Pravda.ru

Mundo

Israel: O pária da comunidade internacional

31.05.2010
 
Israel: O pária da comunidade internacional

A característica mais marcante sobre o mais recente ato de terrorismo de Israel, um acto de pirataria e assassinato em alto-mar, é que ninguém surpresas. Um ladrão rouba. Israel comete crimes de guerra. O que é ainda mais notável é a sua tentativa de auto-justificação, alegando que seus soldados foram atacados.


Bem, é claro que eles foram atacados. Eles entraram ilegalmente a bordo de um navio que transportava ativistas pela paz que tentavam alimentar o povo faminto de Gaza, em águas internacionais. F oi um ato de pirataria, foi um ato de terrorismo. Alguém invade o seu espaço. Você luta em retaliação.

O que Israel tem que entender é que para ser aceite como membro da comunidade internacional, tem de agir como tal e isso implica aderir às resoluções da ONU, isso significa não só travar a construção de colônias em terra que foi roubada aos palestinos, que implica o desmantelamento de cada colônia criada em terras fora das fronteiras de Israel.


O roubo de identidades para realizar um assassinato mafioso, as violações dos direitos humanos, a destruição de casas de civis, a apreensão da terra, atacando as ambulâncias e equipes de resgate a tiro, o hábito de atingir nos olhos com balas de borracha crianças palestinianas, o uso de T-shirts com imagens de mulheres grávidas com a legenda "Duas pelo preço de um" ou "dois com uma bala" pode ser engraçado para as pessoas de Israel, pode até ser hilariante. Mas para o resto da comunidade internacional, cria ódio.


É verdade que há muitos israelenses que não são sionistas. É verdade que há muitos israelenses que apoiam a causa palestina e fiscalizam as ações da Força de Defesa Israelense. É verdade, nem todos os judeus apoiam as práticas assassinas e ilegais do Estado de Israel. No entanto, o Estado de Israel continua por diante perpetuando-as.


E o quê é que Israel espera ganhar com estas atrocidades contra a lei internacional? Amizade? Simpatia? Respeito? Se assim for, então a noção de que os israelenses são inteligentes, se poderíamos fazer uma descrição coletiva, desaparece por completo. Tais ações enviam uma cunha entre os corações e mentes de todos aqueles que queiram viver juntos como irmãos e irmãs ao redor de um lago comum - o nosso mar - e aqueles que parecem gostar de viver e morrer pela espada.


A noção de que Israel pode sair impune depois do mais recente ato de terrorismo é tão inaceitável como é verdade. Senhoras e Senhores, é o que vai acontecer e vai acontecer mesmo. Vejam como. A colónia principal de Israel, os Estados Unidos da América (governado de fato por AIPAC) vai vetar qualquer tentativa de sanções pelas Nações Unidas. A Turquia não vai efectuar uma incursão punitiva. Afinal, os israelenses não estão indefesos armênios.


Israel não fará nada, nem sequer vai pedir desculpas. Pode “lamentar o incidente”. A comunidade internacional vai ficar “consternada”, “gravemente preocupada” ou até “indignada”! Uau, ei? Israel vai continuar demolindo casas, vai continuar roubando terras, vai continuar a atirar contra os olhos de crianças com balas de borracha, vai deixar as mães grávidas a morrerem nas ruas, vai realizando actos de terrorismo e vai continuar cometendo massacres. A d iplomacia internacional não fará nada.


O caminho a seguir não é diplomacia, como está hoje, porque a diplomacia e o direito internacional não existem, onde Israel está em causa. Vamos ser honestos sobre isso. O caminho também não é violência e terrorismo, porque é fundamentalmente errado, vai contra todos os grãos de decência humana e qualquer forma de violência só gera mais em uma espiral ascendente. Não, o caminho a seguir é através de medidas econômicas. Esta abordagem é totalmente legal, não violenta e eficaz.


A única coisa que a comunidade internacional pode fazer é agir com seus pés. Ou melhor, com a sua carteira, boicotando os produtos israelenses. Qualquer artigo com o número de série 729 (três primeiros números à esquerda do código de barras) vem de Israel.


Timothy BANCROFT-HINCHEY

PRAVDA.Ru 


Loading. Please wait...

Fotos popular