Pravda.ru

Notícias » Negόcios


Genebra-2

26.01.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Genebra-2. 19670.jpeg

No caminho para Genebra-2, o quadro que emerge do Oriente Médio permanece complicado,[1] com correntes políticas que, não raro, movem-se em direções contrárias. 

No Líbano, pela primeira vez, há sinais de que a posição saudita pode estar-se suavizando - mesmo no sentido de aceitar tacitamente pelo menos, alguma cooperação com o Irã (mais sobre isso, adiante).  

Mas na Síria, a política saudita parece ser ostensivamente de apoio às conversações, embora não se devam esperar sinais de descontentamento entre os sauditas, se Genebra-2 gorar, com uma retirada em massa da chamada 'oposição' liderada pela Coalizão Nacional Síria. No momento, Qatar e sauditas estão competindo para conseguir pôr a culpa, cada um no outro lado,[2] por essa fragmentação da tal 'coalizão' e seu enfraquecimento, até aparecer reduzida a um pequeno grupo de exilados, sem qualquer representatividade (e sem qualquer estratégia política concertada), já na véspera das conversações.

As conversações estão agendadas para começar dia 22/1. O quadro geral é - por um lado - de limitada suavização da posição dos sauditas (mais sobre isso, adiante), com notícias (não confirmadas) de que o príncipe Bandar aproximou-se de Adnan Khashoggi, tentando abrir um canal de comunicação com Teerã;[3] e, por outro lado, não se vê qualquer sinal de recuo na posição linha-duríssima dos sauditas em relação a Síria, Iraque (ou à Fraternidade Muçulmana).

Veem-se também alguns sinais de que o comando militar iraquiano reage adversamente às atividades dos sauditas que visam a enfraquecer o governo do primeiro-ministro Maliki.

Sobre a Síria, o jornal Al-Quds Al-Arabi, por exemplo, noticiando a recente eleição da liderança da Coalizão Nacional Síria (considerada crucial para determinar a formação da delegação da 'oposição' em Genebra-2), observou a discussão intensa e amarga entre os candidatos, que terminou com Ahmad al-Jarba (homem de Bandar[4]) mantendo o posto de líder, à custa da candidatura de Riyad Hijab (mais próximo do Qatar), em "eleição polarizada, com troca de acusações de compra de votos." A reunião foi tensa; 41 dos 121 membros da Coalizão Nacional Síria ameaçaram renunciar, inclusive figuras importantes, como Mustafa al-Sayigh, ex-secretário-geral da CNS; Lu'ayy al-Miqdad, porta-voz do comando do Exército Sírio Livre; Nizar al-Hiraki, representante da CNS no Qatar; e Khalid Khuja, representante da CNS na Turquia.

Kamal al-Labwani, destacado membro da oposição síria e membro do Conselho Político da Coalizão de Oposição Síria, lançou uma granada (verbal) na confusão já reinante, ao dizer ao jornal Al-Watan que a retirada de partes e membros da Coalizão  "é operação tática que já estava preparada desde antes" para abortar a participação na conferência Genebra-2.  

"Nós abortamos a participação da Coalizão de Oposição Síria, com uma operação que já estava preparada com antecedência. Tudo isso foi feito para impedir a ida a Genebra-2. Não estamos interessados em nenhum diálogo com o regime de Al-Assad. Na coalizão há os que aceitam um diálogo com o regime, mas há também os que rejeitam o diálogo. Esses são os que se retiraram da coalizão, que agora parece começar a naufragar nos próprios erros. Podemos dizer que cometemos suicídio político, para impedir que haja diálogo com esse regime que já matou mais de 130 mil filhos do honrado povo sírio." [E Al-Labwani acrescenta:] "Pusemos abaixo a Coalizão, para impedir a Conferência Genebra-2" [itálicos nossos].

Mas não se deve esquecer que o jornal Al-Watan pertence à família reinante no Qatar.

Parece que Genebra terá de acontecer sem representantes[5] também do principal grupo da oposição política interna: Haytham al-Manna, um dos principais nomes no Comitê de Coordenação Nacional para Mudança Democrática [orig. National Coordinating Committee for Democratic Change (NCC)], aparece citado no jornal Al-Mayadeen, dizendo que o grupo não participará de Genebra-2. Esse NCC - grupo guarda-chuva, em que se reúnem várias linhas da oposição política interna, constituído de vários partidos de esquerda e nacionalistas - tinha esperanças de conseguir coordenar-se com a SNC para formar uma delegação unificada que participaria das conversações.

"Nós os convidamos a coordenar posições conosco", disse Ahmad al-Esrawi, membro do Gabinete Executivo do NCC, ao jornal Al-Monitor; acrescentou que a Coalizão ainda não respondera ao convite. Além disso, Ali Haidar, presidente do Partido Social Nacionalista Sírio [orig. Syrian Social Nationalist Party (SSNP)] e ministro da reconciliação nacional, não participará das conversações por causa de diferenças com a Coalizão.  "[Haidar] definitivamente não participará da delegação do governo. Se vai haver delegação chefiada pela Coalizão, não iremos. Absolutamente não" - disse Elia Samaan.

(Desde o início, a oposição política síria foi marginalizada, simultaneamente, por grupos de exilados e pelos seus apoiadores ocidentais e do Golfo, porque o SSNP (a) opõe-se absolutamente a qualquer tipo de intervenção estrangeira; e (b) apoia um diálogo e negociações com o governo sírio).

O que parece estar acontecendo é que, já há algum tempo, a Arábia Saudita tem resistido às repetidas tentativas ocidentais para que apoie Genebra-2. Foi a via que os sauditas escolheram para mostrar o quanto ficaram ofendidos e magoados por os EUA terem recuado da decisão de invadir militarmente a Síria. Os sauditas disseram que, definitivamente, não apoiariam a iniciativa, se o Irã tivesse assento à mesa de negociações (e o Irã não foi convidado, apesar dos insistentes movimentos de Moscou nessa direção; e países periféricos, como a Argélia e a Indonésia, sim, foram convidados). A Arábia Saudita disse (aos russos) que, se comparecesse, a delegação presente deveria ser composta por seus (de fato!) procuradores (i.e. a Coalizão Nacional Síria). Essa foi a decisão final da recente reunião da Coalizão.

O problema é bem evidente: a delegação da 'oposição' - na atual composição - não representa nada nem ninguém, além de uma pequena claque de exilados, com alguns elementos da oposição, mas tão apavorados ante o rumo que as coisas vão tomando, que já se mostram dispostos a derrubar sobre as próprias cabeças até os pilares de Genebra-2.

Verdade é que o Conselho da Oposição Síria já tinha preparada a sua declaração escrita, na qual se recusa a participar de Genebra-2.[6] Mas isso talvez interesse aos objetivos da política saudita. Contudo, a evidência de que a delegação da oposição nada representa; a ausência do Irã, que é ator chave; e a rejeição do processo pelos grupos internos de oposição política; além da oposição total de todos os grupos jihadistas, tudo isso sugere que Genebra-2 - se chegar a acontecer - será, inevitavelmente, o início de um "longo processo", como Kerry já disse.

Claro que as pressões para que a Coalizão Nacional Síria participe de Genebra-2 (na realidade, acontecerá em Montreux, próximo de Genebra) são intensas, e muitas mudanças ainda podem acontecer. Mas é interessante que, como noticia o Hurriyet da Turquia, e como disse um membro da Coalizão, falando em Londres, outros apoiadores não estavam pressionando tanto, como a Grã-Bretanha e os EUA: "A França [que trabalha para substituir os EUA como 'escritório de negócios' dos sauditas] nos diz para irmos; mas dizem que a decisão cabe a nós e que estarão conosco, seja qual for a nossa decisão. É a mesma posição dos sauditas e da Turquia." [7]

Dito de outro modo, há divisões dentro da Coalizão, mas também há divisões evidentes dentro do grupo dos "Amigos" - todos, provavelmente, temendo que Assad saia vitorioso, sem ter feito qualquer concessão.

Em resumo, a Arábia Saudita (e, em certa medida, um considerável eleitorado nos EUA - mais sobre isso, adiante) está indicando, precisamente, que pode estar em andamento um outro 'jogo na cidade', além de Genebra - em oposição direta à insistência com que Kerry tem repetido que Genebra é "o único jogo na cidade".[8]

Esse 'jogo' parece estar sendo indicado pela guerra furiosa em curso entre grupos jihadistas no norte da Síria. São combates violentos, com muitos mortos, jihadistas executando jihadistas, com estupro por jihadistas, da esposa e da mãe do líder de um grupo jihadista rival. Inicialmente o ISIS (Da'ish) perdeu terreno, mas nos últimos dias parece estar-se recuperando. O Exército Sírio explorou a situação e rapidamente ocupou as áreas esvaziadas, enquanto prosseguiam os combates entre grupos jihadistas.  Como já observamos em outros "Comentários", a situação militar em geral está mudando a favor o presidente Assad.

Edward Dark (codinome de um morador de Aleppo, que foi ativista da oposição na cidade)[9] escreve:

"Não é segredo que a Frente Islâmica que agora tenta liquidar o grupo ISIS é fortemente paga e armada pela Arábia Saudita, e assim se podem compreender as reais razões e o timing por trás dessa súbita guerra de todos contra todos, de vida ou morte. Depois que a Frente Islâmica, mês passado, realmente destruiu os moderados do Conselho Militar Supremo do Exército Sírio Livre comandado pelo general Salim Idris, isso realmente tornou sem sentido as conversações de Genebra e esvaziou qualquer resultado que saia de lá (...) O próximo passo é livrar-se do bicho-papão al-Qaeda e promover as versões menos extremistas. Ironicamente, a Frente al-Nusra,[10] outra afiliada da al-Qaeda endossada por Ayman al-Zawahri e classificada como organização terrorista pelos EUA, está-se juntando à luta conta o ISIS. Serão os próximos candidatos à destruição? Ou serão assimilados, reembalados e vendidos ao mundo como grupo jihadista mais palatável, junto com a Frente Islâmica?" [Itálicos nossos.]

"Mas que ninguém se engane" - Dark alerta -, "não se trata de alguma 'ressurgência' da revolução síria; nem se trata de algum levante popular contra outro tirano opressor, agora que o povo sírio está dividido demais, desmoralizado e cansado de guerras, para tentar qualquer coisa. É simplesmente disputa, com a faca na garganta, pelo poder, entre grupos jihadistas de ideologia similar, diferentes só nos nomes e na identidade dos patrocinadores-financiadores, embora com alguma pequena diferença nos métodos para impor em campo as respectivas doutrinas." [Itálicos nossos.]

Assim sendo, parece que a Arábia Saudita está extraordinariamente discreta e cautelosa sobre Genebra-2, e ainda vê uma possibilidade de 'reembalar' os 'seus' jihadistas, como a Frente Islâmica (e possivelmente a Frente al-Nusrah - com tácito apoio do ocidente[11]) como jihadistas "moderados"/"rebeldes mainstream",[12] mantendo assim aberta a opção de a Arábia Saudita inserir-se na mutável narrativa dos neoconservadores dos EUA (regionais[13] norte-americanos), dos especialistas[14] dos think-tanks[15] pró-intervencionistas[16] ocidentais (entre os quais os grupos de lobby[17] com base em Washington), que ainda insistem em que o presidente Assad tenha de ser enfraquecido por todos os meios (inclusive mediante o empoderamento, pela Arábia Saudita, de jihadistas takfiri 'moderados'), como precondição necessária, indispensável, para 'forçar' Assad a negociar seriamente com a oposição.

Em resumo, a Arábia Saudita atira simultaneamente em duas diferentes direções - ambas garantindo caloroso apoio a Kerry, ao mesmo tempo em que se prepara contra a possibilidade de fracasso em Genebra-2, com o que se fortaleceria o jogo dos intervencionistas norte-americanos. Embora a luta esteja nos primeiros dias, não é absolutamente garantido que a Frente Islâmica de Bandar consiga derrotar os Da'ish. Até aqui, só conseguiu enfraquecer e dividir a oposição jihadista armada.

Os russos divergem fortemente dessa opção conservadora/intervencionista takfiri 'moderada': Vitaly Naumkin, refletindo comentários semelhantes[18] do ministro de Relações Exteriores da Rússia Serguey Lavrov, escreve:

"Os políticos e diplomatas russos absolutamente não partilham as ilusões dos EUA sobre qualquer diferença entre os terroristas em guerra na Síria (os que teriam agenda internacional e os que teriam agenda local [quer dizer, entre jihadistas globais e jihadistas que dizem que sua jihad estaria confinada à Síria]). Na avaliação dos russos, a diferença não é tão significativa, a ponto de a Frente Islâmica, com a qual os EUA estão em contato, poder ser classificada como grupo moderado, em oposição ao grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL), classificado como grupo extremista e terrorista. Membros da Fraternidade Muçulmana no Egito, cuja organização foi declarada organização terrorista pelo governo egípcio, são quase querubins, se comparados a membros da Frente Islâmica."8[19]

No Líbano, diferente disso tudo, a oposição saudita linha-dura contra um governo de unidade parece (por enquanto) ter-se suavizado. Depois de uma visita de dois dias do ministro Zarif, de Relações Exteriores do Iraque, ao Líbano, no início dessa semana - para uma rodada de discussões com partidos políticos libaneses, com vistas a constituir-se um governo de unidade -, Zarif conseguiu persuadir Walid Jumblatt, que controla os votos 'oscilantes' no Parlamente, de há potencial para que se crie um governo de unidade, desde que a Arábia Saudita possa ser convencida a concordar. Na sequência, Jumblatt consultou Riad - e recebeu resposta positiva.

Não é fácil entender por que Riad teria feito essa 'meia-volta-volver', nesse momento. O Movimento 14 de Março não desistiu da exigência de criar-se governo 'sem-Hizbollah'. Mas é possível que os EUA e países europeus tenham sido avisados sobre a crescente presença de terroristas do ISIL/ISIS no Líbano: podem ter-se dado conta de que o Líbano pode ser a nova vítima dos movimentos jihadistas - como aconteceu na Síria -, e podem estar intensificando seus esforços e pressões para estabilizar o quadro no Líbano, mediante a formação de um governo nacional. Mas se essa iniciativa do Irã for bem-sucedida (e se Riad não bloqueá-la), sim, ajudará a resolver muitos dos problemas da administração política libanesa, que está paralisada há quase um ano e meio.

Em relação a um aspecto dessa paralisia - exploração de gás e petróleo - um colega de Conflicts Forum escreveu para nós:

"O longo hiato no processo de tomada de decisões pelo qual passa o Líbano, já afetou também os planos para exploração de gás e petróleo em águas territoriais e na Zona Econômica Exclusiva [orig. Exclusive Economic Zone (EEZ)[20]]. O atual governo, atuando - como está - apenas com capacidade de zelador, não pôde aprovar dois decretos necessários, necessários para determinar o número de blocos de gás oferecidos em concorrência, nem definir a partilha dos lucros. O ministro interino de Energia e Águas, Gebran Bassil, estava tentando conseguir que se realizasse uma sessão extraordinária de reunião do Gabinete, para aprovar os dois decretos, mas o primeiro-ministro interino, Mikati, insistiu que a Constituição não permite reuniões do Gabinete para essa finalidade. Assim, o ministro Bassil teve de adiar o lançamento do leilão do bloco de gás offshore, de 10 de janeiro, para 10 de abril de 2014.

"Apesar das atuais divisões políticas, havia unanimidade entre os diferentes grupamentos políticos no Líbano, exceto o ministro Bassil e seu grupo, o Movimento Patriótico Livre [orig. Free Patriotic Movement (FPM)], a favor do adiamento. O bloco 14 de Março, que está na oposição, além de outros parceiros da coalizão governante do FPM, não querem que Gebran Bassil e seu FPM colham todo o crédito público e político por terem lançado a exploração de gás e petróleo. Há também preocupações muito reais sobre todo o processo, que é pouco transparente, e sem qualquer plano estratégico que o articule ao maior potencial de gás da bacia do Leste do Mediterrâneo. Nessas circunstâncias, nenhum partido quis assumir compromissos contratuais de longo prazo com empresas petroleiras estrangeiras. Todos preferiram deixar abertas outras opções. Nesse contexto, não restou alternativa além de adiar o leilão.

"Alguns atores políticos sugeriram ligar a data do leilão à aprovação dos dois decretos, com o leilão ficando marcado para seis semanas, ou três meses, depois de assinados os decretos, fosse qual fosse o texto aprovado.

Mas surgiu uma preocupação, de que esse arranjo - sem data claramente marcada - desestimularia as empresas petroleiras, o que poderia levá-las a desinteressar-se e abandonar o leilão. Essa é a razão que explica a decisão de fazer um "adiamento técnico" de três meses, e de marcar a data do leilão para 10 de abril. Mas o adiamento não é causado por desacordo essencial quanto aos decretos, nem tem qualquer coisa a ver com a emissão das licenças para exploração do petróleo e do gás. O problema está, integralmente, na divisão do poder no plano político. Não se deve esperar nenhum movimento nesse front, enquanto não houver acordo político para formar novo governo no Líbano. Mas, depois de constituído o governo, o processo poderá andar rapidamente, porque o trabalho preparatório já está feito, e o funcionamento da Agência do Petróleo [orig. Petroleum Authority] parece não ter sido afetado."

****************************************


________________________________________
* Esse "Comentário" foi redigido antes da reunião da Oposição, na 6ª-feira, para decidir sobre alguma política comum para Genebra-2
[1] http://www.al-monitor.com/pulse/originals/2014/01/geneva-ii-russia-syria-diplomacy.html
[2] http://www.reuters.com/article/2014/01/15/us-syria-crisis-qatar-idUSBREA0E1G720140115
[3] http://english.farsnews.com/newstext.aspx?nn=13921025001533
[4] http://english.al-akhbar.com/content/the-syrian-national-coalitions-saudi-makeover
[5] http://www.al-monitor.com/pulse/originals/2014/01/syria-ncc-geneva-snc-jarba.html
[6] http://www.al-monitor.com/pulse/originals/2014/01/syrian-opposition-geneva-ii-istanbul-participate.html
[7] http://www.hurriyetdailynews.com/syrian-opposition-divided-over-joining-geneva-meet.aspx?pageID=238&nID=61049&NewsCatID=352
[8] Gulf News, http://gulfnews.newspaperdirect.com/epaper/viewer.aspx (só para assinantes)
[9] http://www.al-monitor.com/pulse/originals/2014/01/islamic-front-isis-rebel-clashes-syria.html
[10] http://www.al-monitor.com/pulse/security/2013/11/syria-jabhat-nusra-isis-campaign-support.html
[11] http://www.thenational.ae/world/middle-east/islamist-militants-secret-role-in-syrian-rebels-successes
[12] http://www.nytimes.com/2013/12/23/opinion/dont-get-in-bed-with-assad.html?_r=1&&gwh=1CCAD1EF151FE6829D6BDF4E0B259C34&gwt=pay (só para assinantes)
[13] http://www.defenddemocracy.org/media-hit/white-house-sees-a-partner-in-assad/
[14] http://www.politico.com/magazine/story/2014/01/how-obamas-syria-policy-fell-apart-101704.html?ml=m_t2_2h#.UuLX0NJTsrj
[15] http://www.nytimes.com/2013/12/23/opinion/dont-get-in-bed-with-assad.html?_r=0&gwh=8A6C083EE6B9C8EAAA5FAC20659ED48C&gwt=pay (só para assinantes)
[16] http://www.atlanticcouncil.org/blogs/menasource/syrian-peace-talks-what-is-achievable-near-term
[17] http://www.thedailybeast.com/articles/2013/12/30/obama-s-failed-outreach-to-syria-s-islamic-front.html
[18] http://rt.com/politics/official-word/lavrov-syria-geneva-ukraine-746/?utm_source=WAND+LIST&utm_campaign=eaa49fa669-WAND_194_Syria_grim_outlook12_30_2013&utm_medium=email&utm_term=0_9753f619ef-eaa49fa669-16013057&ct=t(WAND_194_Syria_grim_outlook12_30_2013)&mc_cid=eaa49fa669&mc_eid=a99b366944
[19] http://www.hurriyetdailynews.com/syrian-opposition-divided-over-joining-geneva-meet.aspx?pageID=238&nID=61049&NewsCatID=352
[20] Sobre a EEZ libanesa, ver http://www.lebanon-exploration.com/Leb_1st_Licensing_Rnd.htm [NTs].
Conflicts Forum
Comentários da semana 10-17/1/2014, publicados dia 24/1/2014*
http://www.conflictsforum.org/2014/conflicts-forums-weekly-comment-10-%E2%80%93-17-january-2014/ 

 
24545
Loading. Please wait...

Fotos popular