Pravda.ru

Mundo

Vitória da Rússia de Putin no conflito ucraniano

17.02.2015
 
Vitória da Rússia de Putin no conflito ucraniano. 21651.jpeg

A maratona de 16 horas de conversas durante uma noite inteira e até na manhã seguinte em Minsk sobre a solução do conflito na Ucrânia pelos líderes dos países envolvidos no chamado "formato Normandia" - Alemanha, França, Rússia e Ucrânia - terminou em acordo. Os 13 principais pontos do novo acordo fazem avançar os 12 pontos do acordo de Minsk de setembro passado. Mas há 'adicionalidade', até aqui: criou-se um cronograma para que os lados em guerra e outros protagonistas cumpram o que o tratado determina.

12/2/2015, MK Bhadrakumar, Indian Punchline
http://blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/2015/02/12/russias-putin-wins-in-ukraine-conflict/


Os termos do tratado anterior confirmam que a Rússia negociou de uma posição de força - bem diferente do que a venenosa propaganda jornalística ocidental nos quis fazer crer. A 'adicionalidade' relacionada ao futuro das regiões do leste, a ser decidido ao final do ano é, sem dúvida, grande avanço e significativa vitória para a Rússia, uma vez que a inclusão da Ucrânia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) ficará virtualmente descartada para sempre, se a reforma constitucional for adiante. Esse era o item central crucial do que os russos queriam obter.

Contudo, continuará a ser o ponto mais difícil de negociar, porque o lobby nacionalista em Kiev, fortemente representando no atual formato, resistirá muito contra qualquer concessão relacionada a devolver poderes às regiões do leste. O presidente Petro Poroshenko ver-se-á colhido entre a cruz e a caldeirinha nessa questão, ele que já está sob fogo do campo nacionalista que faz e acontece em Kiev. Mais uma vez, se Washington quiser fazer desandar todo o processo de paz, nem precisará procurar muito para encontrar o caminho mais curto.

Não surpreendentemente, portanto, a Rússia condicionou o fechamento da fronteira da Ucrânia com a Rússia à reforma constitucional que deverá vir. O que significa dizer que, com todas as fichas já jogadas, Moscou garantiu que é "tudo ou nada".

Em segundo lugar, o cessar-fogo só passa a ser vigente no sábado, e daqui até lá éperfeitamente concebível que as partes em guerra farão esforços para obter ganhos táticos em campo. Debaltseve, sobretudo, é problema, porque Kiev sequer reconheceu que vários milhares de soldados seus estão naquela cidade que está cercada por forças da resistência armada anti-Kiev.

De fato, o presidente Vladimir Putin da Rússia, em seus comentários, tocou indiretamente na questão de Debaltseve. Pode-se supor que a resistência anti-Kiev permita - sob pressão dos russos - que as tropas ucranianas sitiadas sejam evacuadas em segurança.

Mas no geral, embora não faltem previsões cataclísmicas de que o recente acordo dará em nada (como aconteceu ao acordo de setembro passado), há boas probabilidades de que esse acordo germano-franco-russo mantenha-se e os combates parem - no mínimo, em termos imediatos. Os separatistas estão com as melhores cartas e quererãoconsolidar seus ganhos; e as forças pró-Kiev, que apanharam até perder a noção das coisas, também quererão tentar alguma recuperação.

Como já disse acima, a questão é se Kiev está disposta a conceder a autonomia das regiões do leste. A cinética do conflito na Ucrânia dependerá, afinal, da questão da reforma constitucional.

Não há dúvidas de que Putin sai-se muito bem, com a comprovação de que, como as autoridades russas sempre disseram, Moscou nunca teve ambições territoriais. Por outro lado, comprova-se que a Rússia quer preservar a integridade territorial da Ucrânia e está disposta a contribuir para essa meta - desde que, evidentemente, seja preservado o interesse legítimo que a Rússia nem numa Ucrânia que se entende igualmente bem com a Rússia e com o ocidente. A líder alemã e o líder francês parecem tem compreendido muito bem esse ponto. 

Mas e quanto ao parceiro deles, do outro lado do Atlântico? O presidente Barack Obama está quase no mesmo bote que Poroshenko. O acordo para a Ucrânia será reduzido a cacos pelos críticos neoconservadores, que querem que os EUA partam logo para mais guerra, se for necessário, para deter "a agressão" russa. Já começam a aparecer pela imprensa-empresa norte-americana alguns 'comentários' muito duros. O lobby ucraniano é muito influente também na política canadense.******

 


Loading. Please wait...

Fotos popular