Pravda.ru

Mundo

Era nuclear: A humanidade está a namoriscar com a extinção

12.05.2019
 

 

Era nuclear: A humanidade está a namoriscar com a extinção. 30970.jpeg

Era nuclear: A humanidade está a namoriscar com a extinção

A verdade mais impressionante e assustadora sobre a era nuclear é a seguinte: as armas nucleares são capazes de destruir a civilização e a vida mais complexa do planeta, mas quase nada está a ser feito a este respeito.

por DAVID KRIEGER

 

A verdade mais impressionante e assustadora sobre a era nuclear é a seguinte: as armas nucleares são capazes de destruir a civilização e a vida mais complexa do planeta, mas quase nada está a ser feito a este respeito. A Humanidade está a namoriscar com a extinção e está a sentir a "agonia das rãs". É como se a espécie humana tivesse sido colocada num caldeirão de água morna - metaforicamente em relação aos perigos nucleares e literalmente no que diz respeito à mudança climática - e parecesse estar calma dentro da água, enquanto a temperatura sobe em direcção ao ponto de ebulição. Neste artigo, concentro a minha atenção no caldeirão metafórico de aquecimento da água, a caminho da fervura, representando os perigos nucleares crescentes que são confrontados por toda a Humanidade.

Por mais perturbador que seja, não há virtualmente nenhuma vontade política da parte das nações que possuem arsenais nucleares de alterar esta situação perigosa; e, apesar das obrigações legais de negociar de boa fé, o fim da corrida armamentista nuclear e o desarmamento nuclear, não há grande esforço entre os países detentores de armas nucleares e os países sob o guarda-chuva nuclear (países da NATO) para atingir o zero nuclear. Enquanto os países sem armas nucleares negociaram o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW) e estão a diligenciar estabelecer a entrada em vigor deste Tratado, os países que possuem armas e aqueles que se abrigam sob a sua protecção nuclear, não apoiaram o novo Tratado.

Os nove países com armas nucleares boicotaram, na totalidade, as negociações internacionais sobre a proibição e eliminação das armas nucleares. Além do mais, cada um desses países está a modernizar o seu arsenal nuclear, desperdiçando recursos valiosos em armas que nunca deverão ser usadas e fazem-no enquanto as necessidades básicas de biliões de pessoas em todo o mundo, não são tidas em consideração nem cumpridas. Apesar desta situação injusta e deplorável, a maioria dos 7 biliões de pessoas no planeta,tem uma atitude tolerante e acomodada, em relação às armas nucleares, o que só adiciona combustível ao fogo sob o caldeirão das rãs.

Na era nuclear, a Humanidade é desafiada como nunca jamais aconteceu. A nossa tecnologia e, especialmente, as nossas armas nucleares, podem destruir-nos, bem como todos que nos são queridos. Mas antes de podermos responder a estes perigos gigantescos, devemos primeiro despertar a consciência para os mesmos. A complacência está enraizada na apatia, na conformidade, na ignorância e na negação - uma receita para o desastre. Se quisermos prevalecer sobre as nossas tecnologias, devemos passar da apatia à empatia; da conformidade ao pensamento crítico; da ignorância à sabedoria; e da negação ao reconhecimento do perigo. Mas como vamos fazê-lo?

A solução é a educação - uma educação que promova a participação; uma educação que force os  indivíduos e as nações a enfrentar a verdade sobre os perigos da era nuclear. Precisamos de uma educação que leve à acção que permita à Humanidade sair do caldeirão metafórico com a água a aquecer, antes que seja tarde demais.

A educação pode apresentar-se de muitas formas, mas deve começar por uma análise sólida dos perigos actuais e pelas críticas à falta de progresso na contenção dos perigos da era nuclear.

Ø  Precisamos de uma educação que esteja enraizada no bem comum.

Ø  Precisamos de uma educação que forneça uma plataforma para as vozes dos sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki.

Ø  Precisamos de uma educação que torne clara a instabilidade e a natureza perigosa da dissuasão nuclear.

Ø  Precisamos de uma educação que desafie a arrogância suprema dos dirigentes que acreditam que o 'status quo' nuclear global pode sobreviver indefinidamente, em face da maldade e da falibilidade humana.

Temos necessidade de uma educação que possa romper os laços da insanidade nuclear e levar o mundo à acção. Se quisermos saltar do caldeirão de água sempre a aquecer, evitar o desastre e alcançar o porto seguro do zero nuclear,temos de nos esforçar para que as pessoas falem e exijam muito mais dos seus dirigentes.

David Krieger é um dos fundadores da Nuclear Age Peace Foundation, e preside à mesma, desde 1982. É o autor e editor de muitos livros sobre os perigos nucleares, incluindo "ZERO: The Case for Nuclear Weapons Abolition = ZERO: O caso da Abolição das Armas Nucleares".

Tradutora: Maia Luísa de Vasconcellos

Email: luisavasconcellos2012@gmail.com

https://nowarnonato.blogspot.com/2019/05/era-nuclear-humanidade-esta-namoriscar.html

 


Loading. Please wait...

Fotos popular