Pravda.ru

Mundo

Sanções desgastam a influência dos EUA no mundo inteiro

12.08.2014
 
Sanções desgastam a influência dos EUA no mundo inteiro. 20708.jpeg

Há alguns dias os Leveretts analisaram os efeitos de sanções financeiras dos EUA e vários outros modos pelos quais os EUA irritam grandes países. Para aqueles professores, o caminho atual da política exterior dos EUA consumirá a hegemonia do dólar norte-americano e levará à destruição do "privilégio extraordinário" (de Gaulle) de que os EUA gozaram com a competência para imprimir a moeda de reserva do planeta.

 

6/8/2014, Moon of Alabama - http://goo.gl/ngK6Ek

 

O desgaste político do dólar será sentido nos mercados de commodities e especialmente nos negócios de energia o que, por sua vez, gerará efeitos nas relações internacionais (Petrodollars, Petroyuan, and the Ongoing Erosion of American Hegemony):

6/8/2014, Moon of Alabama - http://goo.gl/ngK6Ek


"Olhando à frente, o uso do renminbi para pagar por compras internacionais de petróleo e gás com certeza aumentará, o que fará declinar mais rapidamente a influência dos EUA em regiões chaves da produção de energia. Marginalmente, o mesmo processo irá tornando mais difícil para Washington financiar o que China e outras potências emergentes veem como políticas abertamente intervencionistas - perspectiva que a classe política nos EUA ainda sequer começou a ponderar com seriedade."[1]


Infelizmente, poucos ouvirão o que dizem os Leveretts. Mas agora Bloomberg aparece com o mesmo tema[2] (Russia Sanctions Accelerate Risk to Dollar Dominance)


Embora ninguém esteja sugerindo que o dólar perderá seu status de principal moeda de comercial a qualquer instante, o seu status dominante já periclita. A fatia de dólares nas reservas globais já encolheu para menos de 61%, bem abaixo dos mais de 72% em 2001. Os sinais tornaram-se mais audíveis depois da crise financeira em 2008, evento que começou quando explodiu a bolha dos empréstimos podres para hipotecas de residências, e grandes nações dentre os mercados emergentes, inclusive a Rússia, passaram a conduzir mais negócios em suas próprias moedas.

"A crise levou a repensar o mundo denominado em dólar em que vivemos" - disse Joseph Quinlan, chefe estrategista de mercado do Fundo EUA do Bank of America, que administra cerca de $380 bilhões. "Esse desagradável evento entre a Rússia e o ocidente por causa de sanções, pode ser um acelerador na direção de um mundo multi-moedas."


Há uns cinco anos, nós já observávamos[3] esse declínio do dólar norte-americano como moeda de reserva e seus efeitos:


Por muito tempo os EUA puderam tomar emprestado barato e pagar ainda menos em valor real, que o empréstimo original. Aquele privilégio agora está acabando. Os trilhões de que os EUA atualmente têm de tomar emprestados no exterior terão de ser integralmente pagos. Essa é mudança muito grande no status de potência global dos EUA, e fará reduzir seriamente a influência dos EUA em questões políticas internacionais.


A União Europeia, que tão estupidamente acrescentou sanções suas às sanções norte-americanas contra a Rússia, também está se autoagredindo:[4]


Interdependência financeira é poderosa oportunidade para diplomacia coerciva.

Mas a mensagem não planejada que os líderes europeus enviam é que a interdependência financeira é fonte de vulnerabilidade, que países como a Rússia, mas também China, Irã e outros, bem farão se evitarem.
...

As sanções financeiras da Europa contra a Rússia também acrescentam incentivos para que os países cuidem de criar arranjos que reduzam a interdependência financeira.

Sobretudo, aqueles incentivos só aumentarão, se as sanções forem bem-sucedidas. Ainda que a Europa encoraje o governo russo a mudar sua política para a Ucrânia, o governo russo responderá, no longo prazo, sempre procurando arranjos financeiros que o deixem menos exposto a tal coerção.


Decorrerão anos até que o dólar perca seu status de moeda de reserva, mas o declínio já é visível. Mais e mais negócios estão sendo feitos em condições de bilateralidade entre parceiros e nas respectivas moedas, e pagos por fora dos canais financeiros que os EUA tentam sancionar, bloquear, espionar ou criminalizar.

A política externa dos EUA - que só sabe depender de sanções, pressões e guerras - está serrando o galho (alto) no qual os EUA estão pousados. *****

 


[1] 7/8/2014, "Cresce o Petroyuan (e a lenta erosão da hegemonia do dólar norte-americano)", Flynt Leverett e Hillary Mann Leverett, World Financial Review, trad. em http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/08/cresce-o-petroyuan-e-lenta-erosao-da.html?spref=bl

[2] http://www.bloomberg.com/news/2014-08-06/russia-sanctions-accelerate-risk-to-dollar-dominance.html

[3] http://www.moonofalabama.org/2009/03/the-us-is-losing-its-reserve-currency-privilege.html

[4] http://www.themoscowtimes.com/opinion/article/eu-sanctions-against-russia-are-a-double-edged-sword/504482.html

 


Loading. Please wait...

Fotos popular