Pravda.ru

Mundo

Sentença do grupo Gdeim Izik espelho do Tribunal Militar

21.07.2017
 

 

Sentença do grupo Gdeim Izik espelho do Tribunal Militar. 26970.jpeg

Sentença do grupo Gdeim Izik espelho do Tribunal Militar

Hoje 19 de Julho, após 19horas do inicio da sétima sessão do julgamento dos activistas saharauis conhecidos como Grupo de Gdeim Izik, o painel de juízes anunciou sentenças praticamente idênticas às emitidas pelo Tribunal Militar, com penas de 20 anos a prisão perpétua, dois dos acusados foram libertados hoje de manhã às 10h07, Deich Daff e El Laarabi Bakay que viram as suas sentenças reduzidas ao tempo de prisão cumprido, 6 anos e 6 meses e 4 anos e 6 meses respectivamente.

Este caso foi enviado pelo Tribunal Supremo para o tribunal civil, após a anulação da sentença do Tribunal Militar emitida em 2013. O painel de juízes emitiu a sentença sem mencionar as questões colocadas pelo Tribunal Supremo.

Dos 24 acusados, 3 estão em liberdade com pena cumprida; Aberrahman Zeyou e El Machdoufi Taki, que forma postos em liberdade em 2013 e El Laarabi Bakay e Deich Daf que foram libertados hoje.

Mohamed Ayoubi não foi ainda condenado, uma vez que o seu caso foi separado do resto do grupo e o seu julgamento iniciará a 22 de Setembro de 2017.

Neste julgamento não foi possível provar qualquer acção criminosa por parte dos acusados, nem nenhuma das provas apresentadas tinha relevância para estabelecer causa - efeito , nem relação entre os acusados e supostos crimes.

Uma vez mais Marrocos fez ouvidos moucos às recomendações internacionais, e o tribunal ignorou também as questões apresentadas pelo tribunal supremo de Marrocos.

Resta agora recorrer novamente, e exercer pressão a nivel internacional para a libertação deste grupo cujo único "delito" é defender o direito à autodeterminação do Sahara Ocidental de forma não violenta e de acordo com o estabelecido pelas Nações Unidas, União Africana e diversos organismos internacionais.

Enquanto a questão do Sahara Ocidental não for colocada na mesa das Nações Unidas como um caso prioritário e com o fim de descolonização imediata através da aplicação da resoluções aprovadas nas últimas 4 décadas, Marrocos continuará a massacrar o povo saharaui até que consigo alcançar o seu objectivo de legitimar a ocupação ilegal perante a comunidade internacional, um crime que só será possível com a cumplicidade e silêncio da mesma.

O povo saharaui não se abdicará jamais do seu país como ficou claro durante os 7 meses de julgamento durante os quais no coração de Marrocos, os familiares, amigos, activistas e população saharauis que se deslocou mais de 1000km desde os territórios ocupados, se manifestou baixo ameaças e ataques físicos e verbais em frente ao tribunal apoiando o grupo de Gdeim Izik e através dele todos os presos políticos.

Sentenças

Prisão perpétua:

Sidi Abdallahi Abhaha
El Bachir Boutanguiza
Mohamed Bani
Abdeljalil Laaroussi
Abdallahi Lakwfauni
Ahmed Sbaai
Sidahmed Lemjeyid
Brahim Ismaili

30 anos:

Naama Asfari
Cheik Banga
Mohamed Bourial

25 anos:

Mohamed Lefkir
Moahmed Lamin Haddi
Hassan Dah
Mohamed Khouna Babeit
Houcein Zawi

20 anos:

El Bachir Khadda
Mohamed Tahlil
Abdallahi Toubali

6 anos e meio (em liberdade com sentença cumprida)

Deich Daff

4 anos e meio (em liberdade com sentença cumprida)

El Laraabi Bakay

2 anos e meio (em liberdade com sentença cumprida)

Abderrahman Zeyou
El Machdoufi Tak

Com julgamento agendado para 22 de Setembro

Mohamed Ayoubi

Quarta, 19 de Julho de 2017 por porunsaharalibre.org

 


Loading. Please wait...

Fotos popular