Pravda.ru

Mundo

2010: A pobreza continua a causar problemas de saúde

17.11.2010
 

Vivemos em um mundo em que biliões de dólares são gerados anualmente com a venda de sistemas de armas projetadas para matar ou mutilar os seres humanos e através do comércio de drogas nocivas, que rasgam as famílias e destroem vidas. No entanto, enquanto triliões são encontrados para salvar banqueiros irresponsáveis, a pobreza e problemas de saúde continuam a ser intrinsecamente ligados, como nos tempos medievais.

O novo relatório da Organização das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) se chama "Cidades Escondidas: Desvendando desigualdades na saúde e superação em meio urbano" e revela como problemas de saúde e pobreza estão relacionadas nas cidades, como resultado direto das políticas ineptas que não abordam a realidade no campo.

O relatório foi escrito a partir de uma nova perspectiva, com o objetivo de não só focar nas estatísticas sobre médias e identificar a pobreza escondida que muitas vezes "a média" encobre. Utilizando a combinação de dados demográficos com os novos meios de analisar as tendências, as conclusões do novo relatório têm como objetivo ajudar os decisores políticos locais a agirem, fazer comparações não só entre as cidades, mas crucialmente, e pela primeira vez, entre os bairros da mesma cidade. Os subgrupos de moradores da cidade são analisados de acordo com vários vetores, ou seja, status sócio-econômico, bairro de residência e características da população, segundo o relatório.

A Diretora Geral da OMS, Dra. Margaret Chan,

declarou que "muitas vezes as cifras sobre médias escondem bolsos de desvantagens e problemas de saúde, ocultando a realidade da vida das pessoas. Esta nova análise revela lacunas na área da saúde e acesso à saúde entre as populações urbanas, e mostra aos líderes da cidade onde seus esforços devem concentrar-se".

O relatório afirma que para os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio serem alcançados, são necessárias medidas urgentes para enfrentar as desigualdades na saúde, caso contrário, os ODM irão falhar. Com metade da população mundial a viver nas cidades, "o sucesso em alcançar asmetas dos ODM dependerá, em grande medida, nos resultados entre as populações urbanas", continua o relatório.

Para Joan Clos, Diretora Executiva do UN-HABITAT, "Muitas vezes os decisores políticos e planejadores não conseguem entender que, com a urbanização da pobreza, muitos moradores de favelas sofrem de uma sanção adicional: elas têm uma maior taxa de mortalidade infantil, morrem jovens e sofrem de mais doenças do que seus vizinhos mais ricos. Para entender melhor as causas da má saúde, o relatório concentra-se em vários fatores, incluindo a dinâmica populacional, a governação urbana, o ambiente natural e construído, o ambiente social e económico, e o acesso a serviços e gestão de emergência sanitária ".

Entre as injustiças que se referem no relatório são os seguintes:

As taxas de sobrevivência infantil em áreas urbanas são maiores nas cidades em comparação com as áreas rurais, no entanto os moradores mais pobres da cidade têm duas vezes mais probabilidades de morrer antes dos cinco anos, quando comparado com os mais ricos, com destaque para a desigualdade entre os moradores de um mesmo centro urbano. O relatório afirma que "os esforços para reduzir as desigualdades necessitam de abordar toda a população, ao invés de focar apenas nos grupos mais pobres".

Nas áreas urbanas, entre 44 países de baixa e média renda estudados, a cobertura por parteiras qualificadas variou de 40% a 100%, indicando que os níveis de riqueza das famílias e a educação tiveram um forte impacto sobre as desigualdades na cobertura.

Os determinantes da saúde, como acesso à água encanada também mostraram enormes diferenças entre as famílias nos países em desenvolvimento na África, Ásia e Américas, enquanto outros fatores puramente transcenderam vetores de desenvolvimento: por exemplo, a tuberculose é mais comum no Japão do que em muitos países no primeiro grupo. Novamente, prevalecem desigualdades: a taxa de incidência em algumas áreas de Osaka é 9 vezes maior do que em outros bairros da mesma cidade.

Em Preston, no norte de Inglaterra, Reino Unido, os números da expectativa de vida mostram diferenças de até 14,7 anos para homens e 10 anos para as mulheres entre os moradores de áreas diferentes da mesma cidade.

Vivemos em um mundo em que biliões de dólares são gerados anualmente com a venda de sistemas de armas projetadas para matar ou mutilar os seres humanos e através do comércio de drogas nocivas, que rasgam as famílias e vidas separadas. No entanto, enquanto triliões são encontrados para salvar banqueiros irresponsáveis, pobreza e problemas de saúde continuam a ser intrinsecamente ligados, como nos tempos medievais.


Fonte: OMS

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular