Pravda.ru

Notícias » Negόcios


A globalização e nós

29.03.2010 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

*Roberto de Oliveira Campos

Um pensador de ótica social-democrática, Anthony Giddens, observou, recentemente, que poucos termos são freqüentemente usados, e tão pobremente conceitualizados, quanto "globalização". Para alguns, representa uma internacionalização sem precedentes da vida econômica e política; seria o colapso das fronteiras, anunciando câmbios fundamentais na sociedade e na cultura. É tipicamente a turma do "fim": o fim da História, o fim do trabalho, o fim da família.

Para a comunidade internacional dos negócios, é a perspectiva do crescimento incontido do mercado. Para os "hiperglobalizantes", prenuncia a vitória dos mercados sobre o estados, e assim, uma reconfiguração do mapa político do mundo, com base em cidades-Estado e regiões econômicas, em vez de Estados nacionais. Já os "céticos da globalização", como P. Hirst, dão-se à pachorra de mostrar que a economia mundial esteve mais integrada no começo do que no fim do século 20.

Mas que há algo fundamentalmente novo, isso há... P. Sutherland, hoje diretor-gerente da Goldman Sachs Internacional, no auge da crise financeira mundial, em 1998, depois da genuflexão ideológica de praxe às virtudes da globalização, reconhece que ela fez a vida difícil para muitos. Ameaça deixar parte do mundo para trás e assusta tanto os ricos (que temem perder seus padrões de vida) quanto os pobres (que se sentem cada vez mais distantes do Primeiro Mundo). Alguns desses efeitos provêm de outras causas facilmente identificáveis (câmbios tecnológicos, deficiências educacionais, mercados de trabalho inflexíveis, impostos altos, e uma força de trabalho em envelhecimento).

Mas a galera acha que as causas da angústia são o comércio e os investimentos globais. E que fazer de problemas que surgem de um sem-número de causas que são impossíveis compreender totalmente, e que tendem a ficar cada vez mais complicados, como a degradação ambiental, as doenças, o crime, o terrorismo, as pressões migratórias incontroláveis?


O economista americano R. Kuttner, que se intitula um "liberal" (o que nos Estados Unidos indica tendências esquerdistas), afirma que a grande conquista deste século foi domesticar a força bruta do capitalismo laissez-faire. Através de políticas macroeconômicas ativas e da regulamentação das tendências autodestrutivas dos mercados, o capitalismo teria colocado um piso em baixo da força de trabalho. Recorreu a investimentos públicos diretos, para cura das recessões, e adotou normas ambientais. Tudo isso gerou um capitalismo mais eficiente e ao mesmo tempo mais socialmente aceitável, temperando os extremos de volatilidade e desigualdade.

É claro que as esquerdas brasileiras neoburras não concordam. Acham que essa história de neoliberalismo são idéias da burguesia e dos seus intelectuais para "aniquilar uma seção da nossa sociedade". Isso representa um pouco o lado obscuro do espírito, que precisa de inimigos misteriosos e de forças ocultas para juntar coisa com coisa. Quando o papa Inocente VIII, no final do século 15, com a assistência técnica de dois monges alemães, Kramer e Sprenger, inaugurou, através da bula Summi Desiderantes, a fase "moderna" da Inquisição, estava apenas expressando aquilo que no seu tempo era um pensamento generalizado. Acreditava-se que forças demoníacas estavam operando às escondidas. Houve uma febre repressiva que se estendeu a leigos e protestantes, nobres e camponeses, doutos e ignorantes, cavaleiros e juristas, que passaram todos a acreditar em coisas absurdas, como a existência de relações sexuais com o belzebu.

Já tivemos demonologias de muitos tipos. Ainda peguei as purgas de Stalin e vi de perto, há quase 50 anos, o fenômeno do macarthismo, nos Estados Unidos. Baixando o nível de tragédia para o Carnaval, tivemos aqui as "forças ocultas" com Vargas e Jânio.

Voltando, porém, à globalização. O que acabou com a crença num universo movido a feitiçaria foi uma "inovação" que rendeu pouco a um empresário de nome Johannes Gutenberg, mas, discretamente, começou a globalizar a informação.

A impressora de Gutenberg não foi "a" causa. Inúmeras variáveis entraram no processo: avanços tecnológicos, do plantio do nabo à metalurgia das armas de fogo, ao aperfeiçoamento da construção naval, à astronomia de Copérnico e Kepler, à física experimental de Galileu, aos descobrimentos geográficos. Só que neste último século e meio a aceleração científica, tecnológica e econômica tornou-se prodigiosa. Mudanças que se davam ao longo de gerações ou de décadas foram encurtadas para anos ou meses. E o complexo IC (informação e comunicações), possibilitando a interação face a face entre gente de todas as partes, encolheu o mundo a uma aldeia virtual.

Só para dar uma idéia: em 1942, o valor dos ativos intangíveis das empresas americanas cotadas em bolsa (índice Dow Jones), que em 1920 era estimado em 87% dos ativos tangíveis (instalações, máquinas, estoques etc), caiu para quase zero em 1942 e, na metade dos anos 90, já era umas quatro vezes maior do que estes! É o que a economia do conhecimento está fazendo. Hoje a Microsoft vale mais do que a General Motors. Os clicks (toques de computador) valem mais do que os bricks (tijolos).

Há aquela história da diferença entre um psicótico e um neurótico. Aquele acha que 2 mais 2 são 5, enquanto que este sabe que são 4, mas não tolera a idéia. A globalização é um processo que está acontecendo - sem pedir licença a nenhum de nós. Acentuo a palavra "processo". Vai ser penoso para alguns, mas com o tempo, vantajoso para a maioria. Sobretudo, porém, é um dado da realidade, a partir da qual temos de colocar-nos, tanto quanto possível com uma visão estratégica, procurando antever os custos e benefícios das sucessivas jogadas ao longo do tempo. Reanimar esquemas estáticos pensados para os problemas de 1950, como fazem nossos neonacionalistas, não é o portal de entrada no século 21.

*Defensor apaixonado do liberalismo. Economista, diplomata e político também se revelou um intelectual brilhante. De sua intensa produção, resultaram inúmeros artigos e obras como o livro A Lanterna na Popa, uma autobiografia que logo se transformou em best-seller. Foi ministro do Planejamento, senador por Mato Grosso, deputado federal e embaixador em Washington e Londres. Sua carreira começou em 1939, quando prestou concurso para o Itamaraty. Logo foi servir na embaixada brasileira em Washington, e, cinco anos depois, participou da Conferência de Bretton Woods, responsável por desenhar o sistema monetário internacional do pós-guerra.

 
6790
Loading. Please wait...

Fotos popular