Pravda.ru

Mundo

Por uma esquerda capaz de discutir seu futuro

28.06.2018
 
Por uma esquerda capaz de discutir seu futuro. 29046.jpeg

POR UMA ESQUERDA CAPAZ DE DISCUTIR SEU FUTURO

Aquele velho dito de que a esquerda só se une na prisão, sempre foi visto como uma fraqueza dos partidos que pretendem representar a visão mais progressista da sociedade, comunistas, socialistas dos mais diversos matizes e até mesmo os trabalhistas, por que, quando em liberdade, são incapazes de enfrentar uma direita sempre unida.

Eu ousaria dizer que em vez de uma fraqueza, esse pode ser o grande diferencial positivo da esquerda, porque revela a necessidade de estar sempre discutindo e tentando aprimorar o processo político.

Marcha unida é coisa para militares e não políticos.

Obviamente, isso não deve impedir a união em torno de objetivos comuns, como ocorre hoje no Brasil na questão de defender a liberdade do Lula e seu direito de se apresentar como candidato à Presidência, nem de chamar o impeachment da Dilma de golpe.

Isso não significa seguir um pensamento único, nem criar ícones políticos imunes à critica.

Um exemplo: denunciar as políticas conciliatórias do PT, quando governo,  com os partidos da direita e do centro; lamentar que tenha sucumbido ao poder da mídia e apontar seu objetivo final, que sempre foi de reformar o capitalismo e não lutar pela implantação do socialismo.

Infelizmente, muitas pessoas que se dizem de esquerda abominam aese tipo de pensamento. Querem viver só com suas certezas, o que deveria ser impossível em qualquer momento da vida e muito mais na política.

Quando surgiu aquele episódio da Márcia Tiburi se recusando a debater com o representante do MBL numa emissora de rádio, muitos a aplaudiram, esquecendo que, ela mesmo, havia escrito um livro chamado Como Discutir com um Fascista

É altamente recompensador para qualquer um de nós quando todos aprovam e batem palmas para o que dissemos. O difícil, falou  uma vez Taro Genro, com propriedade, é discutir com nossos opositores.

O fato de discutirmos à exaustão determinados pontos não significa que no final não vamos estar juntos na luta com eles.

Talvez o melhor exemplo disso esteja na mais importante revolução social que já viveu a humanidade, a Revolução Russa de 1917.

De fevereiro, quando da queda do Czar, até outubro, quando os bolcheviques tomaram o poder, as estratégias de luta, os objetivos, os modelos de governo, tudo foi discutido à exaustão por gente como Lenin, Totski, Martov, Dverdlov, Kamenev e Plekanov.

Mesmo depois que tinham tomado o poder, discutiu-se de forma democrática todas as questões mais importantes para a nova república soviética.

Só mais tarde, quando as ameaças internacionais e os graves problemas internos fizeram que a democracia fosse desaparecendo na URSS, é que as lutas internas dentro do governo , fossem muitas delas, resolvidas de forma sangrenta.

Hoje, no Brasil, se não vivemos numa democracia real, conservamos, pelo menos, muitos dos seus atributos, entre eles a existência de um pensamento de esquerda com muitas facetas.

Discuti-las continuamente me parece uma maneira de fazer com que a mais adequada vença no final.

Infelizmente, não é o que vemos.

Num espaço razoavelmente aberto como o Facebook, por exemplo, se você se diz não representado por um político ou candidato a político do PT, você está ajudando o inimigo.

Os mais agressivos acabam até te rotulando de admirador do Bolsonaro.

Ou seja, não se discutem  ou se contestam argumentos. Tenta-se calá-los..

Com esquerdistas tão autoritários assim, não precisamos mais dos direitistas.

Os bolsonaristas te dizem: vai pra Cuba, vai para a Venezuela.

Os lulistas te dizem: chama a senadora de Ana do Relho e diz que basta ser do PT, para ser bom.

Tem muita gente gostando do samba de uma nota só.

Marino Boeira é jornalista,formado em História pela UFRGS

 


Loading. Please wait...

Fotos popular