governos - através da mídia - são repetitivas.

Rechaçá-las fortemente é o que os brasileiros observadores perspicazes costumam fazer ao ridicularizá-las.

Os brasileiros se recusam a viver sob o 'terrorismo do boato' promovido pela mídia contra empresas nacionais brasileiras. Os objetivos são risíveis, tamanha é a obviedade: levar à desestabilização maciça do empresariado brasileiro.

A percepção dos brasileiros tem verificado que é em Curitiba, Paraná, a cidade na qual, são aplicados primeiramente, tudo o que os artífices, os mentores das "crises", tramadas fora do Brasil, tencionam aplicar dentro do Brasil. De Curitiba partiram as "denúncias", as prisões novelescas, teatralizadas e etc..

A população brasileira percebe que o agrupamento de pessoas alienadas cuidadosamente escolhidas em Curitiba - e movidas por interesses de fora do Brasil - não têm a menor noção de quanto a Operação Lava Jato, praticada pelo referido agrupamento - causou de prejuízo à economia e ao desemprego no país.

Por dever de ofício deveriam ter o conhecimento mínimo necessário para absterem-se de se prestarem a tão abjeto papel de pau-mandado ("yes man", em Inglês)  para convulsionar o Brasil. Deveriam e devem ler mais, pesquisar mais, para conhecer como foram tratados os mais recentes paus-mandados do Afeganistão, depois de alcançados os objetivos.

Se a ordem era a de impedir o desenvolvimento do Brasil, imputa-se - sem margem de erro - à Operação Lava Jato o demérito de haver tentado paralisar o Brasil durante o ano de 2016. Essa operação quase parou o Brasil.

Os Impérios costumam eleger um feitor nas Colônias para receber e fazer cumprir, as ordenações das Metrópoles.

De se observar, que o feitor curitibano fez direitinho o famoso "dever de casa". Haja vista e coincidentemente, missão cumprida, família e feitor decidiram morar nos EUA.  A motivação para a mudança é "segurança". Estranho, não? Isto porque, se trabalhou consciente objetivando o bem do país, de onde é nacional brasileiro, nada a temer. Segurança contra quem - é a pergunta que não quer calar. Até e porque a segurança de lá não tem recomendado muito não, nem no presente nem no passado (lembrar o caso do chileno Letelier é preciso).

A verdade é que fortes interesses em atravancar o desenvolvimento do Brasil têm muitas e diversificadas razões pelas quais se tornam raivosos, à simples constatação de que o Brasil se basta. Em termos comerciais, o Brasil é superavitário com todos os países da América do Sul, exceto a Bolívia, pela questão do gás.

Enquanto que somente 4 ou 5 produtos formam a matriz de exportação da maioria dos outros países, a pauta brasileira de exportação é muito ampla. Os produtos exportados pelo Brasil são essenciais para os países importadores.

Mas, a exportação brasileira corresponde somente a aproximadamente 12% a 13% do nosso PIB. (Pesquisar sempre para confirmar ou refutar é preciso).

Mas tem ficado atônitos e os estrangeiros se espantam com o tamanho das ladroagens de dinheiro e bens públicos que ocorrem no Brasil.

Segundo os estrangeiros, quando ladroagens ocorrem nos respectivos países de onde são nacionais, a rapinagem quase nunca ultrapassa a casa dos milhares de dólares. Ao contrário do Brasil, onde a ladroagem é sempre de bilhares de dólares para cima.

Os estrangeiros mais se espantam ainda com o modo de agir esdrúxulo do Poder Judiciário brasileiro. A razão do espanto dos estrangeiros é porque, inacreditavelmente, o Judiciário brasileiro tem atuado de uma forma impensável nos demais Judiciários ao redor do mundo.  O Judiciário brasileiro está se atribuindo funções que são essencialmente políticas.

Mudam os votos, flexibilizam a Constituição, as disposições das Leis, expressam opiniões à imprensa sobre casos sub judice, ou seja, casos ainda em julgamento. Inexiste imparcialidade. A parcialidade tem saltado aos olhos.

Os estrangeiros comentam e a população assistiu - pasma - o Judiciário se mobilizar até para dar sua opinião sobre Propostas de Emendas Constitucionais (PEC 55).

O Judiciário foi criado e é suposto para funcionar através da meritocracia. O Judiciário existe e é muito bem mantido e suprido - a duras penas pela população brasileira - para fazer cumprir as leis. O Legislativo pode ser cassado, o Presidente pode ser deposto.

E o consenso é o de que o Judiciário brasileiro tem que - no mínimo - fazer um mea culpa, atentando para o fato de que a população brasileira é bem humorada, mas, não deixa passar nada que seja verdadeiramente de seu peculiar interesse.

O Judiciário não pode continuar se atribuindo funções que são essencialmente políticas.

O Judiciário brasileiro não pode continuar fazendo tarefas impensáveis nos demais Judiciários ao redor do mundo. A flexibilização, da Constituição, das leis, a mudança de voto, as opiniões fornecidas à imprensa sobre casos em julgamento e a ausência de imparcialidade do atual Judiciário brasileiro são notórias.

A política externa do Brasil sempre foi admirável, reconhecida pelos demais países ao redor do mundo - independente de políticas e politicagens internacionais.

E os êxitos recentes da política exterior dos Governos brasileiros foram movimentos em direção a um mundo mais multilateral, multipolar,  a criação de novos foros como a UNASUL (União da América do Sul) os BRICS (Brasil-India-China-África do Sul) e o Conselho Sul-Americano de Defesa (CSD), entre outros. Com estas políticas, o Brasil conseguiu reverter algumas das ameaças políticas na Região.

A integração comercial do Brasil com a América do Sul não tem sido um processo rápido, mas, desde o início trouxe enormes benefícios.

Neste ponto, verdadeiramente, a ex-presidente do Brasil teve um papel positivo extremamente importante no processo. Os foros neoliberais, tipo ALCA, perderam espaço. Os mentores em Washington inteligentemente refletiram e perceberam que o ideário do consenso não é mais consenso.

Os brasileiros acompanhando pari pasu tudo o que ocorre no país, em termos de importação-exportação, pensam que o Brasil poderia ter tido uma política de substituição das importações chinesas com os países da Região Sul-Americana. Em vez dos países latino-americanos importarem produtos chineses, eles poderiam estar importando produtos brasileiros. Mas para tal, o Brasil precisaria importar produtos deles. Por exemplo, importar bananas do Equador. Se o Brasil importar bananas do Equador, abriria espaço para a exportação de produtos brasileiros para aquele país.

Essas são medidas simples de fácil execução, muitíssimo bem explicadas por Embaixador brasileiro. De se espantar como não são colocadas em prática. O Brasil teve algum êxito nesta área em relação ao Uruguai,  porque abriu as fronteiras brasileiras e também, porque, a integração energética com este país foi espetacular.

O esperado protecionismo Norte Americano com o Presidente Trump no poder será uma oportunidade para o Brasil aprofundar o diálogo com a América Latina, com a China e com outros grupos e blocos de países.

Apesar da  política externa brasileira atual não estar sendo considerada exatamente como costumava ser - admirada por todos ao redor do mundo - ainda há tempo e condições para voltar a ser o que sempre foi: "independentista" sim e sempre, com muita honra!

É o que nos ocorre lembrar sobre 2016 - o ano no qual tentaram desesperadamente - por diversificadas e transversas maneiras - paralisar o desenvolvimento do Brasil.

Estimando que durante 2017, eventuais equívocos possam ser corrigidos, lembramos que é questão de inteligência trabalhar com o Brasil zão cada vez mais desenvolvido, ao invés de - mesquinha e covardemente - tentar embargá-lo, impedindo o seu irreversível desenvolvimento.

A população brasileira é amiga.

O Brasil merece respeito!

* Curriculo Lattes, Pesquisadora CNPq/CAPES, FAPERJ e FGV-RJ.

in

 
12709
Loading. Please wait...

Fotos popular