Pravda.ru

Mundo

Um ano convulsivo na América Latina

30.12.2019
 
Um ano convulsivo na América Latina. 32386.jpeg

Um ano convulsivo na América Latina

Por Carmen Esquivel Sarría Havana (Prensa Latina) Avanços e retrocessos nos níveis político e institucional registrados em 2019 na América Latina, onde se as eleições na Argentina constituíssem uma esperança para as forças progressistas; o golpe na Bolívia significou o retorno aos anos de ditaduras.

Ambos os eventos marcaram a situação regional em um ano convulsivo, no qual também houve manifestações massivas contra políticas neoliberais em países como Chile, Equador, Colômbia, Haiti e Honduras.

ARGENTINA VOTOU POR MUDANÇA

Nas eleições de 27 de outubro na Argentina, a dupla representada por Alberto e Cristina Fernández, da Frente de Todos, conquistou a vitória com 48,24% dos votos, sobre o presidente Mauricio Macri, de Juntos por el Change, que alcançou 40,28.

Os analistas vinculam os resultados eleitorais ao descontentamento da população com as políticas governamentais, que aumentaram o desemprego e a pobreza, levaram ao desmantelamento de programas sociais, favoreceram a privatização, endividaram o país e colocaram a economia sob a supervisão do Fundo Monetário Internacional ( FMI).

Durante seu discurso de posse, em 10 de dezembro, o novo presidente lamentou ter recebido um país frágil e prostrado, onde um em cada dois filhos é pobre, a inflação é a mais alta em quase três décadas, o Produto Interno Bruto (PIB) o menor desde 2009 e a dívida externa está no seu pior.

'Por trás desses números assustadores, existem seres humanos com expectativas dizimadas', afirmou Fernandez.

O novo presidente disse que vai colocar a Argentina de pé novamente e considerou prioritário impulsionar a economia com programas que favoreçam o desenvolvimento da indústria, o crescimento de médias e pequenas empresas, mas sem deixar de fora os setores menos favorecidos.

O ESTADO VOLTA À REGIO

Se o triunfo de Fernández foi considerado pelos setores progressistas como uma lufada de ar fresco; No país vizinho, Bolívia, o golpe de estado contra o governo Evo Morales constituiu um revés para a democracia, após 13 anos de um processo de mudança que conseguiu remover mais de dois milhões de pessoas da pobreza e converter nação com o maior crescimento do PIB em nível regional.

Em 10 de novembro, Morales anunciou sua renúncia à presidência depois que o exército pediu que ele deixasse o cargo e as forças policiais se amotinaram, em congruência com o direito que denunciou uma suposta fraude nas eleições de 20 de outubro.

Nessas eleições, o candidato ao Movimento ao Socialismo (MAS) conquistou 47,8% dos votos, contra 36,51 alcançados pelo opositor Carlos Mesa, da aliança Citizen Community.

No entanto, quando faltavam mais de um milhão de votos da área rural, onde historicamente o MAS tinha uma grande vantagem, o candidato da Comunidade Cidadã começou a denunciar uma suposta fraude e a OEA 'recomendou' a conclusão de um segundo turno .

Após a ruptura da ordem constitucional, forças conjuntas do exército e da polícia desencadearam uma repressão violenta contra as manifestações populares, que deixaram mais de 30 mortos, 800 feridos e um número superior a 1.500 detidos.

Analistas políticos denunciaram a participação da OEA e dos Estados Unidos em eventos recentes na Bolívia e alertaram que por trás do golpe de estado há o interesse de se apropriar dos recursos naturais do país, especialmente lítio e gás.

O ex-presidente, refugiado na Argentina, depois de uma estadia no México, denunciou que o maior pecado de seu governo foi ter feito três coisas: politicamente, re-fundar uma Bolívia que passou de um estado colonial para um estado plurinacional, em A nacionalização econômica dos recursos naturais, e mais importante no social, a redistribuição da riqueza.

LULA GRÁTIS

O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva foi libertado da prisão em 8 de novembro, após cumprir 580 dias de detenção injusta na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba, no Paraná.

A justiça brasileira decretou sua libertação após o Supremo Tribunal Federal considerar inconstitucional a prisão de uma pessoa antes que todos os recursos possíveis sejam esgotados.

Lula havia sido condenado à prisão em um processo atormentado por irregularidades e que, segundo as alegações, pretendia separá-lo da vida política, quando todas as pesquisas deram a ele um favorito para vencer as eleições presidenciais de 2018 no Brasil.

Embora sua sentença não seja anulada e o líder brasileiro deva continuar a batalha pela justiça definitiva, sua saída da prisão foi recebida por governos, líderes políticos e sociais de todo o mundo, que a consideraram um triunfo dos povos e da sociedade. solidariedade

O MODELO NEOLIBERAL É VENDIDO

Em 2019, a América Latina foi abalada por manifestações populares no Equador, Chile, Colômbia, Honduras e Haiti, que, embora tivessem peculiaridades próprias em cada país, demonstraram o esgotamento do modelo neoliberal promovido pelos governos de direita.

No Equador, o gatilho foi um pacote de medidas econômicas impostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) que estipulava a eliminação dos subsídios aos combustíveis, a redução de salários e o período de férias dos funcionários públicos.

Os protestos no Equador foram seguidos pelos do Chile que, embora tivessem começado a rejeitar um aumento nas passagens, levaram a uma demanda maciça por maiores salários e pensões, melhorias na saúde e na educação, mudando o modelo e a reforma neoliberais à constituição herdada desde a época da ditadura.

Como em outros países, as manifestações no Chile foram violentamente reprimidas pelo exército e pela polícia, com dezenas de mortos, mais de três mil feridos, incluindo 350 com ferimentos nos olhos causados ??por balas e armas de fogo.

Em novembro, começaram na Colômbia mobilizações contra um projeto de reformas do governo sobre pensões e impostos, mas logo foram acrescentados outros requisitos, como o direito à educação de qualidade, o cumprimento dos Acordos de Paz e a cessação da violência. país onde desde 2016 mais de 700 líderes sociais e defensores dos direitos humanos foram mortos.

No Haiti, os protestos contra a eliminação do subsídio de combustível, exigido pelo FMI, se estenderam a todos os setores, com demandas que vão desde mais emprego e acesso a serviços básicos, até a mudança de sistema, um governo de unidade nacional e julgamento. para funcionários acusados ??de corrupção.

Enquanto isso, em abril, houve prisões e manifestações em abril contra os planos do governo de privatizar os setores de saúde e educação e exigir a renúncia do presidente Juan Orlando Hernández, acusado de receber dinheiro do narcotráfico para financiar suas campanhas eleitorais.

Embora as demandas em cada país sejam diferentes, os especialistas concordam que o surto social está ligado ao fracasso das políticas aplicadas na região que trouxeram, entre outras conseqüências, o fechamento de empregos, a privatização e os cortes nos gastos públicos.

Para o cientista político americano Noam Chomsky, na América Latina as imposições neoliberais fracassaram, apesar das repetidas inundações de capital na forma de empréstimos multimilionários, que não deixaram progresso ou desenvolvimento, mas enormes dívidas e mais pobreza.

Segundo o relatório mais recente da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), a região mostra uma desaceleração generalizada e sincronizada no nível de países e setores por seis anos e, até 2019, o aumento do PIB será apenas 0,1%

'Nesse cenário, a região não apoia políticas de ajuste e exige políticas para estimular o crescimento e reduzir a desigualdade. As condições atuais precisam de política fiscal para se concentrar em recuperar o crescimento e responder às demandas sociais ", disse Alicia Bárcena, secretária executiva da CEPAL.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

http://www.patrialatina.com.br/um-ano-convulsivo-na-america-latina/

 


Fotos popular