Pravda.ru

Mundo

O Novo Califato e sua intersecção com a geopolítica do Oriente Médio

30.06.2014
 
O Novo Califato e sua intersecção com a geopolítica do Oriente Médio. 20507.jpeg

Como ler os eventos no Iraque? Agora afinal temos alguns 'pontos de ancoragem' de compreensão nos quais nos apoiar, suficientemente 'firmes' e que parecem lançar alguma luz sobre os eventos recentes. Mas a verdade é que - mesmo para os que vivem cá na região - ainda há mais perguntas, que respostas. E por que as coisas estão assim? Desconfiamos, considerando a própria opacidade das motivações que movimentam os eventos (ruidoso salto do DAASH ou ISIS para dentro do Iraque), estamos ante uma complexa interpenetração de psicologia religiosa de raízes profundas (o que é mais que mero sectarismo) com fatores de geopolítica.[1] Se se examina esse quadro exclusivamente mediante a ótica de considerações geoestratégicas, há excesso de enigmas e quebra-cabeças. Mas se se procura ler o mesmo quadro, no contexto de uma psicologia religiosa (uma psicologia mediante a qual os mesmos eventos estão recebendo significações a eles atribuídas por membros do DAASH e por os muitos simpatizantes sunitas deles), então as duas esferas - a geoestratégica e a psicológica - podem se encontrar e cruzam-se.

Que pontos de ancoragem 'firmes' são esses? O grupo DAASH 'caminhou para dentro de Mosul' sem encontrar resistência alguma.[2] Ao contrário, a tomada da cidade foi claramente facilitada com antecedência por grupos da sociedade iraquiana[3] (inicialmente não jihadistas), a saber: ex-oficiais militares do exército desmobilizado de Sadam Hussein - alguns dos quais eram, ou são, do Partido Ba'ath. A tomada sem derramamento de sangue de uma cidade de 2 milhões de habitantes, por um grupo de 1.300 homens também contou com certo grau de aquiescência de membros do atual exército do Iraque.

Em resumo, a tomada de Mosul foi claramente preparada com antecedência; e não há dúvida de que foi fertilizada com quantias substanciais de dinheiro (cuja fonte original permanece ignorada).

Em segundo lugar, o estabelecimento desse 'Califato' do DAASH recebeu apoio de muitos sunitas no Iraque e em outros pontos, sunitas cuja história pregressa poderia levar a supor que eles temeriam regime desse tipo. O que, afinal, ba'athistas seculares e ex-militares com formação e treinamento profissionais poderiam ter em comum com a intolerância violenta do DAASH e a insistência com que o grupo exige submissão ampla e irrestrita ao seu domínio? Será que não sabem da amarga experiência dos reformistas utópicos urbanos de Allepo, nas mãos dos vingativos revolucionários jihadistas que chegaram?

Seja como for, há fato claro (embora difícil de admitir): muitos sunitas iraquianos (e sunitas em geral) - grupo bem mais amplo do que se poderia definir como 'eleitorado' do DAASH - dizem hoje que prefeririam viver a precariedade da vida sob a guilhotina e um regime revolucionário 'jacobino', que sob o governo 'xiita' de Maliki. Isso nos diz algo bastante profundo sobre a psicologia daqueles sunitas. (Embora se deva considerar também que muitos sunitas estão fugindo de lá; e que também há sunitas que se opõem ao DAASH).

Em terceiro lugar, a 'guerra-relâmpago' [orig. 'blitzkrieg'] contra o Iraque foi muito bem executada (profissionalmente) em termos militares; e é politicamente muito astuta.

O DAASH conseguiu arrancar-se da ignomínia da já inevitável derrota de sua missão 'divina' na Síria - com todos os sobretons da história antiga do Islã que aquela derrota - fatalmente implicaria -, e saiu-se vitorioso contra a fragilidade, de cristal, do Iraque. O que era derrota iminente foi convertido em gesto de audácia,[4] o qual (até aqui) fez voar em cacos o delicado cristal iraquiano - e expôs cruelmente todos os pontos fracos do estado iraquiano.

A audácia do assalto, e o caminho aberto para que os sunitas imaginem o nascimento[5] de uma esfera sunita (um 'paraíso-seguro' num paraestado [orig. statelet] que recobriria Síria e Iraque com certeza tocou numa corda profunda da psique dos sunitas e do Golfo. Um ex-embaixador do Qatar nos EUA alertou o governo Obama contra qualquer intervenção militar a favor de Maliki: segundo ele, seria vista como "ato de guerra"[6] por toda a comunidade dos sunitas árabes. (Embora não esteja sendo vista como tal pela psicologia sunita síria: encontramos sírios que zombavam do segundo colapso militar dos iraquianos, comparando-o à invencível resistência que os sírios impuseram ao ISIS.)

É possível atribuir esse repentino entusiasmo pelo DAASH simplesmente a um desejo dos ba'athistas, de vingarem-se? Não há dúvidas de que os ba'athistas foram derrubados do poder, foram expurgados politicamente do governo, foram expulsos do exército, foram atacados, primeiro pelos EUA e, depois, pelas milícias do novo governo iraquiano; e também não há dúvidas de que muitos em Mosul, Tikrit e Anbar cultivam profunda antipatia pelo Irã e pelo novo governo, orientado a favor do Irã, em Bagdá - velhas antipatias que tem raízes na Revolução Iraniana. Muitos sunitas iraquianos estão (com razão) ofendidos e furiosos.

Mas só o ba'athismo per se não dá conta de todo esse improvável pacto faustiano entre alguns ba'athistas e o DAASH. O ba'athismo iraquiano foi profundamente esvaziado de conteúdo ideológico; e no início da guerra de 2003 já se provou insuficiente como alguma espécie de 'identidade'. A identidade ba'athista tende sempre a dissolver-se em circunstâncias em que as tensões sectárias aumentem; e tende a ganhar potência máxima quando as tensões sectárias adormecem. Quando as tensões sectárias aumentam, a realidade é que elas, com muita facilidade, superam outras identidades. (Não implica dizer que tudo que está acontecendo no Iraque possa ser reduzido a sectarismos. Há política e geoestratégia também envolvidas; mas é a tensão sectária - não alguma ideologia - que está estimulando a atração que está arrastando os ba'athistas na direção desses  takfiris do ISIS.)

Outro modo de olhar esses eventos é imaginar como apareceriam se considerados sob uma ótica religioso-psicológica. Essa, em todos os casos, pode ter sido a via pela qual os seduzidos pela 'guerra-relâmpago' do ISIS parecem estar percebendo a história toda que veem desenrolar-se à sua frente. O chamado 'Despertar' foi visto por muitos sunitas como algum renascimento especificamente sunita.

De início, o 'Despertar' pareceu oferecer vitórias indiscutivelmente claras. Prometia ser um triunfo da batalha de Badr (quando uma pequena força de 313 seguidores do Profeta, em 624, derrotou um exército de Meca, três vezes maior. Mas depois veio o revide (a atual Síria), ou, para acompanhar a mesma alegoria, a batalha sunita do Uhud (na qual os seguidores do Profeta foram derrotados, em 625, efeito de um contingente chave ter desobedecido às instruções que recebera). Mas depois desse fracasso, que pareceu pôr em risco todo o projeto muçulmano, as forças do Profeta nunca mais perderam sequer uma batalha.

É possível que o DAASH veja a derrota que sofreram na Síria por um prisma similar a esse: como vitória xiita que ameaçaria todo o projeto sunita (sobretudo porque estados-modelo sunitas ruíram nesse período). As primeiras vitórias surpreendentemente fáceis do DAASH no Iraque, portanto, nesse modo de ver, podem ser tomadas como as trombetas que anunciam a próxima derrota de Maliki e do Irã - assim como vieram as vitórias do Profeta, depois do fracasso no Uhud.

Essa mitologia pode ter ecos profundos e fortes nos Estados do Golfo, mas, mais prosaicamente, os sauditas podem bem sentir (em sua batalha contemporânea de 'Uhud' que, hoje, é a Síria), que o Irã seguiu a 'política do sangue' - como me disse um interlocutor que conhece bem a Arábia Saudita: foi derramado sangue sunita na Síria; e, se se trata de restaurar o 'equilíbrio' na região, a política do sangue tem de ser também equilibrada.

Se as únicas ferramentas com que os sunitas podem contar são o ISIS e os restos do antigo exército de Sadam Hussein, que seja. É possível que alguns, no Golfo, vejam tudo isso[7] como meio para trazer de volta um equilíbrio geoestratégico: os protegidos do Irã pagaram com sangue (algumas das fragilidades do Irã foram expostas no Iraque), e emerge algo que se pode ver como território sunita (embora seja o 'califato' do ISIS). Alguns líderes no Golfo podem, sim, especular que aí há uma base para interpretar a aproximação dos EUA com o Irã; e pode ser a base de um acordo político entre Arábia Saudita e Irã.[8]

Há algo de realista nisso? Provavelmente, não: a atual ardente paixão dos sunitas do Iraque e do Golfo pelo ISIS pode esfriar de repente,[9] e provar-se volúvel (como se viu acontecer na Síria, quando o ISIS foi 'testado' no poder). É improvável que o DAASH venha a 'tomar' militarmente o Iraque (só até aqui, suas incursões já uniram contra o inimigo, facções de xiitas iranianos tradicionalmente adversárias), e o novo 'califato' encarará hostilidades vindas de todas as suas fronteiras: do exército sírio, na porção síria do 'califato'; dos curdos; do Irã, em Diyala; e da maioria dos iraquianos.

Se o Irã fizer seu jogo com máxima cautela[10] - como está fazendo até aqui -, mantendo unidas as facções xiitas; cuidando para impedir que os sunitas iraquianos não satisfeitos com o ataque pelo DAASH sejam jogados nos braços do ISIS por efeito da super violência dos xiitas iraquianos; e se Teerã conseguir gerenciar a desconfiança instintiva inata de Maliki, os iranianos muito provavelmente conseguirão evitar o seu próprio 'sangramento', bem longe disso. Mas todos esses planos e cálculos até aqui bem-sucedidos podem ruir por águas (areias) abaixo, no caso de o ISIS atacar com sucesso os santuários [xiitas] em Samarra, Kerballah ou Najaf. Nesse caso, deve-se esperar guerra sectária total, com força máxima.

Claro que é fácil para observadores externos[11] culpar o primeiro-ministro Maliki por todos os padecimentos do Iraque. Mas não foi Maliki quem criou a região autônoma curda, ou quem armou a guerrilha curda Peshmerga; nem foi Maliki quem desmantelou o exército de Sadam Hussein e iniciou a des-ba'athificação ou quem promoveu o expurgo dos sunitas, do poder. É verdade que o primeiro-ministro é neuroticamente desconfiado de conspirações urdidas contra ele - patologia que esclerosou e esterilizou toda a política iraquiana. Mas suas desconfianças e cautelas, por mais que sejam exageradas e politicamente danosas, têm, indiscutivelmente, alguma base na realidade. *****

 


[1] 11/6/2014,  http://www.independent.co.uk/voices/iraq-crisis-capture-of-mosul-ushers-in-the-birth-of-a-sunni-caliphate-9530600.html

[2] 14/6/2014,  http://english.al-akhbar.com/content/iraq-understanding-coup-mosul-and-its-consequences

[3] 13/6/2014, http://www.todayszaman.com/news-350340-hashemi-mosuls-capture-a-revolution-of-oppressed-not-of-al-qaeda.html

[4] 14/6/2014, http://goo.gl/j7KOgD

[5] 15/6/2014, http://www.thesundaytimes.co.uk/sto/news/focus/article1422818.ece

[6] 16/6/2014, http://goo.gl/zql5I7

[7] 14/6/2014, http://goo.gl/3e6Jfp  

[8] Financial Times, Londres (só para assinantes) http://goo.gl/vecuIN

[9] 14/6/2014, http://goo.gl/j7KOgD

[10]  17/6/2014, "O Irã não pagará pelos pecados dos EUA no Iraque", MK Bhadrakumar, Indian Punchline, trad. em http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/06/o-ira-nao-pagara-pelos-pecados-dos-eua.html

[11] 14/6/2014, http://english.alarabiya.net/en/views/2014/06/14/Iraq-welcome-to-hell.html

Conflict Forum
28/6/2014, Comentário Semanal 14-21/6/2014
http://www.conflictsforum.org/2014/conflict-forums-weekly-comment-14-21-june/

 

 


Loading. Please wait...

Fotos popular