Pravda.ru

Mundo

De jornalistas comprados a cientistas comprados

13.06.2020
 
De jornalistas comprados a cientistas comprados. 33408.jpeg

De jornalistas comprados a cientistas comprados

por Stephen Karganovic

Ambos vão em parceria, é claro. Quando, há vários anos, o falecido Udo Ulfkotte publicou suas revelações sobre o funcionamento interno da corrupta mídia ocidental (impressa em inglês por uma editora menor em 2017, mas "indisponível" desde então [NR] , seguida logo após pela morte conveniente por ataque cardíaco do aparentemente saudável autor alemão de 57 anos) quem suspeitaria que no fabuloso Ocidente processos idênticos estavam a corroer outras áreas importantes da vida pública?

Apenas como um lembrete, como a editora aponta no seu anúncio: "O Dr. Udo Ulfkotte, antigo editor do principal jornal diário alemão, Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), tem conhecimento em primeira mão de como a CIA e a inteligência alemã (BND) subornam jornalistas para escreverem artigos livres da verdade e com um viés decididamente pró-ocidental, a favor da NATO ou, por outras palavras, propaganda. No seu livro best-seller Jornalistas comprados ("Gekaufte Journalisten"), o Dr. Ulfkotte explica em pormenor o funcionamento da campanha de propaganda dos EUA e da OTAN e como a falta de conformidade com ela por parte de um jornalista pode custar-lhe a carreira".

A pandemia em curso do Coronavírus, seja lá o que for que se pense dela, expôs uma situação na ciência ocidental que é sinistramente análoga à que Ulfkotte descreveu naquilo que passa como "jornalismo".

Um dos poucos cientistas nos EUA com integridade para resistir àa intensaa pressões - que podem custar uma carreira - para distorcer dados científicos e adaptá-los aos requisitos de marketing de enormes empresas farmacêuticas é a renomada microbiologista Dra. Judy Mikovits. A Dra. Mikovits desempenhou um papel de liderança na pesquisa de HIV nos anos 80 e foi muito elogiada na época pela sua contribuição para suprimir aquela epidemia. Mas, apesar das suas notáveis credenciais científicas, ela rapidamente se tornou persona non grata para o establishment científico comprado (gekaufte) quando começou a questionar algumas das verdades sagradas da actual comoção de Corona. "O martelo começou a cair", ela explica, "e disseram-me para negar os dados, deturpá-los, jogá-los fora e, quando me recusei, fui demitida. Meu laboratório foi fechado em 29 de Setembro [2019] e meus dois gabinetes e toda a minha carreira de 30 anos e tudo, meus cadernos de notas, foram confiscados" .

A simbiose da "Big Science"-"Big Pharma" e seu comité executivo (infelizmente a expressão leninista funciona melhor aqui), também conhecido como "governo", manifestou-se vividamente no fiasco de Neil Ferguson do Oxford College, usando um modelo matemático manipulado e desconsiderando dados concretos para fazer aparecer um cenário de desastre fantasmagórico de pandemia que posteriormente resultou em um genuíno desastre económico, social e, para infelizes milhões de pessoas, de magnitude incalculável. Numa peça desavergonhada dedicada ao charlatão Ferguson, ele foi elogiado pelo Business Insider por ter "modelado a disseminação de todos aqueles surtos, aconselhando cinco primeiros-ministros do Reino Unido no processo. Mas tudo isso parece como um ensaio para 2020". Na verdade, foi isso mesmo, como estamos a descobrir. Ficando por mencionar, é claro, o registo assustador das consultas infelizes de Ferguson, todas as suas previsões em epidemias anteriores (assim como a actual) que se mostraram sempre totalmente erradas. No fim, cercado por factos irrefutáveis, Ferguson foi obrigado a admitir , com o "maior respeito" pelos cientistas suecos, que a Suécia havia conseguido suprimir o vírus Corona sem recorrer a restrições severas, e ele até teve o descaramento de acrescentar - depois de os danos causados pelas suas recomendações se terem tornado irreversíveis - que a Suécia havia usado "a mesma ciência que o Reino Unido" para alcançar um resultado bem-sucedido de saúde pública a um custo social muito menor. Mas, como disse recentemente o amigo de Ferguson, George Soros, inequivocamente e com incrível franqueza , "mesmo antes da pandemia, percebi que estávamos num momento revolucionário em que aquilo que seria impossível ou mesmo inconcebível em tempos normais não só se tornara possível como provavelmente absolutamente necessário". A agenda na verdade deve ser avançada a qualquer custo e, como observou não há muito tempo outra pessoa do mesmo círculo desagradável: "ninguém quer que uma crise séria seja desperdiçada" .

E agora chegamos a uma das fontes do sistema científico comprado (gekaufte Wisterenschaft) da actual histeria global, revelada inesperadamente pela mais improvável autoridade jornalística, The Guardian : "Uma investigação do Guardian pode revelar que a companhia Surgisphere, com sede nos EUA, cujos poucos funcionários parecem incluir um escritor de ficção científica e um modelo de conteúdos para adultos, forneceu dados para múltiplos estudos sobre o Covid-19, em co-autoria com o seu director executivo, mas até agora não conseguiu explicar adequadamente seus dados ou metodologia".

Verifica-se que o impacto desta empresa obscura sobre as políticas e práticas de governos e organizações internacionais foi nada menos que espectacular:   "Os dados que ela afirma ter obtido legitimamente de mais de um milhar de hospitais em todo o mundo constituíram a base de artigos científicos que levaram a mudanças nas políticas de tratamento do Covid-19 em países latino-americanos. Ela também esteve por trás de uma decisão da OMS e institutos de investigação de todo o mundo de suspender os ensaios do controverso medicamento hidroxicloroquina. Na quarta-feira, a OMS anunciou que estes ensaios seriam agora retomados". Por outras palavras, o que The Guardian descobriu dentro do nexo científico e governamental ocidental foi um enorme e absolutamente vergonhoso caso de fraude.

Mas não foi fraude apenas no sentido abstracto da palavra. Ela teve consequências tangíveis no mundo real, afectando directamente a vida e a saúde de incontáveis seres humanos.

Como quando, em 22 de Maio de 2020, e inteiramente baseado nas descobertas "científicas" apresentadas pela Surgisphere Corporation, a prestigiada revista médica britânica The Lancet publicou "Hidroxicloroquina ou cloroquina com ou sem um macrolídeo para tratamento do COVID-19: uma análise de registos multinacionais" . Isto foi descrito (e mais tarde o artigo foi desmentido misericordiosamente) como sendo um estudo observacional envolvendo alegadamente mais de 96 mil pacientes Covid-19 hospitalizados em 671 hospitais em seis continentes. O que não foi divulgado é o facto de que os dois principais co-autores têm significativos e relevantes conflitos de interesse financeiros que podem ter influenciado o que foi relatado.

Como se fosse o momento oportuno, poucos dias após a publicação pela Lancet desses dados falsos, o Dr. Anthony Fauci, chefe do National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID), referindo-se à hidroxicloroquina, declarou na CNN:   "Agora os dados científicos são realmente bastante evidentes sobre a falta de eficácia". Uma campanha dos media contra a hidroxicloroquina (HCQ) criou pânico:   ensaios clínicos destinados a testar a hidroxicloroquina para o COVID-19 foram suspensos por instituições internacionais de saúde pública, incluindo a Organização Mundial da Saúde, a agência reguladora do Reino Unido e o governo francês. Como destacou Stephen Smith, médico dos EUA com integridade profissional: "pacientes com COVID-19 morreram por causa do estudo falso da Lancet que desacreditou a hidroxicloroquina" .

Tudo isto tem um sólido sentido financeiro, é claro. A hidroxicloroquina é um remédio extremamente barato e amplamente disponível, cujas receitas de vendas não encheriam os cofres de ninguém e que não se presta a nenhuma das outras agendas de "exploração de crises" que os srs. Soros, Gates, Ferguson et al. podem ter em mente. A vacina injectada em processamento com que ameaçam globalmente, no entanto, atende a todos os seus requisitos sinistros e oferece a perspectiva de lucros sumarentos praticamente ilimitados. Caso encerrado.

Mas isso é só uma das coisas que acontecem quando nações e seus governos comprados permitem que patifes e charlatães os trapaceiem.

[NR] Está disponível em Presstitutes Embedded Pay CIA (em inglês) e em Gekaufte Journalisten (em alemão)

O original encontra-se em www.strategic-culture.org/...

Este artigo encontra-se em https://resistir.info

 

 

 

http://www.patrialatina.com.br/de-jornalistas-comprados-a-cientistas-comprados/

 


Fotos popular