Pravda.ru

Mundo

O Secretário Geral da ONU, António Guterres, não condena os assassínios dos EUA no Iraque

12.01.2020
 
O Secretário Geral da ONU, António Guterres, não condena os assassínios dos EUA no Iraque. 32460.jpeg

O Secretário Geral da ONU, António Guterres, não condena os assassínios dos EUA no Iraque

Por Stephen Lendman

Global Research, 05 de Janeiro 05 de 2020

Região: Médio Oriente & Norte de África

Tema Lei e Justiça, Nações Unidas   

 

A relatora especial da ONU sobre execuções extra judiciais, sumárias ou arbitrárias, Agnès Callamard, criticou o assassínio perpetrado pelo regime Trump, do General iraniano Soleimani,  do Vice Presidente iraquiano da PMU, Abu Mahdi al-Muhandis e de outros que estavam com eles, twittando o seguinte:

 "Os homicídios de Qasem Soleiman e Abu Mahdi Al-Muhandis são muito provavelmente ilegais e violam o Direito Internacional sobre os Direitos Humanos".

"Fora do contexto das hostilidades activas, o uso de drones ou de outros meios para matar alvos, quase nunca é legal."

"Outro grande problema com as mortes extra-territoriais é a falta de supervisão".

 "Os poderes executivos decidem quem pode ser morto sem o devido processo judicial, quando é que agem em legítima defesa, contra quem e como. Sem a aprovação dos respectivos parlamentos."

Pompeo comentou o assassínio de Soleimani com uma ladainha de Grandes Mentiras, dizendo:

O regime Trump "decidiu eliminar Soleimani em resposta a ameaças iminentes à vida de cidadãos americanos (sic).

 "A nossa obrigação foi evitar a escalada (sic)."

Assassinar Soleimani foi uma "acção defensiva destinada a combater as ameaças agressivas utilizadas pela Força Iraniana Quds (sic)".

Ele "estava a conspirar activamente na região para levar a cabo acções ... que colocariam em risco dezenas senão centenas de vidas de americanos(sic)".

Tudo o que foi mencionado acima é puro lixo e  ninguém que compreenda como os EUA agem acredita nessas afirmações, isto é, eles agem de acordo com as suas próprias regras e extra judicialmente, a fim de alcançar os seus objectivos imperiais.

 

Matar Soleimani, Muhandis e os que os acompanhavam, foi um assassinato a sangue frio dos EUA, um crime hediondo e injustificável.

O Pentágono desculpou ilegitimamente o seu acto criminoso, dizendo o seguinte:

 "Sob a direcção de (Trump), as forças armadas dos EUA tomaram medidas defensivas decisivas para proteger o pessoal americano no estrangeiro, matando-os" - uma Grande Mentira, seguida de mais mentiras, afirmando falaciosamente:

Soleimani "comandou ataques a bases da coligação no Iraque, nos últimos meses (sic)".

 "Este ataque teve como objectivo impedir futuros planos de ataque iranianos."

"Os Estados Unidos continuarão a tomar todas as medidas necessárias para proteger o nosso povo e os nossos interesses onde quer que estejam, em todo o mundo (sic)."

A agressão levada a cabo pelo regime Trump e pelos seus mais recentes predecessores transformou centenas de milhões de muçulmanos em inimigos dos EUA, além de inúmeros outros, em todo o mundo - tornando os EUA o país mais insultado do mundo.

Em toda a História da República Islâmica, desde 1979, as autoridades e chefias militares nunca ordenaram um ataque a outra nação ou aos respectivos oficiais.

Pompeo não apresentou provas que apoiassem as suas acusações absurdas porque não existem.

Sempre que António Guterres comenta incidentes como o assassínio de Soleimani e outras acções hostis dos EUA, da NATO e de Israel, ele apela sempre a todos os lados para mostrarem contenção - deixando de evidenciar a culpa onde ela pertence.

Depois de não dizer nada durante horas após a agressão patrocinada pelo regime de Trump contra Soleimani e os que o acompanhavam, o seu porta-voz emitiu a sua observação pré-escrita, dizendo:

 "O Secretário Geral tem defendido consistentemente a não escalada no Golfo (sic). Está profundamente preocupado com a recente escalada (sic). "

"Este é o momento em que os líderes devem exercer a máxima restrição (sic). O mundo não pode permitir que haja outra guerra no Golfo (sic). "

"O mundo" precisa de um Chefe da Organização mundial com coragem moral, e não de um boneco pró-ocidental covarde - manipulado pelos poderes mais influentes em Washington, Bruxelas e Tel Aviv.

O líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, pediu "a punição dos assassinos criminosos do regime Trump", acrescentando:

É "o dever e a responsabilidade de todos os combatentes da resistência em todo o mundo".

"Nós, que ficamos ao lado de Soleimani, seguiremos os seus passos e esforçar-nos-emos, dia e noite, para alcançar os seus objectivos."

"Levaremos uma bandeira em todos os campos de batalha e em todas as frentes e intensificaremos as vitórias do 'eixo da resistência' com a bênção do seu sangue puro."

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Síria condenou as agressões e os assassinatos dos EUA, designando  as suas acções como "uma escalada séria ... um acto covarde  de agressão ... que fortalece a nossa determinação de seguir o caminho dos líderes martirizados da resistência".

Na sexta-feira, centenas de milhares de iranianos foram às ruas para condenar o regime de Trump.

A longo prazo, as políticas dos EUA são auto-destrutivas, o extremismo típico de uma nação em declínio.

Quanto maiores são as suas acções hostis em todo o mundo, mais inimigos eles adquirem.

Comentando o assassínio de Soleimani, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Maria Zakharova, diz o seguinte:

O "ataque com mísseis do Pentágono (que matou Soleimani e os outros) foi um acto que não está em consonância com o Direito Internacional ... o cúmulo do cinismo" levado a cabo por um Estado imoral.

O objectivo de Washington tem tudo a ver com fazer valer o Poder sobre o Direito, procurando "alterar o equilíbrio de poder na região".

"Não resultará em nada a não ser escalar tensões crescentes na região, o que, certamente, irá afectar milhões de pessoas".

A acção do regime Trump "não escapará às Nações Unidas", o Conselho de Segurança irá abordá-lo: o poder de veto dos EUA/Reino Unido/França impedirá a condenação oficial.

Matar Soleimani e o Vice Presidente da PMU do Iraque, Abu Mahdi al-Muhandis e os restantes que os acompanhavam, só irá desestabilizar ainda mais a região.

As suas mortes nada tinham a ver com a protecção de vidas de cidadãos americanos, mas sim, tudo a ver com o avanço do Império Americano.

Foi um acto imprudente e auto-destrutivo que lhes saiu gorado, não conseguindo nada senão uma raiva popular ainda maior contra os EUA.

Também conduz os parlamentares iraquianos a aprovar uma legislação que ordene a saída das forças americanas do país, o que pode acontecer.

Autor laureado, Stephen Lendman, vive em Chicago. Pode ser contactado através do email: lendmanstephen@sbcglobal.net. Pesquisador Associado do Centre for Research on Globalization (CRG)

Obra mais recente: "Flashpoint in Ukraine: US Drive for Hegemony Risks WW III."

http://www.claritypress.com/LendmanIII.html

Visite o seu blog  sjlendman.blogspot.com.

Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos 

Email: luisavasconcellos2012@gmail.com

Webpage: NO WAR NO NATO

https://nowarnonato.blogspot.com/2020/01/o-secretario-geral-da-onu-antonio.html

 


Fotos popular