Pravda.ru

Mundo

Satanás ao largo na África

23.12.2009
 
Satanás ao largo na África

Desde o massacre de Natal de 2008, o Exército de Libertação do Senhor causou centenas de milhares de vítimas em quatro Estados africanos. Seu líder, Joseph Kony, escapa captura desde os anos 80, quando seu movimento lançou uma onda de assassinato, estupro, tortura e seqüestro, que devastou uma região inteira.


Mutilações, torturas, estupros, sequestros. Pessoas cortadas com catanas, estripados, desventrados. Meninas forçadas à escravidão sexual. Bebês com as pernas cortadas. Seios das mulheres cortadas antes ou depois de serem violadas e deixadas para morrer. Esta é a realidade em uma vasta área que abrange Uganda, Sudão do Sul, República Central Africana e o Norte da República Democrática do Congo, onde passado dia de Natal 477 civis foram cortados em pedaços e milhares foram raptados, os meninos (tão jovens quanto cinco anos) forçados a ser criança- soldados e as meninas foram forçadas a se tornar escravas sexuais.


Desde então, a ONU revelou, o Exército de Libertação do Senhor (Lord's Resistance Army) tem abatidos cerca de 1.300 civis, incluindo mulheres e crianças, raptou 1400 e causou mais de 300.000 pessoas a abandonarem suas casas. Os relatórios conjuntos do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a Missão da ONU na RDC e à Missão da ONU no Sudão falam de "constante brutalidade deliberada e flagrante", perpetrados em horríficos ataques em que as armas favorecidas são catanas, facas, espadas e enxadas.


Testemunhos relatados incluem ataques contra os bebês: "Os atacantes do ELS escolhem alvos civis, matando muitos e provocando ferimentos graves sem levar em conta sexo, idade ou etnia. Mesmo os bebês foram mortos ". Vilas inteiras foram destruídas, fomentando devastação humanitária e económica na região: 230.000 deslocados na RD Congo, 38.000 PD no Sul do Sudão e 17.000 na República Centro-Africano, em menos de um ano.
O Relatório da ONU apela ao governo regional para tornar os recursos disponíveis para combater este flagelo e trazer os responsáveis perante a o Tribunal Penal Internacional, que emitiu mandados de prisão por 33 acusações de crimes contra a humanidade e crimes de guerra contra o LRA Comandante-em-Chefe, Joseph Kony, e outros oficiais superiores.

O LRA originou em 1986 como um movimento de resistência com base no povo Acholi contra o Governo do Uganda. Foi conduzido por Alice Lakwena que afirmou que ela era uma profeta que levaria o povo Acholi para a vitória no Uganda contra o presidente Museveni, usando seus poderes tradicionais da bruxaria e espiritismo. Joseph Kony, seu sobrinho, ganhou crescente influência no seio do movimento enquanto Lakwena distanciou-se dele, dizendo que ele havia se tornado possuído por um espírito maligno. Ele se tornou o líder supremo do movimento em 1997, quando Alice Lakwena foi derrotada na batalha pelas forças do Governo e fugiu para o Quênia.


Kony afirma que o porta-voz de Deus, que recebe as mensagens do Espírito Santo e acredita em uma teocracia baseada nos Dez Mandamentos e os costumes Acholi.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular