Pravda.ru

Mundo

Costa do Marfim: Forças leais a Gbagbo atiram contra patrulha da ONU

19.01.2011
 

Forças leais ao ex-presidente Laurent Gbagbo, da Costa do Marfim - que se recusa a demitir-se apesar da derrota eleitoral - abriram fogo contra soldados da paz das Nações Unidas em um novo ato de agressão ", segundo o enviado da ONU no terreno.

"A situação é muito, muito hostil, mas o nosso espírito permanece forte", disse YJ Choi, representante especial e chefe da Operação da ONU na Côte d'Ivoire (ONUCI), em entrevista coletiva em Nova York hoje (Terça) por meio de videoconferência, a partir de Abidjan, a capital comercial do país do Oeste Africano.

No último ataque, forças de paz da ONU estacionadas no hotel Pullman, em Abidjan, estavam esperando a chegada na noite passada do emissário da União Africana (UA), o primeiro-ministro do Quénia, Raila Odinga, que foi escoltado por uma patrulha da ONUCI, quando um grupo de os jovens do campo Gbagbo rodeou-os.

"Os elementos armados, que foram apoiá-los, abriram fogo na direção dos veículos UNOCI, obrigando as forças de paz a reagir atirando no ar," de acordo com a missão, que tem cerca de 9.000 soldados da paz.

Gbagbo tem se recusado a demitir-se apesar da vitória internacionalmente reconhecida do líder da oposição Alassane Ouattara nas eleições presidenciais de Novembro. As forças de paz da ONUCI estão protegendo o Sr. Ouattara e membros de seu novo governo no Hotel Golf em Abidjan contra o bloqueio já há seis semanas por forças leais a Gbagbo.

O Conselho de Segurança é esperado amanhã para votar uma resolução a autorizar outros 2.000 soldados da paz, bem como a transferência temporária de três helicópteros armados,

a partir da missão de paz da ONU na Libéria. Gbagbo exigiu a retirada da UNOCI - que a ONU tem rejeitado.

Os reforços, Sr. Choi disse, irão apresentar uma "capacidade de reacção rápida" essencial para a protecção dos civis tanto em Abidjan, onde partidários de Gbagbo lançaram ataques, e no oeste do país, que tem visto uma explosão de conflitos étnicos.

Até dez dias atrás, a hostilidade do dos lealistas a Gbagbo "limitava-se à retórica e da propaganda na televisão, mas agora foi transformada em ações, observou.

"Eles estão atirando contra nossos comboios, felizmente ninguém foi morto, mas ainda está muito perto disso", disse Choi. "Eles estão atirando contra nós e eles atacaram e saquearam caminhões durante quatro horas na tarde de ontem escoltados pelas forças de segurança da ONU".

Choi acrescentou que as forças de Gbagbo estão quase sempre utilizando e pagando grupos de jovens, na ordem das centenas aos milhares", para nos atacar e nós não podemos abrir fogo contra civis." Parte do mandato UNOCI é para proteger os civis e garantir a sua própria liberdade de movimento.

A missão tem vindo a apoiar os esforços dos últimos sete anos para reunificar um país dividido por uma guerra civil em 2002 em um sul controlado pelo governo e o norte controlado pelos rebeldes. A execução da eleição de Novembro era para ser um ponto culminante desse processo.

Sobre a situação em torno do Hotel Golf, onde o Sr. Ouattara está recebendo a proteção da ONU, o Sr. Choi comparou a um "jogo de gato e rato."

O emissário da UA, o primeiro-ministro do Quénia, Raila Odinga, se reúne com ambos os lados, em Abidjan. Choi disse que a situação ainda está num impasse, com Gbagbo propondo um acordo de partilha do poder e do Sr. Ouattara - e a ONU, UA e grupos regionais Africano - insistindo que ele renuncie. Com 18 eleições previstas na África este ano, seria um mau precedente se o perdedor tinha permissão para ficar, o Sr. Choi observou.

Quanto à possível saída de Gbagbo, o Representante Especial do Secretário-Geral disse que a Comunidade Econômica dos Estados Oeste Africano ainda tem uma opção militar sobre a mesa, e que Gbagbo não seria capaz de pagar as forças de segurança de 60.000 e os 140.000 funcionários públicos se o seu acesso à moeda comum da região secasse.

A turbulência das eleições já desalojou dezenas de milhares de pessoas, principalmente no oeste do país, onde um conflito étnico entrou em erupção.

Fonte: ONU

Timofei Belov

 


Loading. Please wait...

Fotos popular