Pravda.ru

Mundo

Eyjafjallajökull: Catástrofe iminente?

17.04.2010
 
Eyjafjallajökull: Catástrofe iminente?

Eyjafjallajökull. Enquanto alguns dizem que é "impronunciável", seria uma boa ideia para se acostumar com o nome porque de certeza que vai dar as voltas na média internacional por algum tempo. Eyjafjallajökull ameaça tornar-se numa catástrofe ecológica. Eyjafjallajökull é perigoso, a sua cinza é tóxica, é uma ameaça grave para a saúde e sempre foi um precursor das maiores catástrofes a seguir. Sempre.


Vamos dar nome à coisa. Vamos começar a tratar estas questões com uma abertura franca e sincera e informar as pessoas sobre o que está acontecendo. Eyjafjallajökull (ei-zha-fiAla-io-kUtl). Ilha-Montes Glacier. Já fez a mesma coisa e não foi nada bonito. Entrou em actividade em 920, 1612, 1821-1823 e agora em 2010. Todas as erupções anteriores foram precursores da atividade mais perigoso do vulcão Katla vizinho, que desta vez, de acordo com os geólogos, pode levar de um a dois anos para entrar em erupção. E se Eyjafjallajökull é o anão, o gigante é Katla.


A última vez que Eyjafjallajökull entrou em erupção, o derramamento de cinzas tóxicas durou (intermitente) por cerca de dois anos. Se após 3 dias o espaço aéreo europeu está fechado (Áustria, Bélgica, Bósnia-Herzegovina, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, Alemanha, Hungria, Irlanda, Letónia, Luxemburgo, Países Baixos, Polónia, Eslováquia, Eslovénia, Suécia, Suíça, Ucrânia fecharam seu espaço aéreo totalmente; Bielorrússia, Croácia, França, Itália, Lituânia, Noruega, Sérvia, Espanha, Bulgária, Grécia e Turquia têm severas restrições, algumas quase na totalidade), vamos imaginar o que pode acontecer se isso continuar por um mês ou dois. Ou se o vento muda e sopra para o sudoeste por cima de Canadá e os E.U.A..


Então o que acontece quando rebentar o Katla?
Na noite de quarta-feira, se deita. Acordar-se na manhã de quinta-feira e se encontrar num mundo diferente.


O impacto econômico
Nas primeiras 24 horas após as erupções em 13 e 14 de abril (quando a erupção rompeu 200 metros de gelo compactado), 29.000 voos de e para a Europa foram cancelados. Sábado, mais 16.000 (de 22.000), porque a pluma sobe até onze quilómetros de altura e contém partículas de vidro, areia e pedra, que rasgaria o motor de qualquer avião em pedaços. O impacto sobre a indústria de aviação já cambaleando com o colapso do sistema bancário e economico é de cerca de 200 milhões de dólares por dia. Com o agravamento da situação em Eyjafjallajökull, a situação no céu não pode esperar muitas melhoras.


Riscos à saúde
Vamos dizer a verdade. É alarmante. Mas os jornais existem para quê?

Mais uma vez a Organização Mundial de Saúde não tem nada a dizer (afinal, o que esperar de uma organização que ficou a ver, um voyeur enquanto a gripe A H1N1 varreu o globo e se limitou a informar-nos sobre quão longe estava se espalhando em vez de fazer qualquer coisa?). Diz apenas que "cinzas, enquanto permanecem na atmosfera superior, provavelmente não providenciarão um risco aumentado de efeitos para a saúde".
Mas a s coisas caem: Newton. Gravidade e tal.


Segundo a pesquisa na matéria a ser expelida do Eyjafjallajökull, cerca de 25% das partículas são inferiores a 10 mícrones de tamanho. Aqui, a OMS se contradiz: "As pequenas partículas inferiores a 10 mícrones de tamanho são mais perigosas porque podem penetrar mais profundamente nos pulmões" (Dr. Maria Neira, diretora de Saúde Pública e Meio Ambiente, da OMS).


Ela acrescenta "Se as pessoas estão fora de casa e sentem irritação na garganta e pulmões, corrimento nasal ou comichão nos olhos, eles devem retornar e limitar as suas actividades no ar livre".


Então, existe um risco para a saúde. A última vez que Eyjafjallajökull teve um episódio foi em 1821, despejando toneladas de cinzas que contiveram gases tóxicos de flúor na atmosfera. Não durou 24 horas, mas sim até 1823, causando a morte de muitas peças de gado e ovelhas por envenenamento com flúor. Os ventos foram mais clementes, dissipando a pluma e soprando em várias direções. Quando um outro vulcão islandês, Laki, explodiu em 1783-1784, 120 milhões de toneladas de dióxido de enxofre foram lançadas (três vezes a emissão industrial europeia em 2006), resultando em milhares de mortes em toda a Europa.


Enquanto este artigo apresenta um cenário mais pessimista (o pior cenário possível), e não é uma tentativa de alarmismo, é válido entreter a idéia de que você pode acordar uma manhã em um mundo diferente. Eyjafjallajökull elevou sua cabeça. Esperemos que, pela primeira vez nos últimos mil anos, Katla decide não seguir o exemplo.


Timothy BANCROFT-HINCHEY

PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular