Pravda.ru

Notícias » Negόcios


As novas crises militarizadas

15.10.2012 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
As novas crises militarizadas. 17412.jpeg

"Tem havido ápices na História da Humanidade que criaram sangrentos e inqualificáveis conflitos político-militares de consequências descomunais. Nos tempos mais recentes, foram os casos da primeira e segunda conflitos mundiais a que se juntam as lutas de libertação, as guerras de secessão e as contendas pelas (re)demarcações de fronteiras.

 Actualmente, os principais factores de desestabilização político-militar deixaram de ser questões territoriais e/ou "lavagens de sangue" para se reverterem de disputas sociais e políticas em autênticas e sangrentas guerras abertas entre poderes instituídos e novos movimentos de libertação política.

 Movimentos que defendem mais liberdade política, mais humanização da gestão pública, mais liberdade humana, ou seja, mais e melhores Direitos Humanos.

A maioria teve a sua génese numa auto-imolação de um jovem tunisino, Mohamed Bouazizi, ocorrido na cidade de Sidi Bouzid, que rapidamente se degenerou numa revolta popular por mais e melhores condições humanas e de cujas manifestações provocaram a queda do autocrata tunisino Zine El Abidine Ben Ali.

Recordemos que foi a partir deste facto que as manifestações se alastraram, depois, por todo o Norte de África e por alguns países africanos.

Recapitulemos o que se passou no Egipto - este em escala muito elevada - e Marrocos, ou de forma menos evidente na Côte d'Ivoire, Uganda, Argélia, Djibuti, Saara Ocidental, em África, ou no Iraque, Omã, Líbano, Jordânia, Arábia Saudita, na Ásia (Médio Oriente). Algumas alterações políticas, talvez menos que o esperado pelos seus mentores, acabaram por ser evidentes ou reforçadas.

Mas revivamos, principalmente, as crises político-militares na Líbia, no Iémen - com a queda dos respectivos ditadores, após um largo período de conflito armado - e, sobretudo, agora, na Síria e, em menor escala, ou em "lume-brando", o Sudão. (...)" (continuar a ler aqui ou aqui)


Publicado no semanário Novo Jornal, ed. 247 de hoje, pág 25 (1º Caderno)


Publicada por ELCAlmeida em Pululu

 
2672
Loading. Please wait...

Fotos popular