Pravda.ru

Mundo

9/11: 10 anos depois - O mundo é um lugar mais seguro?

11.09.2011
 

9/11: 10 anos depois - O mundo é um lugar mais seguro?. 15583.jpegOs "golpes aéreos" duplos contra as Torres Gémeas há dez anos mudaram a história e criaram um vórtice que envolveu 3,000 vidas e 2,000 anos de civilização humana. Foi um momento onde o bem e o mal tornaram-se inseparáveis ​​e onde o mal encontrou uma justificativa para existir. Foi o início de um frenesim assassino interplanetário e tem de terminar.

 

Tragédia humana

Para começar, que ninguém use o aniversário para uma encenação de auto-proclamação ao escrever um artigo de opinião/editorial sem primeiro se focar no que realmente interessa aqui: a tragédia que é a perda de vidas humanas, a escuridão, o vazio, o sentimento de perda, o desespero e que a tristeza inexplicável de uma intensidade que provoca dor, que envolta as famílias e amigos que perderam seus entes queridos de forma tão inesperada e tão repentina. Dez anos é tempo suficiente para curar a ferida na superfície, mas no fundo ela apodrece na alma durante uma eternidade.

Estou falando das três mil pessoas de muitas nacionalidades, raças, cores e credos, cujas vidas foram tiradas em 11 de setembro de 2001, dia em que eu mergulhei, horrorizado, na onda de choque colectiva que passou por todo o mundo ao testemunhar os dois aviões a embaterem nas Torres Gêmeas do World Trade Center. Também estou falando nas centenas de milhares de pessoas, ou provavelmente mais de um milhão, que foram posteriormente assassinadas no Afeganistão, Iraque e agora, na Líbia.

Eu não considero uma morte mais ou menos trágica do que outra, eu não lamento a perda de um nova-iorquino com mais ou menos intensidade do que um habitante de Kandahar, al-Fallujah ou Tripoli, porque nessas cidades, e muitas outras, as feridas são muito mais recentes do que aquelas causadas no 11/09 e foram infligidas em consequência desta data. O mundo não é, portanto, um lugar mais seguro.

O que estava por trás de 11/09?

Algo dentro de mim quer acreditar que 9 / 11 foi um ataque terrorista contra os EUA por fanáticos islâmicos, porem na análise temo algo muito mais sinistro por trás. As duas aeronaves eu vi, mas eu também vi o que parecia ser a implosão controlada das Torres Gémeas, uma vez que desabaram tão obedientemente formando uma pilha de escombros. Se as torres eram velhas e tinham que ser demolidas, que uma maneira de evitar pagar a factura

da operação. O avião do Pentágono não vi. Nem vi qualquer destroço do mesmo. Eu vi os postes de iluminação em frente de onde o avião deveria ter caído, que pareciam ter resistido ao impacto das asas sem sequer um arranhão e eu não vi a quarta aeronave porque "vaporizou-se". Sim, todas as 200 toneladas da mesma, motores e tudo. Pois...

O tempo dirá. Se o 9/11 foi um trabalho interno ou não, e mais uma vez, espero sinceramente que não foi (porque isso confirmaria as minhas dúvidas quanto à validade da raça humana no nosso Universo), a máquina política e militar que surgiu deste abismo, ou seja, a aliança das Nações Unidas e a OTAN, por todas as piores razões, apareceram através da névoa como um monstro saqueador numa fúria assassina. O mundo não é, portanto, um lugar mais seguro e o perigo tem nome: OTAN.

Campanha afegã antecedeu o 9/11 por três anos?

As provas firmes que ligam bin Laden e, portanto, o Afeganistão ao 9/11 ainda são inexistentes e como se tornou a norma nos últimos 10 anos, se baseiam em boatos, enquanto fontes credíveis desceram para o nível "alguém disse que ouviu a esposa do padeiro dizer..."

De facto, em 1998, Mullah Mohammed Omar declarou em uma entrevista com o jornal paquistanês Dawn que os EUA haviam oferecido 5.000 milhões de dólares para a construção de um gasoduto no seu país levando gás da Ásia Central até ao Paquistão e que quando ele se recusou, ele começou a ouvir o tocar do relógio. Três anos mais tarde, com Rumsfeld e Cheney se escondendo atrás de Bush ... sabemos o que aconteceu.

 

(Na sua sabedoria coletiva, a OTAN não avançou mais longe do que as Forças Armadas Soviéticas fez - e a OTAN tem sorte de ter os russos no seu lado e não trabalhar contra a organização que lançou os Mujaheddin/Talebã).

Manipulação da mídia

Os meios de comunicação, que se tornaram mais sinistros enquanto aperfeiçoaram seus métodos de divulgação de desinformação e mentiras descaradas, mantiveram o ímpeto depois do Afeganistão previsivelmente descer no pântano que é hoje. Um exemplo clássico disso foi Jeremy Thompson da SKY News rastejar-se pelas... pernas... de alguns soldados dos EUA entrando no Iraque, dizendo: "Ei, rapazes! À procura de alguma vingança por 9/11?"

Que pergunta, que tentativa descarada de manipular a opinião pública. E isto não é talvez o que 9/11 significava naquele dia trágico quando a nova linha do céu de Nova York foi indelevelmente gravada na história coletiva da cidade, mas infelizmente isso em que o 9/11 se tornou.

E isso é um estudo de maldade pura. Se a campanha no Afeganistão foi baseada em uma resolução da ONU e foi, na altura, abençoada pelo assentimento colectivo da humanidade que acreditou na altura na ligação com bin Laden, então o caso do Iraque não foi. Nem da Líbia.

9/11: O evento que pariu um monstro

O que surgiu a partir de 9/11 foi um novo vector de uma aliança militar chamada OTAN, apoiada tácita ou inadvertidamente, mas sempre apoiada, por uma ONU que aplica um conjunto de pesos e medidas para os inimigos da OTAN, mas outro quando se trata de crimes de guerra cometidos pelos EUA e seus aliados; por uma ONU que olha para o lado quando o sistema de fornecimento de água é bombardeado ou quando a OTAN ceifa civis com helicópteros; por uma ONU cuja imensa inépcia serve como pano de fundo para justificar as acções da OTAN nas suas guerras de petróleo.

Então, o que surgiu a partir de 9/11 não foi um debate colectivo ou discussão ou diálogo entre civilizações, que seria um ato de boa vontade que teria honrado as almas daqueles que foram perdidos, simplesmente porque 9/11 nunca tinha nada a ver com um choque de civilizações. Dez anos depois, vemos claramente o que 9/11 foi, ou seja, uma desculpa para os lobbies de energia, drogas, armas e os bancários em Washington, que controlam a política dos EUA, para avançarem, saquear e assassinar, com impunidade.

Se o 9/11 foi um dia monstruoso, também criou um monstro. E é aqui que podemos ajustar o registo e honrar aqueles cujas vidas foram perdidas, não só nesse dia, mas desde esse dia, durante estes 10 anos e três guerras que mancharam a primeira década do novo milênio. As mães americanas amam seus filhos, as mães afegãs amam seus filhos, as mães iraquianas amam seus filhos, as mães líbias amam seus filhos.

Lembrando que as lágrimas têm gosto de sal - seja quem for que as derrame - e que todo mundo prefere derramar lágrimas de felicidade e não de tristeza, nós, como comunidade internacional, podemos e devemos juntar-nps como uma família de irmãos e irmãs e defender a valores humanos colectivos, contra essa camarilha sinistra de elitistas, um punhado de barões cinzentos e invisíveis que controlam algumas centenas de dirigentes eleitos da nossa comunidade de quase sete bilhões de pessoas.

O que mudou?

O que era suposto ter mudado em 9/11 de 2001 foi o preceito Clauswitziano, que a guerra só pode ser travada por um exército controlado por um Estado, o que só seria o caso se 9/11 fosse apenas o trabalho de um grupo de islâmicos fanáticos. Os anos que se seguiram nos mostram que não se pode confiar nos líderes ocidentais porque repetidamente eles entregaram um mar de mentiras, na última década têm-nos mostrado que também não podemos confiar na mídia para entregar a verdade. Esta, e os políticos que cita, não são mais do que o departamento de marketing do produto que os lobbies desejam vender, ou melhor, roubar.

Os preceitos de verdade, honra e dignidade estão mortos e enterrados, a palavra "terrorismo" ou "terroristas" tornou-se sem sentido, como "combatente da liberdade", como "resistência". Ou se chama "ataques terroristas" ao bombardeamento contra civis da OTAN, ou então nós chamamos os ataques contra as Torres Gêmeas em 2001 "golpes aéreos".

O legado de 9/11 foi pervertido e rotundamente insultado pelo Pentágono e pela máfia sinistra criminosa chamada OTAN, que ele controla. No momento em que o Pentágono tornou-se o Quadrágono, ocorreu uma mutação, nasceu um mutante, apareceu na Terra o Senhor das Trevas.

Honrar o legado de 9/11


Não pode haver "fechamento" para aqueles que perderam familiares e amigos há dez anos, no entanto, podemos começar a fazer do mundo um sítio melhor, exigindo que o direito internacional seja respeitado e aplicado com o mesmo conjunto de pesos e medidas, para todos. Este pode ser o nosso projeto para a próxima década. Aqueles que se opõem à ideia, serão nomeados e envergonhados. Aqueles que a defendem estão corrigindo os erros cometidos desde 9/11 e ao fazê-lo estão honrando a memória daqueles que caíram nesse dia.

Mais do mesmo é totalmente inaceitável porque, como vimos na Líbia, o monstro não pára. Portanto, devemos pará-lo. Eu gostaria de terminar ao oferecer minhas sinceras condolências a todos aqueles cujas vidas foram alteradas pelo evento 9/11, acreditando firmemente que, ao insistir que o direito internacional seja aceite e aplicada da mesma forma, podemos garantir que de facto o mundo tornar-se-á mais seguro, melhor e que fornecerá uma casa para todas as pessoas na nossa comunidade mundial.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular