Pravda.ru

Mundo

Repensar a economia

14.06.2015
 
Repensar a economia. 22360.jpeg

Marcus Eduardo de Oliveira

O rol a seguir, com 12 itens, contempla algumas ponderações que ferem os postulados clássicos do ensino tradicional das ciências econômicas no que toca a pouca atenção mantida com as questões ecológicas:

1.      O sistema econômico deve respeitar os limites físicos da natureza, além de fazer um auto-reconhecimento de ser apenas de um subsistema da bioesfera finita que lhe dá suporte;

2.      A abundância material, fruto da expansão produtiva sem limites, não é (e nunca será) promotora de bem-estar, posto que um aumento na oferta de bens e serviços, face ao uso constante de energia fóssil, agride a biodiversidade, colocando o próprio bem-estar dos povos na berlinda;

3.      Impor limites ao crescimento da economia global não significa travar a atividade produtiva. Limite não é o mesmo que paralisia;

4.      É imprescindível reconhecer que a energia física e os serviços energéticos desempenham papéis preponderantes na produtividade e na busca que se espera seja moderada do crescimento da economia;

5.      É absolutamente fundamental colocar a vida econômica à serviço do desenvolvimento social, proporcionando, com isso, duplo alcance: aumento das oportunidades e conquista definitiva das liberdades;

6.      Urge promover a conciliação entre a economia e o meio ambiente e extirpar o pensamento econômico tradicional que recomenda o crescimento econômico alcançado a qualquer custo;

7.      Os agentes econômicos (consumidores, governos e empresas) não são os donos da Terra, mas sim seus hóspedes;

8.      Não se pode fingir ou mesmo negligenciar que vivemos em um ecossistema ilimitado;

9.      O crescimento econômico permanente, dado os limites da natureza, é impossível de ser alcançado, e é perfeitamente possível obter prosperidade sem crescimento;

10.  O eixo central da economia não pode ser o mercado e, o objeto principal, a mercadoria, mas, sim, o indivíduo e suas necessidades elementares, convivendo pacificamente com a natureza e enaltecendo a vida social que é, sobremaneira, dependente de um conjunto de serviços ecossistêmicos;

11.  O ritmo econômico atual, baseado na exploração desenfreada de recursos naturais e no superconsumo, é simplesmente insustentável, incabível e contraproducente;

12.  A transição para uma economia global de baixo carbono com preservação e valorização da biodiversidade deve ser a meta-síntese dos próximos tempos de todos os governos e povos.

Todas essas ponderações, sem exceção, contrariam à ordotoxia econômica. Tais argumentos colocam em xeque o tradicional pensamento econômico que defende ser a economia (atividade) um sistema fechado, sem interação com a natureza.

Os manuais de Introdução à Economia - qualquer um desses - insistem em defender uma economia hermeticamente padronizada, além de propagarem a prática do individualismo em economias centradas na valorização dos ganhos máximos.

Pouco, ou quase nada, é expresso em termos de valorização do indivíduo, do respeito aos limites físicos e naturais, e de uma economia voltada ao bem-estar coletivo que, essencialmente, incorpore em sua plataforma de ação à temática da economia verde, da economia azul, de uma economia estabelecida no princípio do baixo carbono, resguardando os princípios da sustentabilidade, tema esse tão caro ao fundamento maior que é preservar a qualidade de vida num ambiente que tem sido constantemente agredido pela ação humana.

Surge disso à necessidade de se repensar a economia em outras bases, em outros valores, longe do mercado consumidor, próximo de uma ecologia humana e social.

É mais que urgente, assim, repensar uma economia que esteja acoplada à ecologia, e que submeta os interesses individuais (principalmente de produção e consumo) aos interesses da Terra.

Não é mais possível postergar o enfretamento do seguinte dilema: a preservação dos recursos naturais (limitados, finitos) de um lado, frente à produção econômica cada vez mais intensiva para tentar "cobrir" as necessidades humanas (ilimitadas, infinitas), de outro.

Ademais, para o atendimento dessas necessidades é imperioso, antes, que a atividade econômica se insira nas condições (limites) do meio ambiente, de onde provém matéria e energia para que a própria produção industrial possa se efetivar.

Dito de outra forma, a produção da atividade econômica tem que respeitar, essencialmente, os limites da biosfera, condição a partir da qual se alcança o que se convenciona chamar de sustentabilidade, ou seja, uma relação equilibrada com o meio ambiente em sua totalidade, considerando que todos os elementos afetam e são afetados reciprocamente pela ação humana e pelo jeito econômico de produzir.

No caminho para a conquista definitiva dos padrões de sustentabilidade, meta almejada para a conquista de um ambiente em harmonia, é importante destacar que qualquer ação da atividade econômica só faz sentido se, e somente se, houver um redirecionamento da economia visando sua inserção dentro dos limites biofísicos; fora disso estamos condenando o meio ambiente ao caos.

Praticar uma atividade econômica longe dos domínios da natureza, longe, portanto, dos limites biofísicos existentes, apenas contribui para o agravamento da crise ambiental que aí está.

Como assevera Luiz Fernando Merico, em Economia e Sustentabilidade (ed. Loyola, 2008), é por isso que "o desejo de manter permanentes os processos que nos sustentam nos conduz ao raciocínio de que o atual modelo de desenvolvimento econômico é insustentável, e de que, portanto, a racionalidade econômica deve ser profundamente alterada, no sentido de incorporação dos limites sociais e ambientais".

Alterar a racionalidade econômica implica, antes, repensar os caminhos da economia em sentido amplo. É disso que carecemos no momento. É essa a necessidade mais premente dos dias atuais.

  

  

(*) Economista e professor.

Mestre pela (USP) e especialista em Política Internacional (FESP).

prof.marcuseduardo@bol.com.br

 


Loading. Please wait...

Fotos popular