Pravda.ru

Mundo

A Palestina Brasileira: Arte de viver e resistir

21.06.2020
 
A Palestina Brasileira: Arte de viver e resistir. 33459.jpeg

A Palestina Brasileira: Arte de viver e resistir

 

 

 

Um documentário filmado no Sul do Brasil e na Cisjordânia ocupada, apresenta relatos, raízes e memórias de famílias palestinas expulsas de sua terra original por Israel.

 

Por Jenny González Muñoz*, para Segundo Paso, de Caracas, Venezuela

 

Omar L. de Barros Filho é um cineasta, jornalista e editor brasileiro. Ele dirigiu, junto com Marcos Faerman, o jornal alternativo "Versus", e trabalhou em outras publicações em cidades como Porto Alegre, São Paulo e na América Latina. Recebeu prêmios relevantes como o Vladimir Herzog de Direitos Humanos, pela reportagem "Carta de un Torturado ao Presidente Geisel" (publicada em "Versus"). Na área da cinematografia dirigiu "AdYós, General" ( filmado em 16 mm), premiado no Rio Cine Festival e apresentado como hors-concours no Festival de Gramado, no Brasil. Escreveu e dirigiu "Viva a Morte", também premiado no Festival de Gramado. Ambos os filmes pertencem à corrente crítica conhecida no Brasil como "Cinema de Invenção", que acolhe filmes que não obedecem aos cânones da cinematografia tradicional. Agora, Omar L. de Barros Filho é aclamado por seu documentário "A Palestina Brasileira", no qual mostra famílias palestinas que emigraram para o sul do Brasil, após serem expulsas a partir da criação de Israel em 1948. O filme apresenta como se desenvolvem as atuais relações dessa comunidade com sua terra original: os parentes e amigos que ficaram para trás, suas pungentes emoções e recordações. O pano de fundo dos relatos é a opressiva realidade do povo palestino, frente às contínuas agressões por parte do sionismo ocupante de seu território legítimo.

 

P- Quando e por que você começa a se preocupar pela causa palestina, o sofrimento do povo palestino, e depois denunciar através da arte?

  

R - A pergunta me faz recordar de minha militância socialista durante a ditadura militar no Brasil, nos anos 1970, em São Paulo, onde vivia. Durante nossas reuniões clandestinas sempre discutíamos as questões internacionais. O problema palestino era abordado com frequência. Na época, eu trabalhava como jornalista e editava o jornal "Versus", até hoje uma referência para quem pesquisa e estuda  o jornalismo no país. "Versus" era um periódico bastante original em sua proposta alternativa. Abordava, especialmente, a cultura e a política da América Latina. Quando a ditadura forçou o encerramento de suas atividades, "Versus" alcançava 30 mil exemplares de tiragem mensal. O escritor uruguaio Eduardo Galeano foi, por exemplo, nosso correspondente em seu exílio em Barcelona. O Brasil sempre foi um país fechado para a América Latina. "Versus" preconizava, a seu modo, a união latino-americana, tal como, um dia, Bolívar e Martí sonharam para o continente.

 

P- Bolívar e Martí, e antes Francisco de Miranda, falaram da integração latino-americana. Da necessidade da América de se unir, entre outras razões, para conseguir sua emancipação, acabar com férreas ditaduras e ser uma grande terra livre, aquela Nuestra América de Martí. Como Omar de Barros Filho vê aspectos como emancipação, liberdade e integração na época contemporânea?

  

R- José Martí afirmava que "não há proa que corte uma nuvem de ideia. Uma ideia firme, acesa a tempo diante do mundo detém, como a bandeira mística do juízo final, uma esquadra de encouraçados. Os povos que não se conhecem hão de se apressar em conhecer-se, como os que vão lutar lado a lado." Emancipação, liberdade e integração são três conceitos que marcham juntos. Um não vive sem o outro, cada um é condição necessária para que o outro nasça e sobreviva.

 

Isso não acontecerá sem luta, nunca ocorreu fora do signo da tragédia. Martí, na frase citada antes, escrevia sobre a necessidade básica do conhecimento mútuo. Aqui entramos, então, no mundo da cultura, da comunicação, da literatura, do jornalismo e do cinema. E, em consequência, na discussão sobre o papel dos intelectuais, dos artistas e dos poetas que carregam com eles a bandeira da liberdade, a mesma do "juízo final" invocado pelo escritor e líder da independência  cubana. A construção da necessária unidade entre os países latino-americanos coloca-nos, hoje, cara a cara com o enfrentamento da dominação imperialista estadounidense, que fomenta o isolacionismo, o unilateralismo e lucra com nossa divisão. O que, por outro lado, obriga-nos à inegociável tarefa internacionalista pela implantação do socialismo, visto que sem ele nada e nenhum povo sobreviverá livre.

 

P- Você acha que  sua experiência como jornalista, como correspondente  de guerra em países como El Salvador, Guatemala, é uma vantagem para enxergar melhor a situação dos palestinos na Palestina, frente à situação dos palestinos no Brasil, e, desde ali, poder mostrá-la  aos públicos sob sua perspectiva artística e jornalística, com o seu documentário "A Palestina Brasileira"?

 

R - Claro. Para o indivíduo, assim como ocorre em sociedade, a vida é uma soma de experiências e recordações. Nossa jornada no mundo leva-nos a andar e a lembrar. Não há distâncias nem espinhos quando temos uma razão. Após o fechamento do jornal "Versus" pela ditadura, fui trabalhar fora do Brasil. Vivi em Bogotá, no México e em La Paz. Acompanhei de perto o governo sandinista, as lutas das guerrilhas em El Salvador e na Guatemala e, depois, um golpe militar na Bolívia. Trabalhei para publicações latino-americanas e em uma revista francesa. Ajudei a editar um jornal socialista na Costa Rica. Escrevi  livros e dezenas de reportagens. Minha vida, então, esteve sob risco muitas vezes.

 

Foi em El Salvador que decidi aprender a trabalhar com o cinema. Retornei ao Brasil para enfrentar um longo período de aprendizado.

Criara uma espécie de casca dura, um escudo, um sentido que me protegia do medo nas situações limites e que me empurrava para a frente. O mesmo ocorreu na Palestina, recentemente, durante as filmagens do documentário que escrevi e dirigi. Israel é, sim, uma presença ameaçadora para a paz no Oriente Médio e para o mundo. O sionismo é um vírus muito mais perigoso e mortal do que o H1N1 ou o Covid-19.

 

P- Como é filmar na Palestina?

 

R - Difícil e perigoso. Lastreado em minha experiência, orientei a produtora Cena Um e a equipe do produtor Caco Schmitt sobre os riscos que enfrentaríamos durante as duas semanas previstas para as filmagens na Palestina. Fizemos contatos prévios com as autoridades israelenses e do Brasil, e informamos com antecedência sobre nossa viagem. Portamos conosco cartas de apresentação da TV brasileira que, então, era nossa parceira no projeto. Buscávamos, assim, comprometer as autoridades públicas dos dois países com a nossa segurança, e evitar, em qualquer caso, que dissessem que éramos clandestinos e que desconheciam nossas atividades em território palestino.

 

Não conseguimos, infelizmente, entrar em Gaza sob cerco. Limitamos, portanto, nossas ações à Cisjordânia ocupada. Algumas poucas pessoas, por medo de represálias, recusaram-se a filmar. A maior parte colaborou e abriu seu coração. Por precaução, filmamos, primeiro, as sequências brasileiras do projeto, toda realizada no sul do Brasil, garantindo, assim, cerca de 50% do roteiro. Concluída a etapa, viajamos para enfrentar o monstro israelense, que cedo mostrou suas garras.

 

P- De fato, vocês, como equipe, relatam a amarga experiência na Cisjordânia, em Jerusalém e em Ramallah. Entendo que sofreram com a violência das  forças israelenses durante as filmagens das cenas do documentário "A Palestina Brasileira". Pode me falar mais sobre isso? 

 

R - O resultado não foi diferente do que eu previa. Apesar de todos os cuidados, fomos detidos por policiais de Israel no  interior do histórico mercado  de Jerusalém, e depois fomos impedidos pelos israelenses de documentar  uma cerimônia religiosa na mesquita de Al Aqsa. Na madrugada seguinte, sofremos uma violenta invasão, detenção e depredação do hotel no qual estávamos hospedados em Ramallah, a atual capital administrativa da Palestina. Naquela noite, contei mais de 40 militares e policiais de Israel fortemente armados. As tropas invadiram o hotel, arrombaram as portas de nossos apartamentos, reviraram as bagagens e quebraram as paredes. Durante o ataque, usaram marretas, motosserras e até cães farejadores. Roubaram o dinheiro do caixa do hotel, os telefones celulares dos funcionários e as câmeras de segurança do lugar. A equipe ficou confinada no lobby do hotel, assim como os empregados.

 

Quando os israelenses se retiraram, sem nada encontrar, ainda jogaram bombas contra os palestinos que estavam na rua a observar. Esta ação integra o filme, graças à TV Palestina e ao corajoso repórter Ali Dar Ali,que documentou tudo, a partir do momento em que as tropas entraram em Ramallah. Meses mais tarde, li na web que Ali Dar Ali havia sido preso por militares israelenses durante a realização de uma reportagem. Ficou detido cerca de 90 dias.

 

Horas depois do evento no hotel, no aeroporto Ben Gurion, quando tratávamos de retornar ao Brasil, a segurança israelense confiscou uma das duas câmeras da produção. A câmera nunca mais foi devolvida. Mesmo assim, todas as cenas gravadas foram salvas por um palestino-brasileiro que saiu do país pela Jordânia, levando com ele os arquivos de imagens em sua roupa na mala.

 

P- Desde essa experiência, eu me pergunto, onde estão os organismos internacionais frente a situações como essa vivida por vocês? Quer dizer, violências e ataques aos direitos humanos e direitos de expressão. Vocês estavam ali como artistas, e não foi apenas uma "noite de terror na Palestina", é um terror perene. Vocês foram agredidos pelos israelenses, estiveram em perigo de morrer e até foram roubados por eles. E que aconteceu? Os culpados foram punidos? Por que o silêncio das organizações internacionais frente a situações como essas e a da Palestina mesma?

  

R - A ONU atravessa, atualmente, uma profunda crise de identidade, frustrando àqueles que depositam nela alguma esperanças na capacidade da instituição de intervir e resolver conflitos. Na realidade, a ONU carrega a culpa, desde 1947, de promover a partilha da Palestina, e, em 1948, ceder novamente ao sionismo, ao não colocar obstáculos à fundação do Estado de Israel sobre as terras palestinas. O passo seguinte foi o da limpeza étnica, o massacre, a expulsão de milhares de palestinos, o confisco e a pilhagem de seus bens. A ONU limitou-se a aprovar, em dezembro de 1948, a Resolução 194, que assegurava aos palestinos o direito de retornar, o que Israel descumpre até hoje. E, depois, a instalar 58 campos de refugiados sob sua responsabilidade. Assim, é possível perceber, como é estreita a margem de manobra da ONU e das organizações não governamentais (ONG's) que atuam na Palestina. Não é possível acreditar que alguém seria punido pelo ataque ao hotel onde estávamos hospedados. São operações militares "anti-terroristas" que ocorrem todos os dias, infernizando o cotidiano dos palestinos que teimam em permanecer na Cisjordânia ou em Gaza.

 

P- Com certeza o trabalho de movimentos pela libertação da Palestina no Brasil com um governo pró-sionista fica mais difícil. Quais você acha que deveriam ser a estratégias de informação e sensibilização social sobre, não apenas o holocausto contemporâneo palestino, mas também de outros povos como o saharaui, por exemplo, tão esquecido e invisibilizado?

 

R- Não me atrevo a dizer o que os palestinos devem fazer para se libertar do jugo israelense. O que, sim, posso expressar é o meu desejo de que os palestinos e seus descendentes que vivem no exterior (e são milhões) não interrompam a corrente de solidariedade que os unem aos que vivem sob a opressão israelense. Aos não palestinos, como eu, conclamo a que participem ativamente das jornadas solidárias nas ruas e nas redes sociais, denunciando, de modo permanente, os crimes de Israel, o apartheid, o projeto colonial e sua aliança espúria com o imperialismo estadounidense. Há, também, uma interessante alternativa conhecida pela sigla em inglês BDS - Boicote, Desinvestimento e Sanções -, um movimento que pressiona Israel e empresas a respeitar o direito internacional no que se refere à Palestina. A mesma atitude em relação à luta pela independência do povo saharaui, oprimido pelo Marrocos e pela Espanha.

 

P- "A Palestina Brasileira" tem sido selecionado e apresentado em vários festivais e mostras de cinema brasileiras e internacionais. Qual acha você que seja o principal elemento ou aspecto, do documentário para ser objeto de tantas atenções? E nesse sentido, tem sido alvo de alguma rejeição ou censura em algum médio?

  

R - Ao realizar o filme, meu objetivo era registrar a existência quase desconhecida de famílias palestinas firmemente enraizadas no sul do Brasil, depois de expulsas por Israel de sua terra original. Os personagens do documentário personificam a Nakba, a tragédia, o desastre com suas vozes e rostos. Na Palestina, procurávamos identificar, 70 anos depois, o que restara de suas raízes, de seu passado, de suas histórias, recordações, seus amigos e parentes que ficaram para trás. Em resumo, "A Palestina Brasileira" é um filme sobre as vítimas do processo cruel que envolveu o povo palestino e sua diáspora. Não é, em definitivo, um filme sobre os carrascos.

 

Sendo assim, dificuldades surgiram durante todo o trajeto. Por força de contrato, a TV a cabo brasileira que co-produziu o projeto, ao analisar o primeiro corte do filme, criou inúmeros problemas por discordar de seu conteúdo. E ameaçou não colocar o filme no ar. Para tanto, contratou um especialista em política do Oriente Médio para tentar identificar alguma impropriedade na informação, o que atrasou a finalização do documentário. A direção da TV, pró-Israel, tentou censurar o filme. Ao não conseguir alcançar seu objetivo, graças ao trabalho do produtor Caco Schmitt, da Cena Um Produções, a TV pediu, então, que seu nome fosse retirado dos créditos, o que fizemos com imenso prazer. O documentário foi ao ar no Brasil, em janeiro de 2018, por força contratual.

 

A seguir, durante o circuito dos festivais, dois outros problemas foram identificados, um no Brasil e outro na Etiópia. Em São Paulo, fui convidado a apresentar e palestrar sobre o filme em um festival de cinema "independente". Antes do festival iniciar, soube, por uma jornalista, que o documentário "A Palestina Brasileira" fora proibido de integrar a programação pelo patrocinador do evento, uma grande empresa pública que abriga sionistas em sua direção. Algo semelhante ocorreu em Addis Abeba. Embora selecionado meses antes pelo júri, o filme "A Palestina Brasileira" acabou afastado do festival, possivelmente por interferência da embaixada brasileira na Etiópia. O Brasil estava, então, sob o governo pró-sionista e patético de Jair Bolsonaro.

 

Já em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, a sessão de estreia de "A Palestina Brasileira" na Cinemateca Capitólio, acolheu, entre os espectadores, um grupo de cerca de dez jovens judeus. Observei que à medida que o filme se desenrolava, pouco a pouco os jovens deixavam a sala de projeção. Apenas dois assistiram ao filme até o final. Ao deixar a cinemateca, ambos me cumprimentaram pelo trabalho e manifestaram sua simpatia pela causa palestina.

 

P- Qual é o impacto que tem tido "A Palestina Brasileira" tanto junto aos palestinos quanto no público geral? Tenho entendido que quando você é convidado por instituições culturais, universidades etc. para apresentar o documentário você faz um cine-foro, ou seja, não é apenas a projeção do filme, mas também uma fala que leva à reflexão. Pode nos falar um pouco disso?

 

R - Não é exagero de minha parte afirmar que o documentário despertou um forte sentimento positivo da comunidade palestina no Brasil, assim como entre o público brasileiro. Após a estreia do filme na TV,  viajei muito para apresentar o trabalho em diferentes cidades onde vivem os palestinos-brasileiros e seus descendentes, principalmente no Estado do Rio Grande do Sul. Depois de cada uma das sessões especiais, durante as palestras que fiz, percebi uma forte identificação com o filme. Muitas pessoas choravam, outras pessoas manifestavam em voz alta sua indignação com Israel e sua política injusta de proibição de seu retorno à Palestina. O filme criou, sim, fortes laços com o público, o que superou minhas expectativas. Do mesmo modo vem ocorrendo em outros países, tais como na Argentina, no México, na Inglaterra, na Alemanha, em Portugal e na Espanha, onde o filme foi apresentado até o momento. A pandemia provocou o cancelamento de um festival na Sardenha, Itália, e em Moscou. O documentário estava selecionado para ambos. Ainda há, portanto, muitos caminhos a trilhar e muitos públicos a conquistar. Neste sentido, tratamos de dotar o filme, que é falado em português e árabe, com subtítulos em espanhol, inglês, francês e italiano. A versão em árabe está em preparação.

 

P- Nestes tempos de grande manipulação mediática constantemente estamos frente à minimização dos povos não hegemônicos, como os árabes ou persas. Estes, cada dia mais, são alvo de atitudes discriminatórias raciais ou religiosas, em meios como o cinema, tv, jornais, que promovem, assim, a  islamofobia.

 

R - A manipulação da mídia é um fato que ocorre cotidianamente em todo o mundo. Em geral, resulta da concentração dos meios de comunicação nas mãos de poucas famílias e de empresários servis aos poderes estatais, que tratam de defender apenas seus interesses econômicos, sua ganância, o lucro, sem levar em conta os legítimos anseios das populações. Penso que, hoje, vivemos uma etapa de grande retrocesso no que se refere aos direitos básicos dos trabalhadores e desempregados, à sua liberdade de expressão e autodeterminação.

 

Em agonia, o imperialismo estadounidense ataca sem piedade, provoca guerras, crises econômicas, fome e destruição do ambiente em que vivemos, gerando milhões de miseráveis e de refugiados que abandonam suas casas em busca de uma vida melhor. A atitude dos Estados Unidos mostra sua própria fragilidade. Há algumas décadas, o PIB dos Estados Unidos representava cerca de 50 por cento do PIB mundial. Hoje, não passa de um sexto.

 

A islamofobia é mais um exemplo claro dessa situação. Li, recentemente, o resultado de uma pesquisa realizada na Alemanha, na qual surge o temor contra o Islã como o indicador mais presente na consciência dos cidadãos daquele país.

 

Em contraposição, incluí no filme a emblemática história de um palestino-brasileiro cristão, proprietário de uma rádio e de um jornal na cidade de Livramento, que fica na fronteira do Brasil com o Uruguai. O jornal é impresso em português, espanhol e, muitas vezes, em árabe. No documentário, o personagem aparece em Belém, na Palestina, rezando na Igreja da Natividade, onde Jesus nasceu. Em seguida, apresento, do lado de fora do templo, uma manifestação política, na qual palestinos, em sua maioria muçulmanos, exigem de Israel a devolução dos corpos de seus mártires. É o apartheid israelense exibindo sua face mais cruel, o desrespeito aos mortos e às famílias enlutadas.

 

P- Antes de finalizar a entrevista queremos agradecer, prezado Omar de Barros Filho, pelo apoio e aporte à causa Palestina com seu documentário "A Palestina Brasileira". Uma última pergunta:  Qual mensagem você poderia enviar ao povo latino-americano para apoiar e promover a causa palestina?

  

R -  Digno de nossa solidariedade incondicional, o drama palestino é um fato que deve ser entendido como parte de uma agressão maior aos valores humanos mais profundos do povo árabe, mas não só. A destruição do Iraque, da Líbia, da Síria e do Iêmen, a ditadura militar no Egito e as ameaças ao Líbano integram um plano maquiavélico de ataque imperialista e colonialista às liberdades e às riquezas naturais e culturais da região. O mesmo acontece com o Irã, empurrado contra a vontade para um conflito com os Estados Unidos, Israel e a OTAN.

 

Aqui, na América Latina, vê-se o mesmo fenômeno em Cuba e na Venezuela, sob permanente agressão e cerco político e econômico dos Estados Unidos, com o apoio da Colômbia e do Brasil, o que muito me envergonha como brasileiro.

 

Israel e seus aliados condenaram o povo palestino a um apartheid tão sórdido quanto o sofrido pelo povo negro da África do Sul, antes de Mandela. Israel considera a Palestina como uma mera extensão territorial. Os sionistas sentem-se como donos dos mares, dos rios, das águas subterrâneas, dos céus e das terras palestinas. Sustentam-se sobre um sistema que exibe mais de 500 leis anti-palestinas, uma injustiça que não deve prosseguir. A duras penas, os palestinos sobrevivem limitados por muros de concreto e cercas eletrificadas, vigiados por um complexo de segurança de carne e osso e eletrônico que tudo vê, espiona e agride a todos, dia e noite, sem dormir.

 

Para finalizar, lembro uma frase de Vincent Van Gogh, o maior de todos os pintores que, séculos antes do cinema existir, iluminou as telas do mundo com sua arte imortal. Disse-nos Van Gogh: "La normalidad es un camino pavimentado: es comodo para caminar, pero no crecem flores en él."  A desalambrar, portanto.

 

 

* Entrevista realizada por Jenny González Muñoz, professora, investigadora e editora venezuelana. Criadora e impulsionadora, juntamente com a ativista Zahra Alí, do coletivo Mujeres Artistas por la Liberación de Palestina, com sede em Caracas, Venezuela. www.segundopaso.es

  

 

 


Fotos popular