Pravda.ru

Mundo

O 11 de setembro e sua possível relação com o petróleo Saudita

15.06.2016
 
O 11 de setembro e sua possível relação com o petróleo Saudita. 24531.jpeg

O 11 de setembro e sua possível relação com o petróleo Saudita e a venda de armamentos das indústrias da família Bush

15 anos depois ainda não esclarecido

Julio S. Fernández Alcorta

Um setembro de conspirações e impunidades

Recentemente, foi conhecido que o Congresso dos Estados Unidos, abriu investigações sobre os terríveis acontecimentos de 11 de setembro de 2001 e o envolvimento da Arábia Saudita.

Nestes 15 anos tem sido deliberadamente escondidas esas investigações, é inconcebível que esses terroristas tenham operado com tal impunidade em uma nação que tem as instituições mais poderosas nos episódios de inteligência do mundo.

A comunidade internacional, o povo dos Estados Unidos e, especialmente, as famílias dos mais de 3.000 mortes, ainda não são compreenderam, nem ninguém explicou a eles, como foi possível tanta negligência; ou quem eram os verdadeiros culpados.

É escandaloso que 19 elementos, a maioria dos cidadãos da Arábia Saudita, muitos deles anteriormente fichados como suspeitos entraram nos Estados Unidos, abriram contas bancárias, receberam aulas de vôo em escolas do país, permaneceram meses na organização destes eventos; chegaram aos aeroportos como simples passageiros,  entregaram suas passagens, sequestraram  e desviaram as rotas das grandes aeronaves  de passageiros; foram para Nova York, Washington e Pensilvânia, sem serem presos, nem imediatamente interceptado durante os voos.

Além disso, quando os Estados Unidos têm o Comando para a Defesa do espaço Aéreo Norteamericano, o CODAN (NORAD), que tem procedimentos muito estritos para saber em pouquíssimos minutos, qualquer desvio da aeronave da sua rota normal, e interceptar com os caças militares que se encontravam nas várias bases aéreas próximas.

 

E quando se trata de aviões Boeing, que estão em cidades como Washington e Nova Iorque (como neste caso), a força aérea e a CODAN são instruídos a agir ainda mais rápido, de modo a não pôr em perigo as vidas de milhares de pessoas.

Estranhamente, isso não aconteceu. As regras e procedimentos rigorosos encerraram suas operações em 11 de setembro, entre 8 e 10 horas, mesmo quando sabiam que não era um avião, mas um número desconhecido de aviões desviados.

 Familiares de Bin Ladem nos Estados Unidois

Não é minha intenção emitir um documento abrangente que contenha todo o procedimento intrincado desta suspeita macabra história, mas capturar alguns registros obtidos a partir de publicações da época, elas poderiam nos guiar de tal maneira que nos permitisse apreciar a dimensão deste evento que, de acordo com muitos, deveriam constituir uma mudança importante nas relações internacionais nas próximas décadas e, especificamente, o relacionamento da Arábia Saudita com o governo dos Estados Unidos.

Vamos ver abaixo:

A CONEXÃO:

Osama Bin Laden é o filho de um imigrante iemenita, que se instala na Arábia Saudita, onde ele construiu um império econômico.

Um dos orgulhos do grupo islâmico é a maior empresa de construção do mundo, com escritórios em Londres e Genebra.

O grande desenvolvimento do grupo ocorreu quando o rei saudí Faisal em 1933, encarregou o pai de Bin Laden de restaurar os lugares sagrados de Meca e Medina.

Eles logo começaram a investir em outras empresas em todo o mundo, incluindo os Estados Unidos. Ele mantém relações comerciais significativas com:

Citigroup, General Electric, Merrill Lynch, Goldman Sachs, Grupo Fremont.

(James Mayer, New Yorker, 12/11/2001. Michael Moss, New York Times 28/10/2001).

De acordo com o New York Times, também eles possuiam parte da Microsoft e dos gigantes da industria aeronáutica e militar da Boeing.

Eles doaram US $ 2 milhões para a Universidade de Harvard, US $ 300 mil à Universidade Tufts, e milhares mais para Conselho de Política do Oriente Médio, um gabinete estratégico focado na política para o Oriente Médio e dirigido por um embaixador americano para a Arábia Saudita, Charles Freeman .

(O império de negócios Bin Laden. St.Petersburg Time. Sept.23, 1001).

Assim que terminou o seu mandato, o presidente George H. Bush, pai, se tornou um consultor para a empresa Carlyle Group. Entre os investidores da companhia está a família de Bin Laden, que investiu nele, pelo menos, 2 milhões de dólares.

(Kurt Eichewald, New York Times, oct.26, 2001).

Entre suas muitas atividades Carlyle Group é um dos principais empreiteiros do Dpto. de Defesa dos EUA. Não fabricam armas, mas compram empresas do sector militar, as recuperam e depois as vendem por somas astronômicas. (www carlyle group.com)

A família Bin Laden tem amigos e parceiros norte-americanos com muita influência. Em 1993, contratam Philip Griffin, ex-Cônsul Geral dos Estados Unidos em Jiddash, para defender seus interesses em Washington.

Por 2 millones de dólares, la familia también se compra un puesto en el Consejo de Directores del Grupo Carlyle. También pertenecen al Grupo :

Por  2 milhões de dólares, a família também comprou  um assento no Conselho de Administração do Grupo Carlyle. Também pertencem ao Grupo:

George H.Bush, pai

James Baker, ex-Ministro de Estado

John Major, ex-primeiro-ministro britânico

O presidente do Grupo é Frank Carlucci, ex-diretor da CIA.

Um mês antes do fatal 11 de setembro, de Putin, presidente ruso, ordena seus serviços de intleigencia para alertar o governo dos Estados Unidos urgentemente, que os terroristas estão planejando ataques em larga escala contra prédios do governo dos EUA. Autoridades russas deixaram conscientes seus colegas da CIA, e lhes disseram que há 25 terroristas treinados para sequestrar aviões e os levar para missões suicidas.

(Entrevista com o Presidente Putin em 15 de setembro de 2001, MS-NBC)

Cinco serviços de inteligência estrangeiros advertiram os seus homólogos americanos: o russo, os egípcio, o  israelense, o francês e o alemão. O BND, o serviço secreto alemão, disse, literalmente, à CIA em Junho de 2001:

“Há terroristas no Oriente Médio que estão planejando seqüestrar aviões de passageiros e usá-los para atacar símbolos importantes dos Estados Unidos.”

(Frankfurter Allgemeine Zeitung. 14 de setembro de 2001) (Patrick Tyler, The New York Times, 04 de junho de 2002)

Em 10 de julho de 2001, Kenneth Williams, oficial do FBI, Phoenix (Arizona), envia um relatório para a sede. Ele escreve que tem lhe chamado a atenção que no seu distrito tenham se registado um número invulgarmente elevado de árabes no curso para pilotos. Ele perguntou se poderia ser que isso fosse parte de um plano de Bin Laden para seqüestrar aviões.

Em sua resposta , a sede disse que não havia indícios suficientes para investigar o assunto com maior profundidade.

(Www Ron Fournier Salon.com 16 de maio de 2002) (Michel Hirsh, Newsweek, 27 de maio de 2002).

Em 17 de agosto de 2001, o serviço de imigração do Estado de Minnesota, prendeu Zacarias Moussaoui, um marroquino de 33 anos, nascido na França. O homem fazia o curso para piloto da Pan Am. Int. Flight Academy em Eagan. Alguns professores alertaram o FBI de seu comportamento estranho. Aos profesores lhes disseram que não tinha necessidade de aprender a descolar ou a aterrar, que só queria saber pilotar o avião no ar. O FBI chamado várias vezes.

Finalmente a imigração terminapor  prendê-lo por não ter a documentação em ordem. O oficial que realiza a investigação solicita ao FBI um mandado de busca e permissão para pesquisar o disco rígido do computador de Zacarias. A sede não autorizar o pedido por  “falta de provas”. Só depois de 11/9, Moussaoui será transferido da prisão da imigração para uma prisão do FBI.

Mais tarde, veio à tona que o FBI realizou  uma pesquisa na sua casa algumas horas após os ataques de 11 de setembro, encontrando documentos que mostram a relação entre Moussaoui e os sequestradores.

(The New York Times, dic.22, 2001. Thomas D.Frank. New York Daily News maio 17,2002. O International Herald Tribune, 07 de junho de 2002).

Inclusive R.Mueller, chefe do FBI, admitiu que se os agentes em Minnesota tivessem sido autorizados a fazer investigações, eles iriam concluir a relação entre os envolvidos e, provavelmente, poderiam ter evitado os ataques de 11/9.

Em 5 de julho de 2001, o agente Scott Gregory, Palm Beach County, parou um carro por excesso de velocidade. Quem dirige é Mohammed Atta. Ele mostra a carta de condução ao xerife. O xerife digita o nome em seu computador, mas o sistema não indica como pessoa procurada. De uma forma estranha os arquivos do sequestrador, Morramed Atta, tinham desaparecido do sistema de informações.  (Der Spiegel, Dezembro de 2001).

Apesar de todas estas deficiências incríveis e absurdos cometidos pela CIA e o FBI e outros órgãos de inteligência e polícia, antes de 11 de setembro, em um espaço de poucos dias após o ataque, eles sabem tudo:

COLETIVA APÓS O 11 DE SETEMBRO:

Umas  dúzias de membros da família Bin Laden residentes nos Estados Unidos, em sua maior parte fazendo faculdade ou alunos do ensino médio em escolas particulares privadas estavam no país quando os ataques ocorreram.

The New York Times informou que funcionários da embaixada da Arábia Saudita, temendo que eles pudessem se tornar um alvo de represálias norte-americanas, os reuniu imediatamente com o consentimento do FBI. De acordo com um funcionário saudita, os Bin Laden voaram em jato particular de Los Angeles para Orlando, em seguida para Washington e, finalmente, para Boston.

Como a Agência Federal de Aviação- FAA permitiu permitidos vôos internacionais, partiram para a Europa.

“Temendo represálias, a família de Bin Laden fugiu dos Estados Unidos.” A notícia começou assim. Durante os dias seguintes, a Arábia Saudita supervisionou a evacuação imediata dos 24 membros da grande familia de Osama Bin Laden dos Estados Unidos.

(Patrick E. Tyler, New York Times, 30 de setembro de 2001).

De acordo com o London Times, a saída de tantos sauditas preocupados aos investigadores estadunidenses, acreditando que talvez alguns deles teriam informações sobre os sequestradores.

O FBI começou a ver se algum dos 186 suspeitos  presos durante os cinco días posteriores aos atentados havia comprado armas nos meses anteriores ao 11/09. O FBI consultou os arquivos de antecedentes dos compradores de armas e imediatamente verivicou que dois dos suspeitos haviam comprado armas. Quando John Ashcroft, Procurador Geral dos EUA soube, ele mandou parar a investigação.

(Fox Butterfield, New York Times, 6 de dezembro de 2001).

Alguém poderia esclarecer por que quando o Congresso dos Estados Unidos lançou sua investigação em 9/11, o presidente na época, George W. Bush, o filho, censurou as 28 páginas sobre o papel da Arábia Saudita na ataques?

Até agora tenho sido capaz de relacionar alguns dos fatos que estavam conectados com os ataques de 11 de setembro de 2001, ele revela com incrível descaramento, a cumplicidade e conivência das poderosas elites governantes e sua parentela dentro dos Estados Unidos e outro país muito em sintonia com as políticas conspirativas, belicistas e corruptas da familia dos Bush.

É inexplicável que uma tragédia desta magnitude aconteceu em uma nação tão poderosa e mesmo depois de 15 anos, os únicos culpados foram os  19  “loucos” que ousaram invadir os símbolos mais importantes da sociedade americana.

Por outro lado, mostrou-se arriscado e vergonhoso para as graves consequências que isso tem trazido, que apenas alguns dias após os ataques, os governantes daquela nação e a totalidade dos meios de comunicação foram dedicados quase exclusivamente a desenvolver maniacamente, exortando o população a um turbilhão de acusações falsas que justificaram GUERRAS INFINITAS.

EM CONCLUSÃO:

1. É claramente evidente que coincidiram três fatores determinantes na realização dos eventos de 11 de Setembro: o casamento expresso entre a monarquia saudita, os parentes milionários de Bin Laden e a família Bush.

2. A maneira com que se desenvolveram as ações investigativas para identificar os sequestradores não têm paralelo com nada na história para esses casos.

3. Isso só se compreende, e não precisa ser bem versado no assunto, relacionando-o a uma conspiração bem feita dos que se acostumaram a o fazer neste imperio, com a cumplicidade das forças obscuras que aparecem claramente nos testemunhos publicados. Ou alguém não se  lembra do enredo abominável que matou o presidente John F. Kennedy, há mais de 50 anos e ainda não foram desarquivados os documentos que podem esclarecer.

4. A finalidade bem conhecida pela comunidade internacional destes conspiradores configuram a razão propagandística que George W. Bush, seu filho, e seus acólitos neoconservadores precisavam para se legitimarem no poder,  detonar guerra permanente e implementar os objetivos do PROJETO PARA O NOVO SÉCULO AMERICANO.

Por otro lado, pienso, con cierto grado de especulación, que los secuestradores no eran solo individuos fanáticos y lunáticos, sino que constituían una fuerza militar bien entrenada con experiencia en el manejo de naves aéreas grandes de pasajeros. No se concibe otra cosa si nos atenemos a la forma en que maniobraron para estrellarse contra las Torres Gemelas en una ciudad como New York, y especialmente la maestría del piloto que hizo estrellar su nave en el Pentágono.  ESTO NO SE APRENDE EN TAN POCO TIEMPO EN ESCUELAS COMO LAS QUE UTILIZARON EN EL PROPIO ESTADOS UNIDOS.

5. Por outro lado, eu acho que, com algum grau de especulação, os seqüestradores não eram apenas individuos loucos e fanáticos, mas eles eram uma força militar bem treinada, com experiência em lidar com grandes aviões de passageiros.  De outra forma não é concebivel se você verificar  a forma como eles manobraram para bater contra as Torres Gêmeas em uma cidade como Nova York, e, especialmente, a perícia do piloto que fez o seu avião se chocar contra o Pentágono. ISTO NÃO SE APRENDE EM POUCO TEMPO EM ESCOLAS COMO AS QUE FORAM UTILIZADAS NOS PRÓPRIOS ESTADOS UNIDOS.

6. É surpreendente que recentemente tenha aparecido no Congresso dos Estados Unidos  um projeto de lei que exige que o governo dos Estados Unidos estabeleça uma acusação formal ao regime monárquico da Arábia Sauditao e o indiciamento por seu papel nos ataques de 11 de setembro, o que pode ter consequências graves para as relações dos EUA com a monarquia.

Pensando mal, será que o governo dos Estados Unidos concluiu que a grave situação na região, e especialmente nessa monarquia, não é garantida a curto e médio prazo, do fornecimento estável de petróleo para sua nação especialmente considerando que um navio-tanque leva cerca de 45 dias para chegar do Golfo Pérsico ao largo da costa dos Estados Unidos?

E esta realidade que atingiram os seus grupos de reflexão, não será inclinando para tirar a aventura perigosa para liquidar o governo bolivariano da Venezuela para garantir a sua enorme riqueza petrolífera, que ademáis estão a 4 ou 5 dias de viagem da sua costa no Golfo do México?

Não teria isso a ver também com o Decreto-Lei assinado pelo Presidente Obama há um ano atrás, declarando a Venezuela como uma ameaça para a segurança dos Estados Unidos, preparando as condições para o assalto final a esse país?

Havana, 25 de maio de 2016.

Julio S. Fernández Alcorta

in


Loading. Please wait...

Fotos popular