Pravda.ru

Mundo

Wangari Maathai - Heroína da Humanidade

28.09.2011
 

Wangari Maathai - Heroína da Humanidade. 15675.jpegProfessor Wangari Maathai deixou-nos mais pobres no domingo passado, aos 71 anos. A sua estadia connosco deixa um legado enorme de 45 milhões de árvores, o Movimento Cinturão Verde, grandes avanços para o empoderamento das mulheres, a redução da pobreza e acesso a água potável, fazendo dela uma verdadeira heroína da humanidade, cuja memória permanecerá com a África e com o mundo para a eternidade.

Wangari Maathai nasceu em 1940 perto Nyeri no Planalto Central do Quênia. Ela foi educada no Quênia e nos EUA e foi a primeira mulher do centro/leste da África a receber um doutoramento - da Universidade de Nairobi - em 1971. Em 2002, foi eleita para o Parlamento da Quênia e subiu para a posição do Ministro Adjunto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais.

Professor Wangari Maathai deixa sua marca entre nós como um desses iluminados seres humanos cuja capacidade de extrema inteligência, organização e tremenda energia foi combinada com uma abordagem simples, humilde e muito humana perante a vida e as pessoas e demonstrava essa maneira não-intrusiva de estar com outros seres humanos que celebra a nobreza de espírito.

Seu legado é enorme: O Prémio Nobel da Paz, ativista ambiental, ativista contra a pobreza, ativista pelos direitos das mulheres, para o empoderamento das mulheres e militante para o acesso à água potável ... o resultado é igualmente impressionante: ela foi a fundadora do Green Belt Movement (Movimento Cinturão Verde) no Quênia através do qual as mulheres em comunidades rurais plantam árvores para aumentar a sua qualidade de vida. Através da criação de viveiros de árvores e plantações, estas mulheres garantem maior acesso à água potável (porque as árvores criam ecossistemas que mantêm a água no solo, também combatem o desmatamento) além de fornecer mais lenha para cozinhar. Ela foi a primeira mulher africana e a primeira ambientalista a ganhar o Prêmio Nobel da Paz (2004).

Desde que foi criado, o Movimento Cinturão Verde foi responsável pelo plantio de cerca de 45 milhões de árvores na África e tem ajudado 900.000 mulheres para criar viveiros de árvores. Wangari Maathai foi patrono do Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP, PNUMA em português) e foi a inspiração atrás da Campanha Um Bilião de Árvores do PNUMA, que incentiva as pessoas em todo o mundo para plantar árvores para o benefício das suas comunidades.

Nos últimos anos actuou como Mensageira da Paz das Nações Unidas e foi nomeada membro do grupo de defesa dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, instituído pela Organização das Nações Unidas para fomentar o progresso em alcançar os Objectivos de Desenvolvimento do Milênio na redução da pobreza, fome e doença e aumentar o acesso à educação, empoderamento das mulheres e direitos humanos em 2015.

Lembrando-se do seu compromisso de longo prazo com a sustentabilidade ambiental e o empoderamento das mulheres, apresento a seguir alguns dos muitos elogios que recebeu:

"Sua morte é uma perda para o povo do Quênia e do mundo ... uma campeã reconhecida mundialmente pelos direitos humanos e empoderamento das mulheres" e uma "pioneira na articulação das relações entre direitos humanos, pobreza, protecção ambiental e de segurança." Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon.


"Ela era uma visionária que viu mais a copa das árvores, mas nunca perdeu de vista as raízes", Jan McAlpine, Director do Secretariado do Fórum sobre Florestas da ONU.
 

"Wangari Maathai foi uma força da natureza ... Enquanto outros usaram o seu poder e força de vida para criar danos, degradar e extrair lucro a curto prazo a partir do ambiente, ela usou o dela para traçar o seu caminho, mobilizar as comunidades e defender a conservação e o desenvolvimento sustentável". Diretor Executivo do PNUMA, Achim Steiner.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular