Pravda.ru

Mundo

Israel: Viagem pelo deserto de Negev, ao coração do pesadelo

15.10.2013
 
Israel: Viagem pelo deserto de Negev, ao coração do pesadelo. 19006.jpeg

Israel: Viagem pelo deserto de Negev, ao coração do pesadelo

Da tribuna da Assembleia Geral da ONU, o primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu dedicou-se a aproximar e confundir[1] os mais assustadores detalhes de males feitos e a serem cometidos pelo Irã e imagens de judeus "aterrorizados" e "deixados à morte" por antissemitas na Europa do século 19.


Da tribuna da Assembleia Geral da ONU, o primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu dedicou-se a aproximar e confundir[1] os mais assustadores detalhes de males feitos e a serem cometidos pelo Irã e imagens de judeus "aterrorizados" e "deixados à morte" por antissemitas na Europa do século 19. Dirigidas contra o movimento de aproximação entre EUA e Irã e pela via diplomática, e falando a um público de norte-americanos já fartos de guerras, as frases desatinadas de Netanyahu ameaçam fazer dele figura ainda mais diminuída, sem argumentos, desesperado.

Max Blumenthal, TomDispatch

Embora o discurso tenha repercutido muito mal nos EUA, afastando até alguns dos mais empenhados propagandistas e defensores de Israel,[2] aquela jeremiada serviu a um objetivo maior: desviar a atenção mundial das políticas de Israel contra um grupo que Netanyahu excluiu (também) do discurso na ONU: os palestinos.


Em novembro de 1989, quando ainda era ministro na coalizão liderada pelo Partido Likud no governo do primeiro-ministro Yitzhak Shamir, um Netanyahu mais jovem disse ao público que o ouvia na Universidade Bar Ilan, que "Israel deveria ter aproveitado o ultraje da opinião pública contra a repressão às manifestações [da Praça Tiananmen] na China, com todo o mundo atento ao que acontecia lá, para promover expulsões em massa de árabes, dos territórios. Mas, para minha lástima, o governo não aceitou essa política que propus, e que continuo a repetir que deve ser implementada." Hoje, principal autoridade política israelense, Netanyahu modernizou a estratégia da cortina de fumaça.


Enquanto o primeiro-ministro deblaterava contra o Irã em New York City e num encontro[3] com o presidente Obama no Salão Oval, seu governo preparava-se para implementar o "Plano Prawer" - concebido para expulsar 40 mil beduínos nativos e que são cidadãos israelenses, de suas comunidades ancestrais no deserto de Negev, para "concentrá-los" em aglomerados comandados pelo estado, semelhantes a reservas indígenas.


Concebido pelo principal estrategista político de Netanyahu, Ehud Prawer, e aprovado pela maioria dos membros dos principais partidos políticos no Knesset, o Plano Prawer é só uma das ferramentas do novo programa do governo de Israel para dominar todos os espaços e a vida das pessoas entre o rio (Jordão) e o mar (Mediterrâneo).


Expulsões no deserto
Dia 9/9/2013, visitei Umm al-Hiran, uma das vilas que o estado de Israel planeja varrer do mapa. Localizada na parte norte do Deserto Negev, dentro dos limites da Linha Verde (a linha demarcada no armistício de 1949 considerada como ponto de partida para qualquer negociação entre israelenses e palestinos), dentro da parte que Israel espera que seja legitimada numa solução de Dois Estado negociada pelos EUA, os moradores de Umm al-Hiran mobilizam-se para resistir à remoção forçada.


Na sala de uma casa poeirenta, mas impecavelmente organizada, construída com blocos de concreto nos arredores da vila, Hajj al-Ahmed, um xeique já idoso, falou a um grupo de colegas jornalistas do website Mondoweiss[4] e a mim, sobre a experiência dos 80 mil beduínos que vivem nessas vilas classificadas como "não reconhecíveis". Resultado de repetidas ações que lhes tiraram terras e casas, e vítimas de inúmeras ações de deslocamento forçado, muitas dessas comunidades são cercadas por áreas de despejo de dejetos petroquímicos e foram transformadas em clusters de alta incidência de câncer, enquanto prosseguem as campanhas, por aviões israelenses que despejam produtos químicos, para destruir plantações e matar os rebanhos; essas campanhas já dizimaram os meios locais de subsistência.


Embora residentes como al-Ahmed tenham cidadania israelense, não podem beneficiar-se dos mesmos serviços públicos oferecidos a comunidades de judeus que há nos arredores. As estradas para as vilas "não reconhecíveis" como Umm al-Hiran são margeadas por fiação elétrica, mas os beduínos são proibidos de se conectarem à rede pública. As suas casas e mesquitas são consideradas construções "ilegais" e alvo rotineiro de operações de demolição pelas forças israelenses. Agora, a simples presença deles nas terras que lhes pertencem milenarmente, já está sendo ameaçada.


Conforme o Plano Prawer, o pessoal de Umm al-Hiran estará entre os 40 mil beduínos que serão transferidos à força para cidades semelhantes às que se veem em reservas dos povos nativos norte-americanos, construídas pelo governo de Israel. Como grupo de mais alto nível de crescimento demográfico entre os cidadãos palestinos de Israel, os beduínos foram marcados como ameaça existencial à maioria de judeus em Israel. "Não é do interesse de Israel que haja mais palestinos no Negev" - disse Shai Hermesh,[5] ex-membro do Knesset e diretor do projeto do governo para construir uma "maioria sionista" no sul do deserto.


Segundo o website do Or Movement,[6] organização ligada ao governo que supervisiona o assentamento de judeus no Negev, os residentes das vilas não reconhecidas serão movidos para cidades construídas para "concentrar a população beduína". E pequenas comunidades exclusivas para judeus serão construídas nos locais de onde estão sendo expulsas as comunidades beduínas. A comunidades de judeus receberão vários benefícios do governo de Israel e farto financiamento provido por doadores pró-Israel, como, dentre outros, o bilionário da indústria de cosméticos Ron Lauder. "Os EUA tiveram sem Destino Manifesto no oeste" - disse Lauder. - "Para Israel, aquela terra é o Negev."


Quando encontrei al-Ahmed, ele falou de um grupo de 150 estranhos que apareceram de repente na periferia de sua vila no dia anterior. Do alto de uma colina, disse ele, examinaram a região e debateram que parcela caberia a cada um, depois de o Plano Prawer estar completado. Al-Ahmed chamou-os de "judeus no bosque".


Distante vários metros na direção leste de Umm al-Hiran, está a Floresta Yattir Forest, um vasto bosque no coração do deserto, plantado pelo Fundo Nacional Judeu [orig. Jewish National Fund (JNF)], organização paragovernamental, em 1964. O diretor do JNF naquela época, Yosef Weitz, chefiara o Comitê de Transferência, do governo de Israel, que orquestrou os estágios finais da remoção dos palestinos em 1948. Para  Weitz, plantar florestas servia a um duplo objetivo estratégico: as florestas, como Yattir, plantadas próxima à Linha Verde, criariam uma barreira demográfica entre judeus e árabes; e outras florestas, plantadas em terras de antigas vilas palestinas, como Yalu, Beit Nuba e Imwas, impediriam a volta dos habitantes expulsos. Como escreveu em 1949, depois que a maioria de judeus estivesse estabelecida em Israel, mediante a expulsão em massa, "as terras abandonadas jamais voltariam aos antigos proprietários (árabes palestinos)."


Depois que a noite caiu no deserto, saí a rodar, com meus colegas sob os pinheiros de Yattir.  Num carro pequeno, rodamos por estradas sem iluminação, até que chegamos a um portão protegido por arame farpado. Era a vila-acampamento modelo de Hiran - dos "judeus no bosque", como dissera al-Ahmed. Gritamos para que nos deixassem entrar, até que o portão foi aberto. Estacionamos no meio de um 'acampamento' de casas-trailers. Como um shtetl no Assentamento, o território, na Rússia Imperial, reservado para residência dos judeus, tudo ali cheirava a sítio e desconfiança.


Um nacionalista religioso barbudo saiu de uma sinagoga com paredes de alumínio e reuniu-se conosco em bancos em torno de uma mesa para piqueniques. Chamava-se Af-Shalom e tinha cerca de 30 anos. Não estava, disse ele, autorizado a falar conosco, antes da chegada de um representante do Or Movement. Mas depois de meio cigarro e poucos minutos de desconforto, o homem pôs-se a falar. Mandara os filhos, disse, para uma escola do outro lado da Linha Verde, na colônia de Susiya, a apenas oito minutos de distância por uma das estradas exclusivas para judeus. Que os beduínos eram "ilegais", ocupantes da terra que Deus dera aos judeus e continuariam a tomar terra dos judeus, a menos que fossem removidos à força. Pouco depois, chegou Moshe, representante do Or Movement que se recusou a informar seu nome completo. Nos acompanhou na visita, sem dizer palavra.


"O maior centro de detenção do planeta"
A apenas poucos quilômetros de Umm al-Hiran, no sul do deserto Negev e dentro da Linha Verde, o estado de Israel iniciou outro projeto ambicioso para "concentrar" outro tipo de indesejáveis. É a prisão de Saharonim, vasto complexo de torres de vigilância, muros de concreto, arame farpado e um oceano de câmeras de vigilância que hoje constituem o que o Independent britânico descreveu como "o maior centro de detenção do planeta."[7]


Construído originalmente para servir como prisão para palestinos durante a 1ª Intifada, a prisão de Saharonim foi ampliada para prender 8 mil africanos que fugiam de genocídios e perseguições. Atualmente, vivem ali pelo menos 1.800 refugiados africanos, inclusive mulheres e crianças, cercados num local que o grupo israelense de arquitetos Bikrom descreveu co o "um gigantesco campo de concentração, onde as condições de sobrevivência são duríssimas."[8]


Como as vilas "não reconhecidas" dos beduínos do Negev, os 60 mil migrantes africanos e buscadores de asilo político que vivem em Israel foram identificados como ameaça demográfica que tem de ser expurgada do corpo do estado judeu. Numa reunião com ministros de seu gabinete em maio de 2012, Netanyahu alertou[9] que o número deles poderia crescer dezenas de vezes, e "causar a negação do Estado de Israel como estado judeu e democrático." Por isso, seria imperativo "remover fisicamente os infiltradores" - disse o primeiro-ministro de Israel. "Temos de quebrá-los e implantar castigos ainda mais duros."


Em rápida sequência, o Parlamento de Israel emendou a Lei de Prevenção de Infiltrações, aprovada em 1954 para impedir que refugiados palestinos jamais voltassem a se reunir às famílias e para que fossem forçados a deixar em Israel todas as suas propriedades e bens. Sob a nova lei, africanos não judeus poderiam ser presos e mantidos em prisão sem julgamento por três anos (a Suprema Corte israelense invalidou essa emenda à lei, mas o governo não fez qualquer movimento para 'desfazer' o que estava feito, e talvez jamais faça). A lei também criava meios para financiar a construção da prisão de Saharonim e de um muro gigante para fechar toda a fronteira entre Israel e Egito. Arnon Sofer, há muito tempo conselheiro de Netanyahu, também lembrou a urgência de construírem-se "muros para o mar" [orig. sea walls][10] para impedir a entrada de "refugiados das mudanças climáticas".


"Não estamos habituados a essa região" - Sofer explicou.
Nessa simples frase, destilou toda a lógica do sistema de etnocracia de Israel. Para manter o Estado Judeu, é preciso construir, por engenharia demográfica, uma maioria de judeus não nativos, para depois dispersá-los por toda a Palestina histórica usando métodos de implantação colonial. Planejadores do Estado Judeu, como Sofer, referem-se a esse processo como "a judaização".


Porque os palestinos nativos e os migrantes estrangeiros não são judeus, o Estado de Israel já os definiu, em termos de lei, como "infiltradores", e já os condenou à remoção pela força e à relocação permanente em vários tipos de zonas de exclusão - de campos de refugiados em todo o mundo árabe, a bantustões murados na Cisjordânia ou à Faixa de Gaza sitiada, ou, como agora, a campos de concentração de beduínos e a prisões no meio do deserto, como a prisão de Saharonim.


Enquanto o estado de Israel dedica-se a construir a própria maioria demográfica, os excluídos não judeus têm de ser "concentrados", para abrir espaços para colônias exclusivas para judeus e para o desenvolvimento econômico.


Não é sistema particularmente humano, é claro, mas é sistema perfeitamente enquadrado na opinião sionista, da direita Kahanista à esquerda de J Street. De fato, se há algum desacordo substancial entre esses campos só superficialmente divergentes, é o estilo da retórica que usam para defender a etnocracia de Israel. Como o ideólogo sionista revisionista Ze'ev Jabotinsky escreveu e seu famoso ensaio da "Cortina de Ferro", de 1923,[11] delineando a lógica da que viria a ser a estratégia de contenção de Israel" "não há qualquer diferença significativa entre nossos 'militaristas' e nossos 'vegetarianos'."


Durante a era de Oslo, o tempo da esperança que prevalecera na Israel de meados dos anos 1990s, foi o Partido Trabalhista "pomba" de Yitzhak Rabin e Ehud Barak quem começou a cercar com barricadas a Faixa de Gaza, além das cercas eletrificadas, ao mesmo tempo em que começavam a arquitetar os planos para erguer um muro que separasse a Cisjordânia, de "Israel propriamente dita." (O plano então preparado, seria implementado durante o governo de Ariel Sharon como primeiro-ministro.)


"Nós aqui, eles bem longe" - foi o slogan da campanha eleitoral de Barak, candidato à reeleição em 1999, e do campo Paz Já, que, naquele momento, apoiava uma solução de dois estados. Durante a implantação das políticas separacionistas do Partido Trabalhistas, os palestinos de Gaza e da Cisjordânia foram gradualmente desaparecendo do próspero centro costeiro de Israel, consolidando cidades como Telavive como 'mecas' do cosmopolitismo europeu - "uma villa na selva", como disse Barak.


Com a transição política de pós-Oslo, que destroçou o "campo da paz" israelense, partidos da direita ascendente assumiram como sua missão concluir o serviço que os Trabalhistas haviam começado. Em 2009, quando Israel elegeu o governo mais linha-dura e reacionário de toda sua história, o país continuava cheio de "infiltradores", os mais visíveis dos quais são aqueles migrantes africanos, sem papéis que lhes permitam trabalhar, e cada dia mais forçados a dormir pelas praças em Telavive.


Segundo matéria publicada no jornal Haaretz,[12] sobre pesquisa recentíssima feita pelo Israel Democracy Institute, sobre atitudes dos israelenses, "os árabes já não aparecem no topo da lista de vizinhos que os israelenses consideram indesejáveis, substituídos hoje por trabalhadores estrangeiros. Quase 57% de respondentes judeus disseram que se sentiriam incomodados se tivessem, como vizinhos, trabalhadores estrangeiros."


Sem se deixarem conter pelas declarações de tolerância da centro-esquerda, a direita do governo lançou um festival sem precedentes de incitamento ao racismo.


O Ministro do Interior Eli Yishai do Partido Shas (substituído depois da eleição de 2013), por exemplo, descreveu os migrados africanos que buscam asilo como "infectados por inúmeras doenças"[13] e lamentou que "não saibam que o país nos pertence, a nós, os brancos." E prometeu: "Até eu posso deportá-los. Meto-os na cadeia e faço da vida deles, um inferno."[14]


Num comício em maio de 2012, em Telavive, contra os africanos, no palanque, diante de mais de mil manifestantes, o deputado e ex-porta-voz do exército de Israel, Miri Regev disse: "Os sudaneses são um câncer no nosso corpo!"[15] E incitou centenas de manifestantes que, em blocos, vandalizaram estabelecimentos comerciais de propriedade de negros e atacaram com paus e pedras os negros que encontrassem. Os judeus israelenses racistas cantavam "Nosso povo quer queimar os africanos!"


Como em outros momentos terríveis da história humana, os clamores eliminacionistas florescem em centros urbanos, contra uma classe de estigmatizados, e abre espaço para discursos a favor da purificação étnica ou racial. Na noite seguinte, depois dos vidros quebrados, as celas de Saharonim receberam ainda mais prisioneiros. (...)

http://www.tomdispatch.com/post/175759/tomgram%3A_max_blumenthal%2C_expulsion_and_revulsion_in_israel/#more


**************************************
[1] http://www.haaretz.com/news/diplomacy-defense/1.550012
 
[2] http://www.nytimes.com/2013/10/04/opinion/cohen-bibis-tired-
iranianlines.html?_r=1&
[3] http://www.haaretz.com/news/diplomacy-defense/.premium-1.550675
[4] http://mondoweiss.net/2013/10/big-hold.html
[5] http://www.theguardian.com/world/2003/feb/27/israel
[6] http://eng.negev-net.org.il/HTMLs/article.aspx?C2004=12605&BSP=12580
[7] http://www.independent.co.uk/news/world/middle-east/israelis-build-the-worlds-
biggest-detention-centre-7547401.html
[8] http://www.haaretz.com/news/national/israel-seeks-to-build-tent-camp-for-african-migrants-with-no-sewage-or-proper-facilities.premium-1.437205
[9] http://www.haaretz.com/misc/iphone-article/netanyahu-israel-could-be-overrun-by-african-
infiltrators-1.431589
[10] http://www.jspace.com/news/articles/israeli-experts-propose-wall-to-stop-climate-refugees/9012
[11] http://www.marxists.de/middleast/ironwall/ironwall.htm
[12] http://www.haaretz.com/mobile/.premium-1.550838
[13] http://www.jpost.com/LandedPages/PrintArticle.aspx?id=159701
[14] http://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-4269540,00.html
[15] http://www.theguardian.com/world/2012/may/24/israelis-attack-african-migrants-protest

http://www.iranews.com.br/noticia/10972/israel-viagem-pelo-deserto-de-negev-ao-coracao-do-pesadelo


Loading. Please wait...

Fotos popular