Pravda.ru

Mundo

ONU alerta: A contaminação pelo HIV cresce en todo o mundo

21.11.2006
 
ONU alerta: A contaminação pelo HIV cresce en todo o mundo

 Um relatório publicado pela ONU na terça-feira  alerta  que  contaminação pelo HIV cresce em todas as regiões do mundo.

Há 39,5 milhões de adultos e crianças contaminados no mundo, e o maior crescimento é registrado no leste da Ásia e na região compreendida por Leste Europeu e Ásia Central, devido à falta de sexo seguro e o uso de drogas injetáveis, de acordo com a Unaids, programa da ONU encarregado do combate à Aids, e a Organização Mundial da Saúde.

A África subsaariana ainda é a região mais afetada pelo HIV, com 24,7 milhões de soropositivos (dois terços do total mundial), segundo o relatório.

"Nos últimos dois anos, o número de pessoas vivendo com o HIV cresceu em todas as regiões do mundo", disse o relatório, que priorizou comparações com os dados ajustados de 2004, e não de 2005, devido a mudanças metodológicas e de dados.


Na China,  onde o vírus está gradualmente passando dos grupos de risco para a população como um todo, o uso de drogas responde por cerca de metade dos 650 mil casos registrados, e a epidemia já atinge "proporções alarmantes", disseram as agências no seu relatório anual conjunto.
"Com o HIV passando gradualmente das populações mais sob risco para a população da China em geral, o número de infecções por HIV em mulheres cresce também," disse o relatório.
Das 2,9 milhões de mortes provocadas pela Aids no ano passado, 2,1 milhões ocorreram na África, epicentro da epidemia iniciada há 25 anos.


Cerca de 4,3 milhões de pessoas foram contaminadas neste ano no mundo todo, sendo a maior concentração entre jovens. A África registrou 2,8 milhões de novos casos.
Alguns países, como Uganda, estão voltando a enfrentar um crescimento da epidemia, depois de conseguir reduzi-la, segundo o relatório.

"Isso é preocupante -- como sabemos, a ampliação dos programas de prevenção ao HIV nesses países haviam demonstrado progressos no passado, sendo Uganda um ótimo exemplo", disse Peter Piot, diretor-executivo da Unaids. "Precisamos intensificar enormemente os esforços de prevenção para salvar vidas, ao mesmo tempo em que ampliamos os programas de tratamento ao HIV."
O relatório cita "evidências de diminuição ou de difusão estável do HIV na maioria dos países da África Oriental e da África Ocidental", embora haja crescimento em Moçambique, África do Sul e Suazilândia.

Sem trégua

"Um terço de todas as pessoas com HIV no mundo vive no sul da África, e 34 por cento de todas as mortes por Aids em 2006 ocorreram ali", diz o relatório.
Na África do Sul, onde há cerca de 5,5 milhões de soropositivos, a epidemia continua sem dar trégua, sugerindo que a prevalência da doença ainda não atingiu seu patamar máximo, segundo o texto.


Mas mesmo a estabilidade da epidemia em alguns países mascara as altas taxas de novas infecções e mortes por Aids. É o caso do Lesoto, onde um em cada quatro adultos tem a doença.
No Zimbábue, a expectativa de vidas as mulheres é de apenas 34 anos, uma das mais baixas do mundo, enquanto para os homens é de 37 anos.


Na Ásia, cerca de 8,6 milhões de pessoas vivem com o HIV, aumento de quase 1 milhão, e 630 mil pessoas morreram devido a consequências da Aids na região neste ano.
A Índia, onde a epidemia parece estar estável ou em retração em algumas regiões, enquanto cresce modestamente em outras, tem 5,7 milhões de soropositivos, casos em geral decorrentes da atividade heterossexual.


Sobre a China, onde a epidemia começou por áreas rurais, o relatório cita preocupações de que o grande número de migrantes do país (120 a 150 milhões) possa espalhar o vírus ainda mais.
"Surtos de HIV entre homens que fazem sexo com homens estão agora se tornando evidentes em Camboja, China, Índia, Nepal, Paquistão, Tailândia e Vietnã", segundo o relatório.
O texto afirma que poucos programas nacionais de combate à Aids tratam adequadamente da possibilidade de contágio por sexo entre dois homens.

As epidemias no Leste Europeu e na Ásia Central, que começaram posteriormente, continuam crescendo, especialmente na Ucrânia, que tem a maior prevalência da doença na Europa, cerca de 1,5 por cento.

Na Rússia, onde há cerca de 940 mil soropositivos, 80 por cento dos quais com menos de 30 anos, o uso de drogas é o principal fator da difusão.

Na América Latina, dois terços dos estimados 1,7 milhão de soropositivos vivem nos quatro maiores países da região -- Brasil, México, Colômbia e Argentina. Nos Estados Unidos, havia em 2005 cerca de 1,2 milhão de soropositivos.

 Reuters


Loading. Please wait...

Fotos popular