Pravda.ru

Mundo

11/9, 16 Anos Depois: Sem Memória, sem Verdade e sem Justiça

26.09.2017
 
11/9, 16 Anos Depois: Sem Memória, sem Verdade e sem Justiça. 27377.jpeg

11/9, 16 Anos Depois: Sem Memória, sem Verdade e sem Justiça


"É preciso coragem para questionar quando tudo ao seu redor em que você acredita, tem sido dito para você acreditar. É preciso coragem para questionar os poderosos, e falar a verdade em relação ao poder", diz na longa conversa a seguir Michael "Mike" Berger, coordenador de mídia de 911Truth.org neste aniversário de 16 anos dos ataques do 11/9 sem memória, sem verdade e sem justiça. 

Mike analisa que a infinita "Guerra ao Terror", com gastos maciços deficitários, mudanças radicais na política interna e externa incluindo a redução das liberdades civis dos norte-americanos, foram justificadas pelos ataques do 11 de Setembro. "No entanto, a história apresentada pelo governo sobre como os ataques se desenrolaram sem uma resposta do nosso estabelecimento de defesa de trilhões de dólares, traz centenas de contradições e comprovadas mentiras. Se realmente quisemos proteger e defender o País, precisamos saber como nosso governo não nos protegeu no 11 de Setembro realizando mudanças efetivas para defender o País do ataque", pontua Mike, quem ainda lembra que, após o 11/9, muitos funcionários do governo de seu país "se tornaram denunciantes, porque foram impedidos de executar seus trabalhos - para proteger e defender os Estados Unidos".

O advogado Kenneth "Ken" Feinberg, escolhido pelo regime de Bush para decidir sobre o valor em dinheiro a ser oferecido a cada família que perdeu um ente querido nos ataques, também respondeu algumas questões a esta reportagem.

Kenneth Feinberg: 

O Fundo de Compensação Federal de 11 de setembro de 2001 foi um sucesso absoluto. Aproximadamente 5.300 pessoas foram compensadas, e mais de 7 bilhões de dólares em fundos de contribuintes foram distribuídos durante um período de 33 meses, estabelecido pelo estatuto federal. 

Todos os processos civis relativos aos ataques do 11 de Setembro foram resolvidos e estabelecidos no Tribunal Federal em Manhattan, cerca de cinco anos após os ataques. As principais reivindicações envolveram negligência por parte do fabricante do avião, as companhias aéreas, o World Trade Center, o MassPort [Massachusetts Port Authority] e a Autoridade Aeroportuária de Nova Iorque e de Nova Jersey, etc.


Nesta entrevista, Mike fala sobre as observações de Feinberg, convidado em seguida a apresentar sua réplica às declarações de Mike, ao que não respondeu. as famílias que recusaram o dinheiro do silêncio nunca foram capazes de obter justiça através dos tribunais, do Congresso nem de nenhumo outro meio. Não é assim que nosso sistema deveria funcionar". 

Diante disso, no momento mais emocionante desta entrevista, questionado se os bilhões de dólares do governo compraram o silêncio da grande maioria de familiares de vítimas, Mike é categórico na resposta: "Sim, comprou o silêncio eterno", observando que cada assassinato no 11/9 acabou rendendo muito dinheiro a seus respectivos familiares que permanecem vivos. "Muitas famílias apoiaram e ajudaram a 'vender' a história do governo", lamenta Mike, para quem o desafio psicológico de se conviver com verdades dolorosas, como as evidências de excução interna naquele dia que mudou o curso da história, é um obstáculo para se descobrir o que realmente aconteceu em 11 de stembro de 2001.

"As pessoas deste país foram traumatizadas pelo 11 de Setembro, quer tenham consciência disso ou não", resslta o ativista e produtor de filme, ao mesmo tempo que observa que o 11/9 não é apenas um assunto dos norte-americanos. "A política externa norte-americana foi justificada pelos ataques do 11 de Setembro", pontua sobre os atentados que levaram ao ferimento da Constituição de seu país sem precedentes, e ao rompimento das relações internacionais em quase 400 anos."Quase 16 anos após os assassinatos não resolvidos de milhares de norte-americanos e incontáveis ​​centenas de milhares de vítimas da "Guerra contra o terrorismo" dos Estados Unidos, quem no mundo pode responsabilizar aqueles que estão acima da lei?", questiona Mike.

Mike Berger nasceu e cresceu a cerca de 20 minutos de Manhattan. É formado em Sociologia pela Universidade de Washington, com foco em motivação humana.

Quase 18 meses após os ataques, ele passou a questionar a versão oficial quando leu sobre compras significativas de Opções de Venda antes do 11 de Setembro por empresas diretamente afetadas pelos ataques. Essas grandes apostas financeiras, colocadas nos mercados de ações e opções mundiais, fez com que grandes investidores se beneficiassem com a previsão dos ataques. Isso deu início a anos de pesquisa em relação aos detalhes dos ataques, e como o registro público está repleto de fatos credíveis que contradizem muitas das mentiras e omissões registradas no Relatório da Comissão do 11 de Setembro, vendidas ao público norte-americano e mundial pelos principais meios de comunicação.

Mais de quatro anos de investigação culminaram no primeiro documentário de Mike, Improbable Collapse: The Demolition of our Republic, primeiro a revisar minuciosamente as evidências das demolições controladas do World Trade Center sob uma perspectiva científica.

 

A íntegra da entrevista, a seguir.

Edu Montesanti: Qual sua avaliação do desempenho midiático em 11/9/2001, e ao longo desses 16 anos após os atentados?

Mike Berger: Muitos jornais, repórteres e agências de notícias relataram fatos com precisão. No entanto, outros falsificaram e, intencionalmente, manipularam reportagens e os fatos para promover a teoria conspiratória do governo.

Quando fomos entrevistados depois que o Pentágono lançou a "filmagem de vídeo" do voo 77que atingiu o Pentágono, tanto a ABC News quanto a BBC nos fizeram a mesma pergunta repetidamente. Eles não aceitaram nossa resposta, quando perguntaram "por que você não acredita que um avião atingiu o Pentágono?". 

Nossas respostas foram consistentes: nunca negamos que um avião ou o voo 77 tenham atingido o Pentágono. Acreditamos que uma questão-chave sobre o ataque do Pentágono é como algo poderia atacar o Pentágono, dado o testemunho de Norma Mineta [maio de 2003], de que Cheney estava recebendo atualizações em tempo real de que um "voo que entrava em Washington DC"? Devemos acreditar que o Pentágono estava impossibilitado de ser defendido? Em caso afirmativo, isso deve levantar muitas outras questões alarmantes sobre o destino de trilhões de dólares dos contribuintes dos Estados Unidos, gasto na defesa dos Estados Unidos contra ataques.

New York Times, ao cobrir a entrevista coletiva do National Institute of Standards and Technology (NIST) anunciando os resultados finais para explicar o colapso do Edifício 7 do World Trade Center, relatou uma citação de Shyam Sunder, pesquisador principal do NIST. A equipe disse que a menor ocorrencia de explosão capaz de fragilizar a coluna principal do edifício teria produzido um "nível de som de 130 a 140 decibéis, a uma distância de meia milha", mas nenhum ruído tão alto foi relatado por testemunhas nem gravado em vídeos.

New York Times ignorou, ou convenientemente esqueceu seu próprio processo que forçou a cidade de Nova Iorque a divulgar os relatos orais dos Primeiros Respondentes que continham dezenas de testemunhos oculares, comparando o que viram e ouviram com demolições controladas. Na primeira página do New York Times, eles citaram o investigador principal, Shyam Sunder, dizendo que não havia gravações de áudio de explosões nem nenhum relato de testemunhas oculares.

O Edifício 7 não foi atingido por um avião, mas reportagens da BBC e da CNN anunciaram que o prédio havia entrado em colapso antes do colapso tr acontecido de fato.


O que você acha da versão que diz que os sauditas e os Qataris apoiaram os supostos sequestradores do 11 de Setembro? O economista canadense, Michel Chossudovsky, um dos pesquisadores mais respeitosos do mundo sobre o 11 de Setembro, diz que implicar os sauditas e agora os qataris simplesmente desvia o foco dos ativistas pela verdade do 11/9, ou seja, o 11 de Setembro foi uma execução interna po completo. Como você responde a Chossudovsky? Lembremo-nos de que os principais meios de comunicação, que se opõem a uma investigação independente em apoio à versão oficial, abordam em grande parte o suposto complô saudita e qatari nos ataques do 11 de Setembro. Esse fato, e evidências dos ataques do 11 de Setembro de execução interna, não devem dar razão ao economista canadense?

O 11 de Setembro é uma rede complexa de conexões, algumas discerníveis e visíveis, enquanto outras permanecerão ocultas para sempre. Sabemos que os sauditas forneceram algum financiamento aos sequestradores. Sabemos que os sauditas estiveram envolvidos. Eles dirigiram a operação? É duvidoso. No entanto, simplesmente porque eles podem não ter estado na liderança não significa que não estiveram envolvidos. Ignorar o envolvimento do governo saudita ou de qualquer outro governo, nada mais é que moldar os fatos de acordo com a teoria.

Participações de muitas nações podem estar envolvidas na questão. Sabemos de algum envolvimento dos sauditas, de Israel, Alemanha, Paquistão, Emirados Árabes Unidos, etc. Sem poder de intimação ou um grande júri para emitir mandados, não podemos descobrir nada. 

Existem muitas teorias alternativas. Que foi uma execução interna, parece muito evidente. A vida, é muitas vezes, bastante confusa e complicada. Como na vida, a compreensão do 11 de Setembro requer a capacidade de aceitar o paradoxo e a contradição inerentes a acontecimentos complexos. Embora possamos nunca vir a saber exatamente o que aconteceu, temos uma ampla gama de evidências que rejeitam a versão do governo.

Será que Bin Laden, os sauditas ou os qataris detiveram as defesas aéreas norte-americanas? Eles poderiam ter feito a rede de comando parar no 11 de Setembro? Eles poderiam ter impedido, com sucesso, a Força Aérea de enviar jatos em direções distantes dos aviões? É claro que não. Isso foi feito por pessoas de dentro do nosso próprio governo. A conclusão de que o 11 de Setembro foi um trabalho interno rejeita ou minimiza o envolvimento de muitos outros países, e o conjunto de evidências em relação aos autores intelectuais por trás dos ataques.

As inteligências israelenses do Mossad, as britânicas e alemãs também estiveram envolvidas na vigilância dos sequestradores. O Mossad seguiu os sequestradores em todo os Estados Unidos por muito tempo, conforme relatado na Fox News. Algumas pessoas, então, concluem imediatamente que Israel, ou "os judeus" foram responsáveis. Sempre tentei seguir os fatos, o bom senso e a lógica. Tento não deixar passar desapercebidas determinadas conclusões, apenas porque tantos parecem gostar de agir assim

Isso diz respeito à necessidade de saber. Algumas pessoas são curiosas, prestam atenção ao que está acontecendo no mundo e tentam dar sentido a isso. No entanto, com tantos fatos como temos agora, e inquestionáveis, é um grande desafio reuni-los de forma coerente o que não significa que não sabemos o suficiente para dizer com confiança que houve um envolvimento óbvio de membros do governo dos Estados Unidos, das agências militares e da inteligência.

Além disso, as muitas advertências específicas dadas à administração de Bush antes dos ataques, por parte de Rússia, Grã-Bretanha, Israel, Alemanha, etc, parecem indicar que também havia agentes e agências de inteligência em todo o mundo trabalhando para evitar os ataques. Isso também inclui muitos agentes de inteligência dos Estados Unidos, alguns dos quais se tornaram denunciantes porque foram impedidos de executar seus trabalhos - para proteger e defender os Estados Unidos.


Qual o estado de espírito dos norte-americanos em geral, em relação à busca pela verdade em relação o 11 de Setembro?

Acredito que abordei isso na minha resposta anterior, sobre os desafios que enfrentamos. A psicologia da negação torna difícil persuadir o público a enxergar, e muito menos avaliar os fatos que contradizem o que lhes foi dito que aconteceu. É mais fácil ignorar os fatos e simplesmente deixá-lo em paz. "Se é verdade [execução interna do 11/9], simplesmente não quero saber", ouvi muitas vezes.


Quais as principais reivindicações de 911Truth.org em relação às contradições da versão oficial dos fatos?

911Truth.org não faz, por si mesma, reivindicações, mas promove reportagens investigativas, pesquisa acadêmica e educação pública sobre as realidades suprimidas de 11 de Setembro.

Nesta estapa da história, 911Truth.org é um repositório para um corpo de pesquisa que expõe fatos relativamente desconhecidos pela maioria dos norte-americanos, até hoje.

A maior "reivindicação" que fizemos foi publicar o fato que contradiz a afirmação do governo, de que quatro caixas pretas indestrutíveis dos dois aviões que atingiram as Torres, nunca foram recuperadas - de acordo com o Relatório da Comissão do 11 de Setembro.

O que aconteceu com as quatro caixas pretas indestrutíveis que deveriam ter sido recuperadas no Marco Zerro? Sabemos que pelo menos três foram recuperadas, mas o Relatório da Comissão do 11 de Setembro afirma, claramente em uma nota de rodapé, que nenhuma dessas caixas pretas foi recuperada. 

Também acompanhamos uma reportagem do jornalista investigativo Dave Lindorff, que confirmou que o FBI se apoderou dessas caixas pretas recuperadas, e que foram analisadas pelo NTSB [National Transportation Safety Board].

Uma fonte no National Transportation Safety Board, a agência que tem a tarefa de decifrar a data das caixas pretas recuperadas em locais de acidentes - incluindo aqueles que estão sendo tratados como crimes e sob a jurisdição do FBI -, diz que as caixas haviam sido recuperadas e analisadas pelo NTSB.


Qual a importância de se esclarecer esses fatos, e narrar a história real dos fatos?

Acreditamos ser importante para quem quer investigar ou estudar os assassinatos do 11 de Setembro que tenham acesso a pesquisas e fatos acadêmicos. Muitos dos artigos que publicamos ao longo dos anos provêm de fontes da grande mídia.

A razão pela qual mantemos e atualizamos o sítio na Internet é para que inspire o público a superar a negação, e entenda a realidade da nossa situação atual. É preciso ter conhecimento, e aprender com o passado para não repeti-lo.

Os fatos contam uma história diferente daquela contada pelos relatórios oficiais do governo dos Estados Unidos.


Quais os maiores desafios nos Estados Unidos para criar uma investigação independente, trazendo a verdade definitivamente à luz?

Kenneth Feinberg é advogado. O governo o escolheu para avaliar e decidir sobre o valor em dólares a ser ferecido a cada família que perdeu um ente querido. Ele não era advogado do governo nem dos familiares: o governo o nomeou para esse fim. Os membros da família que aceitaram o dinheiro establecido por Kenneth Feinberg desistiram do direito de lutar por um processo legal contra o governo, as companhias aéreas, os fabricantes de aviões, etc. O trabalho de Feinberg era conseguir o máximo possível que tudo acabasse assm.

A questão principal aqui, como eu vejo, é que as famílias que recusaram o dinheiro do silêncio nunca foram capazes de obter justiça através dos tribunais, do Congresso nem de nenhumo outro meio.

Não é assim que nosso sistema deveria funcionar.

Se você pode tentar imaginar o que seria perder seu esposo. Ele rendeu muito dinheiro, em muitos casos. Você deve apoiar seus filhos e criá-los sozinhos. Como você pode escolher entre tentar seguir em frente, e tornar a vida do seu filho decente sem o dinheiro oferecido pelo governo... e seguir em frente? Isso deve ter sido uma escolha impossível para muitas famílias. Mas tenha em mente que muitas famílias apoiaram e ajudaram a "vender" a história do governo.


Então, você quer dizer que os bilhões de dólares compraram o silêncio dos familiares?

Sim, os pagamentos compraram o silêncio eterno. Muitas famílias do 11 de Setembro nunca falaram abertamente [sobre as mentiras do 11/9].


Por quê? Receio? Pressão?

Muitos, muitos motivos.

Isso exigia imensa coragem para enfrentar a mídia, o governo, os amigos, etc. Eles, e nós fomos rotulados de teóricos da conspiração. Esperava-se que as famílias ficassem fechadas. 

Pressão social, pressão financeira, mídia, etc... eles tiveram muitas razões para ter medo, e sentirem-se preocupados.


Continuando com os desafios que os Estados Unidos enfrentam, Mike...

Este não é apenas um desafio norte-americano. A política externa norte-americana foi justificada pelos ataques do 11 de Setembro. Quase 16 anos após os assassinatos não resolvidos de milhares de norte-americanos e incontáveis ​​centenas de milhares de vítimas da "Guerra contra o terrorismo" dos Estados Unidos, quem no mundo pode responsabilizar aqueles que estão acima da lei?

Não existe um tribunal, um governo ou uma instituição global que esclarecerá a verdade ou irá buscá-la em relação ao 11 de Setembro. Todas as tentativas dos membros da família para obter o seu dia no tribunal, para descobrir quem não conseguiu executar seu trabalho naquele dia [para prevenir os atentados] e nos dias que antecederam os ataques, aqueles qu acoertaram e até mesmo facilitaram os ataques, cada um desses casos legais foi freado antes que qualquer descoberta significativa pudesse ter sido feita. Kenneth Feinberg pressionou as famílias a pegar o dinheiro, e renunciar aos direitos legais de ir ao tribunal. Ele teve muito sucesso ... conforme se mesmo se gabou com você.

Enquanto ele afirmou que os processos foram resolvidos, isso não é verdade dependendo da definição da palavra "resolvido". Se "resolvido" significa que os tribunais frustraram os casos legais das famílias, então o que ele disse esta correto. Mas sabemos que ele não usou o termo neste sentido. 

O governo dos Estados Unidos fez esforços extraordinários para evitar descobertas legais, e para proteger os fatos inconvenientes que surgiram em um tribunal de justiça. Parece significativo, então, que o Congresso esperou mais de 15 anos para permitir que as famílias processassem os sauditas.

É claro que muitos dos sauditas envolvidos ou ligados aos crimes agora estão falecidos, sob uma perspectiva do governo: agora é algo "seguro", que as famílias busquem ações legais. Além disso, muitos familiares provavelmente deixaraão isso passar visto que seus filhos cresceram. Suas vidas podem ter retornado a um novo ritmo normal, então, por que retornariam ao trauma?

Acredito que o maior desafio para uma investigação tem tudo a ver com nossa capacidade de negar fatos desconfortáveis ​​e conhecimentos inconvenientes. As pessoas deste país foram traumatizadas pelo 11 de Setembro, quer tenham consciência disso ou não. Examinar esse tópico abre as feridas. Crescemos querendo acreditar no que nos falamos sobre o que os Estados Unidos representam, e nosso lugar no mundo. 

O desafio psicológico de viver com verdades dolorosas é, provavelmente, o maior desafio para descobrir o que realmente aconteceu.

O que acontece quando as pessoas boas estão em silêncio? Todas as atrocidades. É preciso coragem para questionar quando tudo ao seu redor em que você acredita, tem sido dito para você acreditar. É preciso coragem para questionar os poderosos, e falar a verdade em relação ao poder. 


De que maneira a Constituição dos Estados Unidos foi atacada pelo 11 de Setembro, como mencionado no sítio 911Truth.org?

Os últimos 13 anos evidenciam como os assassinatos do 11 de Setembro foram usados ​​para justificar violações constitucionais. Por exemplo, as agências de inteligência nos Estados Unidos têm supervisionado ilegalmente, através de escutas telefônicas sem mandados judiciais, em violação da Quarta Emenda. 

Os Estados Unidos violaram o acordo das Convenções de Genebra contra a tortura. As agências de inteligência foram flagradas ajudando e, em alguns casos, iniciando ataques terroristas nos Estados Unidos. 

Os Estados Unidos se comprometeram em homicídio extrajudicial, dirigido pelo governo, de cidadãos norte-americanos. A CIA foi considerada culpada por sequestro e tortura um clérigo muçulmano. Alguns sugeriram que não temos mais um governo civil. Há um artigo específico, escrito por um ex-embaixador da administração Bush e vice-secretário de Estado adjunto. Cartas secretas e ilegais de segurança nacional, que pode sr lido através desta ligação.

A maioria dos norte-americanos desconhece o continuismo do governo. Há evidências que sugerem que os Estados Unidos permanecem em estado de emergência contínuo. Mais violações da Quarta Emenda. Os Estados Unidos com Obama, e continuando na administração de Trump, processam jornalistas e denunciantes.


Como atuou o regime de Obama e o que você pode dizer sobre o regime Trump, em relação a uma comissão independente pela verdade do 11 de Setembro?

Ambos se opuseram a qualquer investigação independente tanto quanto eu tive conhecimento. Com Trump, as palavras realmente não significam nada. Portanto, o candidato Trump pode ter dito coisas como se estivesse aberto a uma nova investigação. Mas esse cara já se foi. Esse indivíduo nunca vai fazer isso.

Edu, essas perguntas poderiam ser respondidas através de livros. A "versão" do 11 de Setembro, o contexto necessário para entender o que aconteceu e quais as conseqüências foram, parecem exigir uma pesquisa incrivelmente ampla para compreender plenamente a insidiosa forma de chegar ao nosso momento e circunstância presentes.

Como o Pentágono não foi defendido, mais de uma hora depois de saber que estávamos sendo atacados?


O que você espera do futuro em relação à investigação e, consequentemente, encontrar a verdade desta maneira fazendo justiça pelo 11 de Setembro?

Não acredito que as pessoas diretamente responsáveis se verão no interior de uma sala do tribunal antes de morrer. A justiça não será frequentada por essa gente.

Espero uma comissão de verdade e a reconciliação, uma discussão pública de verdades e de perdão. Não vejo um caminho para que isso aconteça no futuro próximo, mas ainda tenho esperanças.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular