Pravda.ru

Mundo

Talibã festejam com curry de bode e arroz

17.06.2014
 
Talibã festejam com curry de bode e arroz. 20462.jpeg

O chefe Talibã Mullah Omar está coberto de razão, ao declarar uma "grande vitória" a troca de Prisioneiros de Guerra com os EUA. Muitos bodes foram carneados, e a tradicional ceia celebratória está sendo servida, nos vales e vilas de montanhas do Hindu Kush - curry de bode e arroz.  


Fato é que os Talibã venceram em quatro diferentes modalidades. Uma: não importa o que seja dito contra eles, os Talibã foram reconhecidos pela comunidade internacional. Pode ser pouco reconhecimento, mas reconhecimento é reconhecimento, e quando alguém é reconhecido, o reconhecimento tende a aumentar. 

Duas: é imenso reforço na moral do movimento Talibã como um todo, que os EUA tenham sido forçados a libertar cinco altos comandantes Talibãs. É como prêmio à determinação obcecada dos Talibã, que qualquer acordo tenha de ser precedido pela libertação de seus comandantes ainda presos na Baía de Guantanamo.

Três: é claro que o Mullah Omar esteja sendo pintado como homem de 3m de altura, no bazaar afegão. Os afegãos respeitam muito uma boa barganha, e Omar venceu uma, das melhores, e barganhando contra uma superpotência. Quatro, e por fim, o presidente Hamid Karzai termina sua presidência como força já completamente exaurida, e os Talibã, mais uma vez, veem confirmado o que sempre disseram com incansável insistência: que Karzai jamais teve qualquer importância para o futuro do Afeganistão.

E para onde vão os Talibã, a partir desse ponto a que chegaram? A declaração oficial diz que a libertação dos comandantes Talibã foi obtida pela "benevolência de Alá e pelos sacrifícios dos valentes e heroicos Mujahideen." É justo. A declaração reconhece que houve "negociação indireta" entre os Talibã e os EUA, "mediada" pelo Qatar.

São fatos já de domínio público, mas é importante que os Talibã os tenham reconhecido oficialmente. Interessante: a declaração oficial dos Talibã afirma que as negociações podem continuar, para obter a libertação dos demais Talibã que permanecem presos em Guantanamo. A declaração não diz palavra sobre a resistência, nem traz sequer um termo de propaganda condenando os EUA.

Não surpreendentemente, Karzai está lívido de fúria por não ter sido envolvido nas negociações Talibã-EUA. Mas, já se sabe: no bazaar afegão Karzai sempre foi considerado sem importância para o futuro do Afeganistão. Não há dúvidas de que Washington humilhou Karzai além de qualquer limite reparável. O campo político de Karzai insiste que ele continuará a ter papel influente mesmo depois que deixar o poder. Mas é falar por falar.

O Dr. Abdullah Abdullah ou Asharf Ghani - os dois principais candidatos que disputam  eleições dia 14 de junho, talvez não processem Karzai, mas tampouco quererão alguma eminência parda a pairar sobre eles. Perder poder implica perder capacidade para garantir apadrinhamento efetivo e quem não tem capacidade para apadrinhar efetivamente perde importância. É a lógica da vida desde tempos imemoriais na sociedade afegã. 

Significativamente, nem Abdullah nem Ghani criticaram os EUA por negociarem com os Talibã. Claro: agora, como o resto do mundo, os dois também já sabem que o Paquistão está arbitrando todo o jogo envolvendo os EUA e os Talibã, e que o Qatar só está empurrando o carrinho com a bolsa de tacos. Há aí implicações para as políticas futuras de Abdullah e Ghani em relação ao Paquistão.

Como na Índia, há um campo barulhento nos EUA que também clama que a guerra contra os Talibã deve prosseguir até ser 'vencida', não importa o quanto demore ou custe. Uma avalanche de críticas apareceu no circuito de Washington contra o presidente Barack Obama. Mas logo amainará, porque há mais gente nos EUA que entende que essa não é guerra dos EUA e que os soldados têm de ser trazidos do Hindu Kush, de volta para casa, o mais depressa possível.

Claramente Obama está do lado certo da história. A troca de prisioneiros de guerra melhora consideravelmente as chances de negociar acordo que envolva os Talibã como elemento basilar da estabilização do Afeganistão. Os EUA estão caindo fora e tentando prender a maior quantidade possível de 'fios soltos': a troca de prisioneiros com os Talibã é movimento nessa linha.

Não esqueçam nem por um segundo que o sargento Bowe Bergdahl realmente desertou, desiludido com a guerra, há cindo anos: deu as costas e saiu andando da base dos EUA. Mesmo assim, Obama decidiu trazê-lo de volta para casa, ele também; e sabia que pagaria alto preço por isso. Minha opinião é que comandante-em-chefe existe para isso. Boa leitura o artigo de Paul Pillar,[1] ex-analista da CIA, sobre a controversa decisão de Obama. *****


[1] http://nationalinterest.org/blog/paul-pillar/sergeant-bergdahl-the-militarization-counterterrorism-10579

 

 

4/6/2014, MK Bhadrakumar, Indian Punchline
http://blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/2014/06/04/taliban-feast-on-goat-curry-and-rice/

 

Ler também:

4/6/2014, "Revelações de Bowe Bergdahl:
E-mails mostram extensão do fracasso dos EUA no Afeganistão"
, Patrick Cockburn, ICH, trad. em http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/06/revelacoes-de-bowe-bergdahl-e-mails.html

 


Loading. Please wait...

Fotos popular