Pravda.ru

Mundo

A necessária Prensa Latina

14.06.2020
 
A necessária Prensa Latina. 33415.jpeg

A necessária Prensa Latina

 

Por Luis Enrique González Acosta * Havana, 13 de junho (Prensa Latina) Era necessária uma agência em Cuba e na América Latina. A Revolução triunfante de 1ú de janeiro de 1959, liderada por Fidel Castro, buscou imediatamente com a Prensa Latina a ferramenta para enfrentar a difamação e as campanhas da mídia.

 

O primeiro projeto de comunicação na América Latina, de relevância e abrangência internacional, completa 61 anos, com uma visão alternativa e verdadeira da realidade regional e universal.

Fidel Castro tomou a iniciativa e convocou várias centenas de jornalistas de todo o mundo a Havana em 21 e 22 de janeiro de 1959, para mostrar a realidade diante da escalada de mentiras que prevaleciam e promoviam os monopólios de informação da época.

'Nós não temos telegramas internacionais. Vocês jornalistas latino-americanos não têm escolha a não ser aceitar o que o telegrama diz, que não é latino-americano', disse ele àqueles que participaram de sua chamada no que é conhecido como Operação Verdade.

Em suas palavras, o líder da Revolução Cubana afirmou que a informação da América Latina deveria estar na posse dos meios que lhe permitem conhecer a verdade e não ser vítima de mentiras.

Então a semente germinou. 'A idéia de fundar a Prensa Latina surgiu durante a Operação Verdade. As fontes de informação na América Latina precisavam ser protegidas', escreveu o jornalista argentino Jorge Ricardo Masetti, seu primeiro diretor geral, dias depois.

O mês de vida que as grandes agências americanas lhe deram durou muito mais e agora ele está comemorando seu 61ú aniversário de maneira modesta, mas constante, sob seus princípios fundamentais de ser objetivo, mas não imparcial, já que você não pode ser imparcial entre bons e maus. mal.

Fidel Castro e o comandante Ernesto Che Guevara foram os promotores do projeto, que teve a contribuição decisiva de profissionais cubanos e latino-americanos, incluindo Carlos María Gutiérrez, Rodolfo Walsh e Gabriel García Márquez, que receberam o Prêmio Nobel de Literatura em 1982.

A agência, a serviço da verdade, enfrentou em toda a sua história obstáculos e dificuldades de vários tipos, desde ataques, fechamentos, congelamento de fundos, prisões e até assassinatos.

Seus jornalistas estiveram nos principais eventos de política, economia, ciência e tecnologia, cultura ou esporte. O mundo sabia de golpe fascista ou agressão imperial, graças a repórteres que arriscaram suas vidas.

Relevantes são as imagens de Masetti em cobertura direta da sabotagem criminal de La Coubre ou Girón, antes da invasão mercenária.

Seus correspondentes estavam no golpe fascista contra o presidente Salvador Allende, no Chile, a vitória sandinista na Nicarágua, as invasões dos EUA em Granada e Panamá, sem mencionar a atual pandemia de Covid-19.

A Prensa Latina é hoje uma instituição multimídia com sede em Havana, Cuba. Possui correspondentes permanentes em cerca de 40 países e colaboradores em várias dezenas de países, que são o eixo central do seu serviço de notícias do mundo 24 horas em seis idiomas (www.prensa-latina.cu).

Com nove de suas próprias publicações e uma dúzia editada para terceiros, a agência aprimora seus serviços de fotografia, o selo editorial, o arquivo fotográfico histórico e as transmissões de seus departamentos de rádio e televisão.

O alcance da Prensa Latina é apoiado ainda pelo impacto nas redes sociais, utilizado em campanhas semelhantes às que deram origem à agência. (Facebook @AgenciaPrensalatinaOficial, Twitter @PLprensalatina, YouTube https://www.youtube.com/user/PrensaLatinaTV/videos), Instagram @PrensalatinaCuba, Telegrama https://t.me/TesoroLatino.

* Presidente da Prensa Latina

 

http://www.patrialatina.com.br/a-necessaria-prensa-latina/

 

 

 

 

Mundo n3

 


Fotos popular