Pravda.ru

Mundo

A influência do pensamento russo na economia mundial

25.10.2009
 
Pages: 1234567

Ainda segundo LEONTIEF, “Estimativas sobre o produto nacional bruto, o consumo total, a renda per capita, a taxa de investimento e índices semelhantes da atividade econômica são hoje em dia compiladas e publicadas praticamente por todos os países. Tais números dão uma expressão quantitativa para o fato evidente de que alguns países são ricos e outros pobres. Quando se calculam esses números baseando-se em um passando recente, eles indicam que a separação entre os ricos e os pobres está aumentando” (p. 29).

LEONTIEF, agraciado com o Prêmio Nobel, a maior láurea que pode ser conseguida por um economista, cita o maior economista do Brasil, o paraibano Celso Furtado (1920-2004), “Em seu artigo ‘O Desenvolvimento do Brasil’, publicado na Scientific American de setembro de 1963, Celso Furtado menciona a escassez de carvão nesse país e fala da necessidade de uma nova tecnologia para extrair o ferro das abundantes minas locais. Deixando de lado o mérito intrínseco de tais propostas, o fato é que a escolha de tecnologias alternativas quase não existe. O processo de desenvolvimento consiste essencialmente na instalação e construção de um sistema que se aproxime daquele existente nas economias avançadas dos Estados Unidos, da Europa ocidental, e, mais recentemente, da União Soviética – com o devido desconto para as limitações impostas pela mistura local de recursos e possibilidade de tecnologia para explorá-los” (1988 p.33-34).

11. O mais velho ganhador de um Prêmio Nobel de Economia foi o economista Leonid Leo HURWICZ (nascido em Moscou, na Rússia, em 1917 e naturalizado norte-americano), aos 90 anos. HURWICZ e outros dois economistas norte-americanos Eric MASKIN e Roger MYERSON , foram laureados com o Prêmio Nobel em 2007, por terem criado as bases da teoria do desenho de mecanismos, uma teoria que permite distinguir as situações em que os mercados funcionam bem daquelas em que isso não acontece, sendo esta considerada uma teoria essencial para diversas ciências sociais.

HURWICZ escreve livros de Economia desde 1944. Destacamos a obra intitulada em inglês On Allocations Attainable through Nash Equilibria, publicada em 1979.

12. Mikhail Serguéievich GORBACHEV (1931-) foi o grande responsável pelas transformações da ex-URSS. GORBACHEV estudou Direito na Universidade de Moscou e completou os estudos no Instituto Agrícola como economista-agrônomo. Em novembro de 1987, o último secretário-geral do Comitê Central do PCUS (Partido Comunista da União Soviética), Mikhail GORBACHEV, publicou um livro que mudou a história da economia mundial, PERESTROIKA: novas ideias para o meu país e o mundo.

Logo no início do livro, ele diz: “Eu o escrevi porque acredito no bom senso das pessoas. Tenho certeza de que, como eu, elas se preocupam com o futuro de nosso planeta. Esta é a questão mais importante de todas” (1988, p.7).

Prossegue, logo adiante: “A URSS está vivendo um período realmente dramático. O Partido Comunista fez uma análise crítica da situação em meados dos anos 80 e formulou sua política da perestroika ou reestruturação – uma política de aceleração do progresso social e econômico do país e de renovação de todas as esferas da vida. [...] É claro que precisamos de condições externas normais para nosso progresso interno. Mas queremos um mundo livre da guerra, sem corrida armamentista, sem armas nucleares e violência, não somente porque isto constitui a condição ideal para nosso desenvolvimento nacional: é uma exigência objetiva global que nasce da realidade dos tempos atuais” (pp. 8 -10).

Na sequência, referindo-se aos ideais da Revolução, afirma: “As obras de Lênin e seus ideais socialistas permaneceram conosco como fonte inesgotável de pensamento dialético criativo, riqueza teórica e sagacidade política. Sua própria imagem constitui um exemplo imortal de força moral grandiosa, cultura espiritual versátil e devoção desprendida à causa popular e ao socialismo. Lênin continua a viver nas mentes e corações de milhões de pessoas” (p.25).

Em seguida, reforça: “Sempre gostei da famosa fórmula sugerida por Lênin: o socialismo é a criatividade viva das massas” (p.29).

Explicando as duas iniciativas que se transformaram numa espécie de “marca registrada” de seu governo, diz GORBACHEV: “Perestroika significa iniciativa de massa: é o total desenvolvimento da democracia, autogestão socialista, encorajamento da iniciativa e empenho criativo, disciplina e ordem melhoradas, mais glasnost, críticas e autocríticas em todos os campos de nossa sociedade” (p.36).

Bem mais adiante, expõe: “Marx, Engels e Lênin, que deram forma teórica aos princípios sobre os quais se ergue o conceito de socialismo, não procuram apresentar um quadro detalhado sobre como seria a sociedade do futuro. Coisa que, além do mais, seria impossível. Esse quadro se foi delineado e ainda está em processo de definição, como resultado do trabalho revolucionário criativo de todos os Estados socialistas” (p.191).

No socialismo, sempre é bom lembrar, os meios de produção pertencem ao Estado. A economia é planejada e comandada pelo Estado, que controla os setores de produção. O Estado decide “o que”, “como” e “quanto” produzir. Não há a lei da oferta e da procura. Gorbachev renuncia em 25/12/1991 e a URSS deixa de existir em dezembro de 1991.

Pages: 1234567

Loading. Please wait...

Fotos popular