Pravda.ru

Mundo

Blackwater na Somália?

13.01.2010
 
Blackwater na Somália?

Reuters relata um porta-voz do grupo islâmico Al Shabaab na Somália, alegando que um grupo de mercenários da Blackwater/Xe Services dos E.U.A. está na Somália, está recrutando e está planejando uma série de espetaculares ataques terroristas contra civis para desacreditar o seu movimento em Mogadíscio.


O porta-voz é Sheikh Mohammed Ali Rage da Al-Shabaab (Os Jovens), uma facção militante que combate as forças do governo na Somália meridional e central. Em uma entrevista à Reuters, ele afirmou que os mercenários da Blackwater (agora chamado Xe Serviços) começaram o planejamento de ataques com bomba em Mogadíscio para desacreditar o Al-Shabaab.


"As agências dos E.U.A. estão preparando para lançar ataques suicidas em locais públicos em Mogadíscio. Eles tentaram isso na Argélia, Paquistão e Afeganistão ". Ele acrescentou que a meta será o mercado de Bakara. A fonte advertiu, aparentemente, uma reunião de chefes tribais que Xe Serviços entrou na Somália e já começou a recrutar operacionais para realizar seus ataques.


Massacres do Blackwater
5 mercenários da Blackwater foram acusados do assassinato de 17 civis iraquianos em um massacre na praça Nisour, Bagdá, em setembro de 2007. A decisão do juiz federal dos E.U.A. Ricardo Urbina este mês para libertá-los, alegando que seus direitos constitucionais foram violados (um acordo anterior do regime de Bush com o Governo iraquiano, já revogado, tinha isentado o pessoal de segurança dos E.U.A. de acusação) tem causou indignação no Iraque, onde o primeiro-ministro Maliki al-Noori responde à notícia, afirmando que Bagdá "rejeita a decisão do tribunal dos E.U.A. para absolver a empresa do crime de assassinato de vários cidadãos". Rotulando a decisão como "inaceitável e injusta", o governo iraquiano declarou que vai ajudar as famílias das vítimas para trazer outras acções em tribunais norte-americanos.


Os cinco mercenários foram acusados de 17 crimes de homicídio, 20 tentativas de homicídio e uma acusação de violação de porte de armas. Um sexto mercenário havia se declarou culpado e concordou em cooperar com as autoridades.


No Afeganistão, 2 mercenários do Blackwater foram formalmente acusados do assassinato de dois civis afegãos em 2009 em Cabul. Justin Cannon (27) do Texas e Christopher Drotleff, de Virgínia, enfrentam 13 acusações, incluindo homicídio, para o qual poderiam ser condenados à morte.


Peritos em direitos humanos da ONU pediram que os Estados Unidos da América leve à justiça os mercenários do Blackwater acusados do massacre de Bagdá, alegando que Bagdá e Washington devem trabalhar juntos para resolver a questão.

Shaista Shameen, presidente do grupo independente de peritos em direitos humanos da ONU declarou: "Nós respeitamos a independência do sistema de justiça nos E.U.A. e seus requisitos para o devido processo, mas estamos preocupados que a recente decisão de rejeitar o processo contra os guardas da Blackwater possa conduzir a uma situação em que ninguém é responsabilizado pelas graves violações nos direitos humanos".


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular