Pravda.ru

Notícias » CPLP


Portugal: Desrespeito, teimosia, arrogância e prepotência

05.10.2012 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Portugal: Desrespeito, teimosia, arrogância e prepotência. 17355.jpeg

O governo português acaba de anunciar um aumento de imposto de renda de 3,4 por cento aplicável ao sector privado, ao sector público e aos pensionistas. Esta é a resposta às manifestações maciças nas últimas semanas, quando uma décima parte da população disse de viva voz BASTA! Como de costume, o governo não está interessado.

Eis mais um exemplo da incompetência do governo de Portugal, uma coligação entre dois dos três partidos (PSD, Partido Social Democrata e CDS/PP, democratas-cristãos, conservadores; o outro é o PS, socialistas, em nome) que geriram Portugal tão habilmente desde 1974 que o país agora é governado por estrangeiros que implementam políticas através de chantagem.

A forma como aconteceu foi assim: Portugal não estava preparado para entrar na Comunidade Económica Europeia em janeiro de 1986; se tivesse sido bem gerido, seu atraso depois de quarenta anos de paragem poderia ter sido superado. Não foi. Sucessivos primeiros-ministros e governos dos três partidos mencionados acima conseguiram assistir enquanto rios de dinheiro deslizaram através das suas mãos, gerindo o país com uma abordagem de defender os interesses pessoais e do partido político, e não por consenso nacional.

Na ausência de um plano nacional (o plano é para muitos ser re-eleito para que comparsas e putas partidárias possam entrar em posições onde eles podem desviar fundos públicos) o pêndulo balouçou em duas direcções em ondas de laranja (a cor do PSD) e rosa (PS). Cada onda apagou os programas do governo anterior, idiotas e incompetentes foram colocados em posições de responsabilidade (se lembra de um certo ministro de agricultura no governo do então primeiro-ministro Aníbal Silva, que assumiu o cargo afirmando que "Sobre agricultura, eu não entendo nada", e que era incapaz de ler em voz alta uma simples cifra).

O resultado foi que a Comunidade Europeia, como era então chamado, e mais tarde a União Europeia, esfregou as mãos de contentamento, enquanto aqueles que foram eleitos para liderar Portugal e zelar pelos seus interesses, implementando políticas de desenvolvimento sustentavel, venderam os activos do país, destruíram a sua agricultura, as indústrias e pescas, não entenderam os interesses estratégicos de Portugal, viraram as costas, baixaram as calças e deram de graça os poucos bens que este país médio tinha aos seus parceiros. Receberam palmadas nas costas e elogios. "O bom estudante". Enquanto falamos, há rumores de planos em curso para doar parte do espaço aéreo português para estrangeiros, privando Portugal de milhões de euros em receitas. Uma pergunta, se eles vão dar também o espaço marítimo recém-adquirido para os espanhóis em troca de nada. Ou uma transferência bancária nas Ilhas Cayman...

E a maneira como funciona hoje é esta: Em 11 de setembro, o Governo teve a audácia de anunciar estas medidas, pouco antes de uma partida de futebol: Função Pública: corte de um subsídio (igual a um salário), aumento de 7 pontos na contribuição da Previdência Social; Pensionistas: Corte de duas pensões mensais; Sector privado: Aumento de contribuições à Segurança Social por 7 pontos. Seguiu-se uma manifestação de um décimo da população do país.

O "Governo", parecendo meninos apanhados a roubar maçãs, disse pouco ou nada, foi para Bruxelas rastejando-se ao redor das pernas do BCE, FMI e CE, e agora em 3 de outubro, veio com este plano: Função Pública: Corte de um subsídio (um salário), aumento de 3,4% do imposto de renda; Pensionistas: Corte de 90% da pensão de um mês e aumento do Imposto de Renda em 3,4%; Sector Privado: Aumento de 3,4% do Imposto de Renda.

Isso significa uma tributação básica de 19,9% do imposto de renda e mais 8% em contribuições para a Segurança Social.

Com alguns dos salários e pensões mais miseráveis ​​da Europa, e preços exorbitantes nas utilidades e alimentos, este Governo irá, sem dúvida, colher o que ele, e os seus antecessores, têm semeado. Não é culpa do povo português que os sucessivos governos destruíram o país e practicaram uma gestão financeira irresponsável e, portanto, não é justo que os portugueses paguem pelos erros dos outros, que, modo geral, enriqueceram enquanto destruiram o futuro do país.

Se a União Europeia e seus "bons estudantes" meteram Portugal nesta confusão, financiando-o para destruir a sua economia, então deveria ser a União Europeia e seus bons estudantes a tirarem Portugal da situação que só eles criaram, ou Portugal deve considerar sair da UE, refinanciamento-se através de acordos bilaterais com outros parceiros internacionais, reforçando a sua economia através de laços com seu espaço histórico (a comunidade CPLP), utilizando sua própria moeda como alavanca, injectando dinheiro na economia para que possa respirar e crescer. A criação de empregos gera receita fiscal e diminui a carga sobre o Estado.

Para Portugal, da Europa, vinham sempre maus ventos e maus casamentos e se este país investiu 500 anos a encontrar outras soluções no exterior, então, mais uma vez a história se repetiu e entendemos todos por quê. A solução da UE é um país pobre, falido economicae totalmente inviável, seu povo trilhado na miséria, governado por estrangeiros e acadêmicos incompetentes que pertencem por trás das paredes de suas Universidades, esperadamente fazendo pesquisa e longe dos alunos, cujos futuros venderam, em vez de destruirem a economia de Portugal e doar seus recursos para terceiros.

Existem alternativas, e as alternativas não roubam dinheiro dos bolsos dos cidadãos: sobretaxa sobre transações financeiras, agora, e não vagas referências à ideia no futuro distante; sobretaxa sobre as grandes empresas com volume de negócios de mais de 12,5 milhões de Euros por ano; sobretaxa sobre a distribuição de dividendos; combate contra a evasão fiscal dos grandes em vez de arruinar a vida dos pequenos que simplesmente tentam colocar comida na mesa.

Estas alternativas o governo, aparentemente, não tem considerado, excepto o anúncio de que, eventualmente, Portugal vai seguir o resto da Europa na implementação da Taxa Tobin, ainda uma promessa nebulosa para taxar as transações financeiras. O quê eles estão esperando? A imposição de um imposto de um por cento sobre transações financeiras iria fornecer dinheiro suficiente para exonerar os cidadãos de grande parte do fardo enorme de imposto que pagam.

Mais uma vez, os que governam os portugueses se vendem aos caprichos de estrangeiros, chutando seu povo nos dentes e quando eles se queixam, ainda urinam por cima deles do seu pedestal em uma atitude de teimosia, arrogância e prepotência.

Aos ilustres senhores e senhoras que governam esta faixa atlântica, pela primeira vez nas suas vidas, ouçam, e ouçam bem:


1. O espaço estratégico de Portugal não é mediterrânico, é um país atlântico e seu foco deve estar na CPLP, o espaço ao qual dedicou 500 anos;

2. Os activos de Portugal pertencem aos cidadãos portugueses, e não a um punhado de meninos mimados assentes em posições de poder, não são para vender ou dar a estrangeiros. Se vocês são incompetentes para protegê-los, então façam favor e saiam do lugar. Se vocês destruiram o país intencionalmente, e meteram o dinheiro dos cidadãos nos bolsos, então vocês são uns traidores de merda;

3. Vocês pensam seriamente que os salários e as pensões miseráveis ​que ​seu povo ganha podem resistir um aumento de um por cento em sobretaxas fiscais? Algum de vocês já pegou numa pá na mão e teve que ganhar a vida a partir de uma faixa de terra e meia dúzia de galinhas?

4. Por quê é que vocês se recusam a falar com o seu povo em vez de andar de mãos dadas com os que meteram Portugal no poço em Bruxelas, aqueles que pagaram aos agricultores para não produzir, aqueles que deram as águas portuguesas aos espanhóis, aqueles que deram a industrua portuguesa à Alemanha, aqueles que negoceiam o espaço aéreo português, que mandaram as frotas pesqueiras se afundarem, aqueles que destruiram os futuros dos jovens portugueses?


5. Finalmente, para os iluminados adiantados mentais que (des)governam Portugal, por falta de uma melhor expressão, mesmo um idiota sabe que o exercício de governo através de planilhas de Excel não funciona! Quanto mais pesada for a carga fiscal, menos receita você ganha, porque quanto menos dinheiro as pessoas têm para gastar, menos empregos se criam, portanto, as receitas são menores enquanto o Estado gasta mais em subsídios. Vocês que passaram a vida inteira estudando e ensinando, ainda não entenderam o que é um facto básico? Mas são parvos, ou quê?

 

Com "ministros" como estes dirigindo o país, quem precisa de ir ao circo no Natal (se ainda o Natal em Portugal não for cancelado por decreto)?

Em fim, o quê esperar de uma meia-tigela de dementes simplórios que têm a mania que o sol brilha dos seus traseiros, que não sabem absolutamente nada sobre nada, nunca fizeram um dia de trabalho nas suas miseraveis vidas, e que ainda por cima têm a audácia de chamar aos portugueses "piegas", "ignorantes", ou preguiçosos"? Resposta: Terrorismo Social.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 
11164
Loading. Please wait...

Fotos popular