Pravda.ru

Mundo

Afeganistão: Militares, Não! Dinheiro e Monitorização, Sim!

29.01.2010
 
Afeganistão: Militares, Não! Dinheiro e Monitorização, Sim!

Com o início da Conferência de Londres sobre o Afeganistão, é imperativo que a comunidade internacional começa a abordar de forma definitiva as questões que ditam o futuro da sociedade deste país depois de quase dez anos de erros que custaram milhares de vidas, centenas de bilhões de dólares e que fizeram absolutamente nada para melhorar a vida diária da maioria da população afegã. ´


Tendo apoiado os senhores da guerra contra o Taliban-Pashtune, a comunidade internacional tomou uma opção de curto prazo que se transformou em um pesadelo, tornando a mistura étnica histórica do país de cabeça para baixo. A presença de tropas estrangeiros só tem agravado a situação, porque a população afegã não os vê como combatentes pela sua liberdade, mas sim invasores e vastas quantidades do dinheiro dos contribuintes gastos no Afeganistão foram desperdiçadas.


Retirar agora não é a solução, mas também fazer erros pode ser pior do que não fazer nada. Já em 2001, nesta coluna, afirmei que a coligação internacional deve ter o cuidado de respeitar os costumes e tecido étnico-cultural-histórico deste país, e que a chave seria o desenvolvimento, não invasão militar e certamente não bombardeio de festas de casamento de 30.000 pés de altura. Vezes sem fim.


Agora em 2010, no despertar da Conferência, reitero as mesmas palavras. O aumento de tropas planejado por Washington vai trazer resultados piores para a população porque vai gerar mais violência, não menos. As tropas, desde o minuto em que pisam no Afeganistão, só pensam em como sobreviver e no dia em que eles vão sair, passam a maior parte do seu tempo barricados em quartéis com o conforto que a população local não tem, tornando-se alvos fáceis para ataques. A presença de les aliena todos.


D esenvolvimento é a chave, não a militarização. Pobreza e desemprego criam extremismo, criam um subclasse de jovens, desempregados endémicos, que vêem nos cheques dos Taliban, a única forma de escapar de uma vida em um saco de farinha é muitas vezes tudo o que eles têm para comer durante um mês.


Por sua vez, o desenvolvimento cria empregos, que criam estabilidade e isso favorece um clima de paz e modera o extremismo e o fanatismo. No Afeganistão, tornar as mulheres parte da equação faria muito sentido em resolver problemas principalmente a nível local, onde as parcerias público e privado, adotando uma abordagem flexível e respeitando as diferenças regionais no país, poderiam fazer uma diferença real, construindo e facilitando capacidades para que a população resolva os seus problemas.


Atualmente tanto investimento é desperdiçado no pagamento de empreiteiros a curto prazo para dar formação, acções que muitas vezes não são adaptadas à cultura local e isso significa gastar fortunas em tradutores. Os programas são muito curtos e freqüentemente não são implementados. Para colmatar esta lacuna, a fuga de cérebros no Afeganistão deve ser invertida, criando condições para os que abandonaram o país, e especialmente os que tiveram acesso a educação, ficarem.


Pelo menos eles falam a língua e entendem a cultura. Se o dinheiro é para gastar, que seja gasto com afegãos para ensinar afegãos.
Daí também a necessidade de monitorizar onde, como e com quem o dinheiro é gasto e isso não foi feito adequadamente. Muito dinheiro (mais de 250 bilhões de dólares) foi derramado para o Afeganistão e uma grande quantia entrou nos bolsos das classes corruptas no governo. Corrupção e tráfico/produção de drogas são denominados como problemas piores do que os talibãs por muitos cidadãos afegãos.


Portanto, não é uma questão da militarização, é uma questão de dinheiro e de acompanhamento e, finalmente, o empoderamento das mulheres. São as mulheres que tomam as decisões ao nível da aldeia. Incluir as mulheres na equação e se tem uma solução equilibrada. E esta não é imposta por soldados em uniformes, é criada através do desenvolvimento.


De notar: É precisamente o que a União Soviética estava tentando fazer na década de 1970 e 1980, apoiando um governo socialmente progressivo que combatia o extremismo e terrorismo e fomentava políticas de igualdade de gênero implementando um modelo de desenvolvimento social, quando foi sabotada por aqueles que criaram o mujahedine para servir os seus fins políticos. Isto é o que acontece quando países interferem fora da sua esfera de influência. Agora é a hora para acertar as estratégias antes que o Afeganistão e toda a região ficarem fora de controle definitivamente sem hipótese de retornar.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular