Pravda.ru

Mundo

Os dois pesos e duas medidas dos Estados Unidos da América

26.08.2008
 
Pages: 12
Os dois pesos e duas medidas dos Estados Unidos da América

Após dois mandatos de o regime de Bush, os Estados Unidos da América, outrora respeitado como membro e parceiro na comunidade internacional, hoje evoca duas reações reflexas nos corações e mentes da comunidade internacional: ódio, devido às suas tácticas de choque e pavor ou simplesmente um profundo desrespeito pela natureza puramente hipócrita das suas políticas externas.

Ter um homem (e regime) como George W. Bush (e seu lobby) a seu cargo seria sempre um risco, porque aqui temos uma figura (e um grande grupo de pressão empresarial) que pertence ao clique de ricos elitistas que basicamente sempre fizeram o que queriam e se cometessem um erro, o papá e seus amigos lidavam com a situação. Essa é a noção que eles tiveram da lei e do direito enquanto cresciam.

A Lei, para estas pessoas, é algo a ser manipulado, para ser quebrado se for necessário, porque eles sabem que nas mãos de profissionais bem-pagos, a lei se move em muitas maneiras, seja qual for o crime, quer que seja um delito como mau comportamento num jogo de beisebol, quer que seja matar alguém, enquanto embriagado ao volante de um carro. Papá resolve tudo.

Por isso, não deve surpreender-nos a ver George W. Bush a desprezar a lei internacional, através do reconhecimento da província sérvia do Kosovo como um Estado independente e, depois, tentar dar lições à Rússia sobre como lidar com dois processos que até têm muito mais direito a reclamar o estatuto de Estado, ou seja, Abcásia e Ossétia do Sul. Estamos a falar de dois pesos e duas medidas; estamos a falar de um filho da mãe arrogante, mentiroso e com duas faces.

Por quanto tempo é que Washington vai humilhar-se com este tipo de charada? Como pode alguém ser levado a sério em Washington, se o seu presidente pode olhar a comunidade internacional nos olhos e dizer com aparente convicção de que o Kosovo possa ser independente e Abcásia e Ossétia do Sul não podem, como se fosse ele a decidir?

O problema aprofunda-se com a manipulação pela mídia corporativa empacotando declarações absurdas e apresentando mentiras tudo como se fossem a verdade. Quantos na Europa Ocidental e América do Norte acreditam que o Iraque tinha tudo a ver com 9/11, por exemplo? Lá estava Jeremy Thompson da Sky News solicitando os soldados dos E.U.A. rastejando-se pelos seus pés com sotaque ianque (“Hi, you guys!”), perguntando se eles estavam à procura de vingança para o 11 de setembro quando entraram no Iraque.

Tivemos Sky News (outra vez) e outros meios de comunicação recentemente, esquecendo de referir o acto de chacina perpetrado pelas forças armadas georgianas (treinadas pelos EUA) de 2.000 civis russos (7/8 de Agosto) em Ossétia do Sul…ou até mesmo manipular fotos, tentando fazer crer que o massacre georgiano foi perpetrado pelos russos. Por isso, adeus à noção de que há uma comunicação social imparcial e livre no Ocidente!

Corrigindo os “factos”

Por isso, neste momento, os jornalistas na imprensa livre e verdadeiramente independente (como PRAVDA.Ru) têm de trabalhar horas extraordinárias para corrigir as mentiras descaradas apresentadas por pessoas como George Bush e os seus lacaios e sicofantas que se atrevem a rotular-se de “comunicação social imparcial”.

No que diz respeito ao Kosovo, que foi o berço da nação sérvia, em 1389, não foi a culpa da Sérvia que cada albanesa sonhava em ir parir no outro lado da fronteira e procriar como coelhos, para que ao longo do tempo o equilíbrio da população ficasse a favor dos albaneses. Não foi culpa da Sérvia que os E.U.A. armou, auxiliou e treinou os terroristas da UÇK para perpetrar atrocidades contra civis sérvios até que o Slobodan Milosevic foi forçado a acabar com estes actos flagrantes de terrorismo internacional. (Os E.U.A. queixa-se da Al-Qaeda quando estava fazendo exatamente a mesma coisa nos Balcãs).

Portanto, o Kosovo não é um Estado independente e nunca será a menos que a Sérvia assim o decida. Sérvia é o único país que pode emitir juízos sobre o assunto no âmbito do direito internacional, que respeita a inviolabilidade das fronteiras. Tal como a Federação da Rússia afirmou na altura, qualquer novo vector no direito internacional que ia contra esse princípio, implicaria uma nova ordem jurídica, e isto teria repercussões em locais como Ossétia do Sul e Abcásia.

Uma nova ordem jurídica

O direito internacional não pode ter dois pesos e duas medidas, ou então se tiver, não podemos rotular o nosso mundo de “civilizado” ou “de direito”, pois não pode ser governado pela lei da selva, que é o que defende Washington. O que Moscou defende, e sempre tem defendido, é um mundo multipolar que respeita o primado do direito internacional, baseando todas as situações de gestão de crises na ONU e no seu Conselho de Segurança.

O que fez Washington no Iraque foi desrespeitar o direito internacional a atacar uma nação soberana baseado em puras mentiras, sem a necessária segunda resolução no âmbito da Carta das Nações Unidas. O que Washington fez com o Kosovo foi de traçar uma linha num mapa e declarar que uma parte de uma nação soberana, doravante, seria um estado independente (satélite). O que Washington faz no caso da Geórgia é ignorar o assassínio de 2,000 russos pelas forças do seu querido aliado, Saakashvili e depois aplicar dois pesos e duas medidas, dizendo que a integridade territorial da Geórgia é sagrada. E então a da Sérvia? Como pode Washington ter razão nos dois casos antagónicos?

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular