Pravda.ru

Mundo

Retomado julgamento do Grupo Gdeim Izik, em Salé (Rabat)

25.01.2017
 
Retomado julgamento do Grupo Gdeim Izik, em Salé (Rabat). 25897.jpeg

Retomado julgamento do Grupo Gdeim Izik, em Salé (Rabat)

Hoje 23 de janeiro reiniciou-se o julgamento civil do grupo de Gdeim Izik, no tribunal de primeira instância de Sale (Rabat), que havia sido suspenso a 26 de dezembro.

Os prisioneiros entraram na sala gritando slogans em árabe e espanhol exigindo o direito do povo saharaui à autodeterminação e que estão a ser julgados por serem activistas de defesa dos direitos humanos.

No julgamento participaram mais de 40 observadores internacionais, dos quais 33 foram credenciados pela Fundación Sahara Occidental. Os observadores vêm de diferentes países, como a Noruega, Dinamarca, Holanda, República Checa, Irão, Lituânia, Irlanda, Itália, Portugal, Espanha e Sahara Ocidental. Também assisitram como observadores, representantes das embaixadas da Noruega, Suíça e da União Europeia.

O julgamento teve uma grande presença da comunicação social, incluindo cinco meios espanhóis, entre eles o jornal El País.

Foi permitida a entrada a apenas um membro da família de cada prisioneiro.

A situação dos prisioneiros durante o julgamento continua a ser a mesma que a 26 de dezembro, estando os acusados de ter dentro de uma caixa de vidro a partir da qual eles não podem ouvir o que é dito.

Também para os observadores, tem sido muito difícil seguir o julgamento, porque o sistema de tradução tem sido caótico, difícil distinguir quem estava a falar em todos os momentos.

O julgamento começou, logo após às dez horas, com discussões sobre procedimento, discussões que continuaram as iniciadas a 26de Dezembro, e a identificação dos prisioneiros que foram chamados um por um, com exceção de Mohamed Ayubi, que por causa do seu delicado estado de saúde não foi levado a tribunal.

A defesa pediu que o julgamento fosse adiado até que se possa assegurar a presença de Mohamed Ayubi, o procurador-geral recusou alegando que o processo deve ser separado dos outros presos e depois de discussões exaltadas o tribunal decidiu que Mohamed Ayoub deve ser julgado a 13 de março.

Também houve uma queixa apresentada pela defesa, que incorporou dois novos advogados, que não foram autorizados a visitar os presos não podendo assim entrar em contato com os seus clientes e preparar a sua defesa em conformidade. Este protesto foi rejeitado pelo juiz presidente, que disse que a partir daquele momento o julgamento estava suspenso e retomado amanhã, às 10 horas, e que isso seria tempo suficiente para preparar a defesa.

Vários dos prisioneiros tomaram notas em cadernos até que o juiz e o procurador-geral decidiram retirar os blocos de notas e canetas, o que causou um tumulto, porque alguns dos prisioneiros se recusaram a entrar na sala se fossem impedidos de tomar notas do seu próprio processo.

Os prisioneiros foram levados das suas celas às quatro da manhã para o tribunal, onde eles esperaram ao frio até ao inicio do julgamento. O julgamento terminou após as 18 horas com várias interrupções, e uma pausa para o almoço.

Fora do tribunal os saharauis fizeram uma concentração em apoio aos prisioneiros e exigindo a sua libertação imediata. Na frente deles grupos marroquinos foram organizados e pagos pelo governo marroquino, que ameaçaram , e insultaram os saharauis que se manifestavsm de forma pacifica em apoio ao grupo de Gdeim Izik.

Dentro do salão, havia mais de 60 agentes de polícia marroquina, alguns de uniforme e outros em roupas civis, o que causou que não houvesse praticamente nenhum espaço para os observadores.

in

 


Loading. Please wait...

Fotos popular