Pravda.ru

Mundo

Na onda do marxismo ocidental

18.01.2014
 
Na onda do marxismo ocidental. 19616.jpeg

A luta feroz contra os detratores do marxismo começa, antes mesmo do eclodir da revolução proletária na Rússia (25 de Outubro-7 de novembro de 1917), quando Lenin escreve O Estado e a Revolução, cujo texto demonstra que a maior autoridade da II Internacional, o teórico Karl Kautsky, deturpava a doutrina de Marx.

Na visão do renegado Kautsky, o marxismo deveria ser esvaziado do seu conteúdo revolucionário de luta, isto é, da ditadura do proletariado. Sem se deter na análise da deturpação teórica, contida na argumentação de Kautsky, Lenin prossegue ajustando contas com aqueles que insistem em caminhar a reboque da ideologia burguesa, isto é, os revisionistas de diversos matizes.

Nessa categoria, também, encontra-se a judia polaca Rosa Luxemburgo, que se destacou por atacar o programa dos marxistas russos e negar o direito das nações à autodeterminação, com base apenas em definições jurídicas e desconsiderando o aspecto sócio-econômico dos movimentos nacionais, uma exigência da teoria marxista para a análise de qualquer questão social.

Sem perceber que autodeterminação significava a formação do Estado nacional, morreu defendendo a espontaneidade das massas, no lugar do trabalho de organização partidária, em total dissonância com os princípios marxistas.


Ainda nessa linha de traição ao marxismo, no período pre- e pós- revolução bolchevique, surge o mais nocivo dos revisionistas, Léon Trotski, a quem Lenin deu um combate sem tréguas. Inimigo declarado da posição bolchevique, no seio do Partido Comunista da URSS, Trotski trava uma luta declarada contra o leninismo (o marxismo da era do imperialismo e da revolução proletária), opondo-se ao programa de construção do socialismo na URSS.

Apesar da soberba, a sua "contribuição teórica" ao marxismo beira à mediocridade, limitando-se a um opúsculo sobre a revolução permanente, um escrito anticientífico, refutado pelo desenvolvimento social na URSS, e vista por analistas isentos como uma aplicação da doutrina sionista. Em sua escalada de injúrias ao Estado soviético, Trotski buscou desintegrar a ditadura do proletariado e abrir caminho para a contra-revolução. No entanto, as suas pretensões não se realizaram graças à firmeza da direção leninista do Estado soviético.


Esses exemplos de revisão do legado de Marx não passavam de uma pretensão descarada de reescrever o marxismo, com as tintas da ideologia burguesa. São o que Lenin chamou de revisionismo, que não deve ser entendido de uma forma ampla e positiva, mas, sim, como o rompimento com o socialismo real e científico de Marx.

Do ponto de vista do seu conteúdo, o revisionismo sempre caminhou a reboque da ciência acadêmica burguesa. E é dos meios acadêmicos que brota uma nova forma de revisionismo, o marxismo ocidental.


Essa erva daninha surge, por volta de 1920, como um questionamento ao marxismo soviético, que, segundo os marxistas ocidentais, valoriza mais o determinismo econômico, no lugar da cultura, filosofia e da arte. Os defensores mais destacados dessa interpretação oportunista do marxismo foram Giórgy Lukács, Antonio Gramsci, Merleau-Ponty, Sartre e os representantes da Escola de Frankfurt. Em comum, defendiam o retorno ao jovem Marx, a rejeição à dialética de Engels, a valorização do papel dos intelectuais e a ênfase nos conceitos de consciência e subjetividade.


O seguimento dessa guinada antimarxista é a teoria crítica lançada, em 1937, por Max Horkheimer, diretor do Instituto para Pesquisa Social de Frankfurt, que propunha a substituição do materialismo dialético por um materialismo mais aceitável.


Embora se apresentassem como o resgate do vigor crítico do pensamento de Marx, esses teóricos, diferentemente de Lenin, nada acrescentaram ao marxismo, pois encontravam-se em total desacordo com a concepção que Marx tinha da história. Longe de enriquecer o marxismo, tentaram sepultar e esquecer Marx, apesar das honrarias acadêmicas do féretro.

Quando retiraram o conteúdo revolucionário da teoria de Marx, reduziram uma filosofia transformadora a uma filosofia do sujeito, onde a existência paira acima de tudo e de todos. Teóricos da superestrutura, fugiam da crítica da economia política. Com o passar dos anos, a Escola de Frankfurt acabou ficando na crítica pela crítica, isto é, atendo-se apenas a especulações estéreis e esquecendo o aspecto revolucionário da filosofia marxista. É o exemplo gritante da esperteza do dever ser.


Com uma postura arrogante e odienta, em relação ao campo soviético, o marxismo ocidental, em todas as suas vertentes, jamais se propôs reinterpretar a teoria de Marx, de maneira séria e honesta, com base no papel histórico do primeiro Estado socialista do mundo, que enfrentava o cerco imperialista e a sabotagem interna dos cooptados pela contra-revolução. Longe disso, essa corrente revisionista fingia ignorar que a essência de qualquer Estado é a ditadura da classe dominante, no caso, o proletariado que tomara em suas mãos o poder político.

Portanto, ao fugir da realidade, o marxismo ocidental foi, paulatinamente, absorvido pela ideologia burguesa e, hoje, não passa de um instrumento teórico a serviço do capitalismo. Sem medo de errar, pode-se afirmar que o marxismo ocidental contribuiu para o aniquilamento do campo socialista, em especial, quando solapou a influência positiva da União Soviética, nas lutas de libertação nacional dos povos coloniais. O seu trabalho de sapa prosseguiu e se fez sentir, quando da realização do XX Congresso do Partido Comunista da URSS, em 1956, oportunidade em que Kruschev, adotando uma postura revisionista, dá início à destruição do regime soviético, pela via da demonização de Stálin.


Nessa data, sob a influência do marxismo ocidental, as discussões teóricas buscaram afastar o partido dos princípios mais caros do marxismo, como ditadura do proletariado, centralismo democrático e luta de classes, ao mesmo tempo em que se faziam revelações caluniosas e sem provas contra aquele que libertou o mundo do nazismo, o Marechal Stálin. A consequência imediata da denúncia irresponsável e revanchista foi semear a dúvida e estimular a dissidência, no bloco socialista, além de jogar no antissovietismo a maioria dos partidos comunistas, cujos dirigentes, por oportunismo e fraqueza teórica, tonaram-se reféns da forma mais nefasta do revisionismo de direita.


Nessas circunstâncias, não é de surpreender que, no Brasil, não seja diferente. Em outras palavras, aqui, também, os ditos Partidos Comunistas se deixaram influenciar por uma academia que ainda confunde marxismo ocidental com a teoria de Marx. Em nosso meio universitário, diga-se de passagem, com baixo lastro intelectual, o que mais se vê são acadêmicos que não pensam com o próprio bestunto, acostumados, que são, a pensarem com as cabeças de teóricos europeus e americanos.

Dessa gente, pode-se dizer que até a alma é colonizada, pois possuídos de um sentimento de inferioridade, incutido pela classe dominante, jamais ousam questionar o entulho teórico alienígena. Para eles, é mais confortável passar para os trilhos do revisionismo, adotando um discurso antissocialista, do que prosseguir na defesa de uma formulação teórica, capaz de questionar o modo de produção capitalista.
Já que é assim, só lhes resta, Partidos Comunistas e seus mentores intelectuais, desmerecer as obras de Marx, Engels, Lenin e Stálin e surfar, na onda festiva do marxismo ocidental, enaltecendo o revisionismo de Lukács, Gramsci e Néstor Khoan e vendo aspectos positivos em Trotski.


THELMAN MADEIRA DE SOUZA
Foto: Kautsky

Nota: Estes artigos de opinião são para discutir com classe e com a devida argumentação, não para lançar pueris ataques na página de Facebook sem qualquer fio de comentário inteligente. Grato pela compreensão. Timothy Bancroft-Hinchey, Director e Chefe de Redacção da versão portuguesa da Pravda.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular