Pravda.ru

Mundo

Afeganistão…vale a pena?

21.01.2010
 
Afeganistão…vale a pena?

Por quê a comunidade internacional deve gastar duzentos e cinquenta biliões de dólares do dinheiro dos seus contribuintes para executar a construção do Estado no Afeganistão quando o país já produz 40 vezes mais heroína do que há dez anos e quando as contas de corrupção atingem 2,5 bilhões de dólares anualmente, para que os funcionários, treinados pela OTAN, fiquem ricos?


Um relatório recente das Nações Unidas, "A corrupção no Afeganistão: corrupção comunicada pelas vítimas", publicado pelo UNODC (Gabinete das Nações Unidas contra Drogas e Crime) revela que para a grande maioria dos cidadãos do Afeganistão, o pior problema é a corrupção, e não insegurança, apesar do fato de que esta está se tornando pior a cada dia. O relatório foi baseado em uma pesquisa envolvendo 7.600 pessoas em 12 capitais provinciais e 1.600 aldeias.


No ano passado, os cidadãos do Afeganistão, pagaram 2,5 biliões de dólares em subornos às autoridades para garantir serviços básicos, que deveriam ser um direito. António Maria Costa, director executivo do UNODC, afirma no relatório "Os afegãos dizem que é impossível obter um serviço público sem pagar um suborno". Revelou que 50% dos afegãos tiveram que pagar algum tipo de suborno no período em questão.


O relatório revela que, na maioria dos casos, a propina foi pedida explicitamente pelo prestador do serviço e foi paga em dinheiro. Em um país onde o PIB per capita é de 425 dólares por ano, a propina média é de 160 dólares, ou 40% do PIB médio per capita nacional. No E.U.A., isso seria equivalente a 19.000 dólares.


Assim, Afeganistão vale mesmo a pena? De acordo com dados da ONU, as contas de corrupção somam quase tanto dinheiro quanto o comércio de ópio, 2,5 mil milhões de dólares, em comparação com 2,8 mil milhões. Aprodução de heroína aumentou 40 vezes na última década e no ano passado, estima-se que foi responsável por 90.000 mortes em todo o mundo.


Afeganistão realmente vale os 250.000.000.000 USD gastos até agora na estabilização do país e formação de funcionários públicos, quando 25 por cento dos afegãos afirmam que tiveram de pagar suborno para policiais e autoridades locais e até 20% outros tiveram de subornar um funcionário público ou membro sênior do sistema judicial?


Vale a pena gastar centenas de biliões de dólares e arriscar a vida dos soldados, quando a maior parte dos terroristas fugiram pela fronteira para o Paquistão e, quando a presença de soldados estrangeiros é um apelo aos afegãos leais para defender seu território, já que têm vindo a fazê-lo há centenas de anos?


É realmente a pena o esforço, quando mais da metade dos afegãos abrangidos no estudo afirmaram que a ajuda humanitária das ONGs presentes no país são corruptos e só estão envolvidas, de modo a ficarem ricos?


Quase dez anos depois de a OTAN invadir o Afeganistão, a situação de segurança é pior, a produção de heroína subiu rapidamente e apresenta uma ameaça para a comunidade internacional - 40 vezes maior do que antes da campanha, e para quê? Para que milhares de familiares de soldados nos estados membros da OTAN chorem pela perda dos seus entes queridos, para que os contribuintes dos países da OTAN paguem a factura dos 250 mil milhões de dólares (até à data) - de onde é que as pessoas pensam que o dinheiro veio? - e por um punhado de funcionários ficarem ricos à custa das pessoas que estão em uma situação ainda pior do que antes.


É verdade, o terrorismo internacional é um mal e um flagelo que deve ser combatido e derrotado. No entanto, embora tanto dinheiro e tantos recursos estão concentrados no Afeganistão, os controladores da Al-Qaeda estão operando em outros lugares.


Estamos lidando com covardes que têm medo de lutar e que usam o mentalmente diminuído para realizar o seu trabalho através de atentados suicidas. Se as coisas começam a ficar difíceis eles não vão ficar no Afeganistão.


Verdade, desistindo também não é a solução. A solução é algo que a União Soviética começou há décadas, uma política que foi sabotada pelo Ocidente no lançamento de grupos islâmicos fanáticos, anti-soviéticos, na Ásia Central, criando o problema, uma política que sai agora pela culatra. O monstro foi criado. A solução chama-se desenvolvimento.


Não se chama um grupo heterogêneo de bandidos corruptos e criminosos que sempre esteve à margem da sociedade afegã. A linha de fundo é, se você interferir em um país estrangeiro, acerte tudo desde o início, ou fique envolvido em um pesadelo sem fim que suga os recursos, a sua vontade e seca seu povo. A alternativa é uma política de desenvolvimento através de um programa de ajuda cuidadosamente estruturado e monitorado, apoiado, se necessário, com uma discreta presença militar e inteligência, de todos os tipos.


Timothy BANCROFT-HINCHEY

PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular