Pravda.ru

Mundo

A crise grega, o desastre da "esquerda radical" e as carpideiras neoreformistas no Brasil

11.08.2015
 
A crise grega, o desastre da

As crises têm um significado profundamente pedagógico para as sociedades. Quanto maior a crise, mais se aproxima o momento da verdade para todos: Estado, governos,  instituições públicas e privadas, partidos políticos, movimentos  sociais.  À medida em que a crise se acirra, vai se fechando o espaço para o oportunismo, a demagogia, as manipulações, as meias verdades, as falsas promessas, as soluções de compromissos, os pactos sociais. A crise não permite que ninguém fique em cima do muro. Cada instituição ou liderança é obrigada a se mostrar por inteiro, dizer com voz alta o que pensa, expor-se à luz do sol sem proteção.

Edmilson Costa*

As crises também são momentos em que chegam à superfície de maneira explícita todas as contradições da sociedade. As pessoas começam a perceber claramente aquilo que antes estava ofuscado pela manipulação dos meios de comunicação e pela viseira ideológica repetida de maneira contumaz pelas classes dirigentes. Outro grande ensinamento das crises também é o fato que nesses períodos os trabalhadores aprendem em dias de luta muito mais que em anos de calmaria, pois as manifestações, as greves, as batalhas nos locais de trabalho, nos bairros, nos locais de estudo e lazer ensinam muito mais que o aprendizado formal que obtiveram ao longo da vida.

Além disso, as crises representam os períodos mais tensos da luta de classes. Nesses períodos, os atores envolvidos no processo não podem agir como jogadores de pôquer: nestes momentos não há espaço para blefes! Nesse sentido, a crise atual é tão grave, profunda e devastadora que não permite soluções de compromisso, como nos velhos tempos da social-democracia clássica, quando o crescimento do capitalismo nos anos dourados keynesiano possibilitava algumas vantagens para os trabalhadores em troca da colaboração de classe e da paz social. Agora, essa rota de fuga foi cortada pela gravidade da crise. Com a crise e a desaparição da âncora soviética, o capitalismo voltou a seu estuário original de rudeza explícita: exploração, miséria e pobreza.

Essa é a tragédia do SYRIZA, a nova social-democracia fantasiada de "esquerda radical". Esse partido, em função do seu caráter de classe, dos seus objetivos estratégicos e de sua linha política confusa e conciliatória, já entrou derrotado nessas negociações. Isso porque acreditava, ao contrário do que vendia demagogicamente para as massas (fim dos memorandos, fim da austeridade, soberania nacional e resgate do emprego), num acordo com a Troika (União Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu), na vã ilusão de que seria possível conciliar os interesses dos trabalhadores com a Europa imperialista em crise aguda. Como já era esperado, mesmo com todas as concessões humilhantes, não foram aceitos no clube do capital.

Vale lembrar que o momento histórico em que a social-democracia pontificou entre os trabalhadores era outro e eles levaram cerca de um século para se desmoralizar. Agora, com a crise, o tempo histórico para esta novíssima social-democracia eleitoreira se esgotou. Não há espaço nem para a social-democracia clássica nem para a social-democracia retardatária. A crise é tamanha que o capital não pode sequer ceder os anéis ou proporcionar as migalhas do passado. Para se ter uma ideia do nível de desespero e degradação do sistema capitalista, recentemente a chefa do FMI, Christine Lagarde, disse que os anciãos estão vivendo muito e isso é um risco para a economia global... Nessa situação, como ceder à mão esquerda, se a mão direita está vazia.

Todas as organizações que recentemente povoaram o imaginário dos ingênuos, dos movimentistas, autonomistas, ongueiros até os anticomunistas fantasiados de vermelho estão destinadas a seguir o mesmo destino: o descrédito junto à população. É o SYRIZA na Grécia, o Podemos na Espanha, Bloco de Esquerda em Portugal, o Partido da Esquerda Europeia, o Sinn Fein, na Irlanda, o Die Link, na Alemanha, o Todos no Chile, o PSOL  no Brasil e assim por diante. As carpideiras que hoje derramam lágrimas de crocodilho no Brasil e em várias partes do mundo diante da "traição" do SYRIZA deveriam acumular ainda mais lágrimas, pois esse será o caminho dessas organizações.

Balaio de caranguejo

Em verdade, o SYRIZA não é nem nunca foi a "esquerda radical", como os meios de comunicação costumam lhe chamar, nem a "nova esquerda", como os movimentistas e autonomistas gostariam que fosse. O SYRIZA é um partido essencialmente reformista, não se propõe a sair da União Europeia, nem romper com o euro ou grande capital, quer apenas humanizar o capitalismo. Sua projeção foi insuflada pelos meios de comunicação, num excelente serviço de relações públicas para desorientar os trabalhadores, isolar o verdadeiro inimigo do capital, o KKE (Partido Comunista Grego) e desmoralizar a esquerda perante as massas, como aconteceu no Brasil com o Partido dos Trabalhadores. Consciente ou inconscientemente o SYRIZA cumpriu esse papel, pois em política não bastam as intenções: o que verdadeiramente interessa é a prática.

Para um observador mais atento da conjuntura grega, é importante assinalar que a própria trajetória do SYRIZA e sua composição social e ideológica  não poderiam permitir um resultado diferente do que realmente aconteceu. Esta organização (Sinaspismos Rizospastikis Aristerás - sigla SYRYZA) inicialmente foi formada por dissidentes eurocomunistas do KKE; posteriormente a esse grupo inicial foram se juntando outras formações, como ecologistas, maoísta, trotskistas, sociais-democratas, personalidades de esquerda e até dissidentes do PASOK, um verdadeiro balaio de caranguejos, cuja organização principal é o Sinaspismos, à qual pertence Alexis Tsipras.

Esses grupos todos se reuniram em maio de 2004 e fundaram o SYRIZA. Com a crise dos partidos tradicionais burgueses, o SYRIZA teve um crescimento meteórico: em 2004, conseguiu apenas 3,3% dos votos para o Parlamento grego e seis das 300 cadeiras; em 2007, aumentou esse percentual para 5% e conseguiu e 14 cadeiras; a partir de 2012 a ascensão foi vertiginosa, especialmente em função da crise, e também pelo fato de ser uma esquerda que se dizia "radical", "renovadora", diferente da esquerda tradicional, o KKE, e que iria acabar com austeridade e resgatar a soberania grega. Em função dessas singularidades, obteve uma repercussão extraordinária na mídia, inclusive nos principais meios de comunicação imperialistas. Em junho de 2012 o SYRIZA obteve 26,9% dos votos e 71 cadeiras. Estava aberto o caminho para se tornar o partido dirigente do governo grego: finalmente em 2015 o SYRIZA obteve 36,3% dos votos e 149 cadeiras no Parlamento, duas a menos que a maioria absoluta.

A partir da vitória eleitoral Tsipras foi empossado como primeiro-ministro, mas o SYRIZA começou a tomar atitudes aparentemente estranhas. Surpreendentemente, optou por uma coligação com um partido nacionalista de direita, Gregos Independentes,  para compor a maioria parlamentar, quando poderia ter coligado com outras formações de centro-esquerda no Parlamento. Para esse partido de direita entregou a pasta da Defesa. Como era começo de governo, muitos torceram o nariz,  mas absorveram a aliança com um mal necessário, afinal a sociedade grega estaria envolvida agora numa batalha muito maior que era o fim da austeridade e o resgate da soberania nacional.

Na verdade, essa aliança era apenas o resultado de um processo que já vinha se desenvolvendo no interior do SYRIZA há algum tempo, onde os setores mais conciliadoras ganhavam espaço à medida em que o partido ampliava sua influência institucional. Seu programa foi se modificando, seus dirigentes buscavam se apresentar como políticos responsáveis, que não tinham intenções de sair da zona do euro ou da União Europeia ou ainda tomar medidas unilaterais.  O discurso internacional em relação às principais instituições imperialistas também foi se amoldando à ordem: a odiada Troika passou a ser chamada de instituições, o memorando passou a ser denominado de acordo e os credores gregos obtiveram o grau de parceiros. Não era só a forma que estava mudando velozmente. O SYRYZA não queria a luta, não queria preparar o povo para uma longa e difícil batalha contra a oligarquia financeira, acreditava que era possível fazer omelete sem quebrar os ovos ou andar na chuva sem se molhar.

Além disso, o SYRIZA também se transformou num partido de personalidades, onde a bancada parlamentar passou a substituir as bases partidárias. No último Congresso, Tsipras foi eleito presidente pelo próprio Congresso, manobra que o transformou num ser intocável, uma vez que só pode ser destituído cargo, mesmo cometendo os piores erros, por um outro congresso daqui a três anos. Dessa forma, o Comitê Central passou a ser um órgão sem qualquer poder de decisão, pois não pode afastar nem mudar o presidente, a não ser que ele próprio concorde ou também aceite convocar um congresso extraordinário. Tsipras se transformou num reizinho jovem, que não deveria prestar contas para ninguém. Isso se tornou uma absoluta verdade quando, às vésperas do referendo, 109 dos 201 membros do Comitê Central assinaram um manifesto contra o acordo e mesmo assim sequer puderam se reunir ou barrar a decisão já tomada por Tsipras.

Uma rendição sem luta

É importante enfatizar que a crise grega é a síntese das contradições do capitalismo e do reformismo nesse momento da história. Mas justiça seja feita: a crise não começou com o SYRIZA, a crise é do capital e foi aprofundada pelos governos conservadores precedentes, PASOK, Nova Democracia e outros. Mas a responsabilidade do SYRIZA está justamente em ter enganado o povo, ter realizado promessas que não iria cumprir, ter se rendido covardemente sem luta, rastejado humilhantemente perante a oligarquia financeira, mesmo quando 61,3% da população em referendo rejeitaram as medidas de austeridade, que agora cinicamente o SYRIZA tenta justificar como se fosse uma fatalidade. Realmente, o memorando acertado por Tsipras é muito mais danoso ao povo grego que os memorandos anteriores e tão humilhante que custa acreditar como um personagem que há pouco era festejado como estrela de primeira grandeza conseguiu se transformar tão rapidamente num anão político.

É necessário conhecermos os pontos fundamentais do acordo para avaliarmos a profundidade do desastre e a incoerência do reformismo. 1) Reforma da Previdência: o governo se comprometeu a reformar a previdência, com aumento da idade da aposentadoria para 67 anos e restrições às chamadas aposentadorias precoces; 2) Reforma Trabalhista: revisão dos acordos de negociação coletiva, greves e demissões em geral e permissão para que o comércio possa abrir aos domingos; 3) Reforma Fiscal: o governo deverá aumentar o Imposto Sobre Valor Agregado (IVA) relativo ao consumo, bem como a ampliação da base tributária para aumento das receitas. 5) Reforma da Administração Pública: redução nos custos da administração e corte automático dos gastos para se adaptar às metas do superávit primário. O País terá ainda que reformar a justiça civil, de forma a adequá-la às normas europeias e possibilitar o autoresgate dos bancos, preservar a independência do setor de estatística e aprovar leis que também adaptem o sistema bancário ao restante da Europa.

Há ainda a maior das rendições: a Grécia deverá realizar uma privatização generalizada dos ativos públicos, envolvendo os setores de energia elétrica, transporte, comunicações e até os pontos turísticos como várias ilhas gregas. Esse fundo terá titularidade formal grega, mas será supervisionado pela Troika,  O resultado financeiro dessas privatizações será transferido para um fundo de privatizações, com o qual os credores europeus esperam arrecadar 50 bilhões de euros. Desse total, 75% serão destinados a pagamento da dívida externa e recapitalização dos bancos e apenas 25% poderão ser alocados para investimento interno. Para se uma ideia da monstruosidade dessa medida, basta dizer que as privatizações realizadas anteriormente pelos governos de direita somaram apenas cinco bilhões de euros.

Vale ressaltar que os credores, para humilhar ainda mais os líderes do SYRIZA, obrigaram a que o Parlamento grego aprovasse as medidas em tempo recorde (duas rodadas de aprovação já foram realizadas) e exigiram que todas as reformas fossem supervisionadas pela Troika, o que na prática significa que o País está sob a intervenção da oligarquia financeira e se transformou numa espécie de protetorado dessas instituições. Também exigiram a saída do governo do ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, que eles consideravam um negociador difícil, o que também foi aceito por Tsipras; foi substituído por um outro ministro mais palatável.  O nível de humilhação foi tamanha que o próprio Varoufakis divulgou o que lhe foi dito por um dos personagens das negociações: "Você pode até ter razão no que fala, mas nós vamos esmagá-los".

Em outras palavras, o primeiro-ministro grego vergou a espinha, capitulou de maneira indigna, abandonou os compromissos com a população e se transformou num agente consciente da oligarquia financeira contra seu povo. Isso se tornou mais claro com a votação no Parlamento: 229 a favor, 64 contra. Como 38 deputados do SYRIZA votaram contra ou se abstiveram (32 contra, seis abstenções e ainda um deputado faltou à votação), a aprovação do memorando só foi possível porque os partidos de direita socorreram o SYRIZA na sua marcha para a desmoralização. Em outros termos, confluíram para os mesmos objetivos tanto a chamada "esquerda radical" quanto a direita que já tinha implementado os dois memorandos anteriores.

Dois novos fatos políticos vieram se juntar a essa conjuntura  para compor o rápido processo de degeneração do reformismo moderno. O primeiro foi a ação da polícia, sob controle do governo do SYRIZA, que reprimiu brutalmente os manifestantes que protestavam em frente o Parlamento contra a aprovação do memorando, sem ficar nada a dever aos velhos tempos. O segundo é a ação da liderança do SYRIZA:  diante do fato de que alguns ministros e altos funcionários do governo votaram contra o memorando, resolveram fazer um expurgo generalizado, afastando do governo todos os ministros e funcionários que se manifestaram contra a capitulação. Essas duas medidas, de um lado, abrem espaços para a implementação de mais concessões e medidas impopulares, bem como deixa o campo aberto para a repressão generalizada que virá em função da indignação da população, que está se sentindo frustrada e traída.

O custo social da rendição

Como enfatizamos anteriormente, a luta de classes não é um jogo de pôquer: na luta de classes não tem blefe. Desde o início das negociações, Tsipras e Varoufakis tinham a ilusão de que seria possível alcançar uma negociação vantajosa com o Eurogrupo, que era possível uma reforma da União Europeia a partir de dentro. Por isso,  passaram a fazer um jogo duplo:  enquanto acenavam com concessões ao Eurogrupo e redefiniam os qualificativos para os credores, o memorando e a Troika,  internamente faziam um discurso altivo contra a austeridade, em defesa da soberania nacional e dos trabalhadores, especialmente os mais pobres. O SYRIZA imaginava que o blefe e a bazofia seriam capazes de dobrar a oligarquia financeira. Vale ressaltar que as bravatas que falava internamente não tinha nenhuma base real: o SYRYZA nunca buscou organizar a população para a resistência duradoura contra o Eurogrupo.

Mesmo antes do desfecho das negociações, Tsipras já tinha definido várias concessões,  dava mostra de que o seu discurso interno não era para valer e que não estava disposto ir às últimas consequências caso os credores resolvessem endurecer. Isso se tornou mais claro especialmente a partir de uma carta que enviou aos negociadores aceitando várias medidas da receita de austeridade, além de entrevistas à imprensa internacional no mesmo sentido. Parecia um bom menino querendo se mostrar bem comportado perante seus algozes. Dessa forma, quando os negociadores do grande capital perceberam a fragilidade do adversário desenvolveram um enredo não só para humilhar Tsipras e seu governo, mas especialmente para enviar uma mensagem a todos os povos esmagados pela dívida e pelas políticas predatórias de que este será o tratamento dispensado a todos os rebeldes e que também será inútil a rebeldia.

Em outras palavras, a Troika utilizou a incoerência e as ilusões do reformismo para golpear profundamente a vontade de luta do povo grego, reduzir as perspectivas de uma rebelião popular e impor um severo retrocesso social, político e econômico. Realmente, se levarmos em conta que o País que já vinha sendo destroçado pelas políticas predatórias da oligarquia financeira, o novo pacote de austeridade, se não houver resistência popular, vai aprofundar a barbárie. Afinal, o desemprego na Grécia está por volta de 28%, ressaltando-se que entre a população jovem esse índice atinge cerca de 60%, a renda média caiu cerca de 40%.

Milhares de funcionários públicos foram demitidos, as relações trabalhistas desreguladas, as aposentadorias perderam cerca de 28% de seu poder de compra e mais de 40% das pessoas estão vivendo abaixo da linha de pobreza. Numa situação dessa ordem, aumentam os suicídios entre os aposentados. Um deles se enforcou e deixou um bilhete afirmando estar convicto de que um dia o povo grego vai reunir forças suficientes para justiçar em praça pública todos os traidores do País.  Essa situação, que já era dramática, vai se tornar ainda pior com as novas medidas aprovadas no Parlamento. O reformismo demonstrou não estar à altura das tensões da luta de classes nem à altura da vontade do povo grego.

Todavia, o mais dramático é que a rendição aprovada pelo Parlamento grego não irá funcionar. Pelo contrário, a dívida grega, que era de 124% do PIB no início da crise já está por volta de 180% do PIB  e crescerá ainda mais e rapidamente, podendo chegar aos 200% até o final do ano. Isso significará  mais imposições para o pagamento de juros e novas medidas contra os trabalhadores e a população em geral. Com o aumento da recessão que virá, do desemprego, de mais empobrecimento das famílias e tensão social, haverá queda nas receitas fiscais e depressão profunda da economia. Como já foi demonstrado nos memorandos anteriores, essa receita predatória serve apenas para alimentar a volúpia da oligarquia financeira, aprofundar a crise e piorar as condições de vida da população.

As carpideiras do social-reformismo

Mas esse drama nos leva a conclusões importantes: a emergência do SYRIZA como organização política da "esquerda radical" criou grandes ilusões na esquerda internacional. Afinal, surgia no berço da democracia aquilo que era considerado aos quatro ventos como uma esquerda renovada, não sectária, democrática, que reunia os movimentos dos indignados com a globalização sem vínculo com o passado do socialismo real e, acima de tudo, disposta a enfrentar a Europa capitalista, a austeridade imposta pela União Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu e resgatar o orgulho grego. Era quase um milagre dos deuses a fazer surgir do Olimpo um Prometeu redentor capaz de resgatar a honra e a soberania da Grécia.

Por isso mesmo ganhou a simpatia de grande parte da opinião pública progressista, de partidos políticos, autonomistas, trotskistas e organizações sociais em todos os continentes. Muitos intelectuais de peso internacional deram apoio à nova organização. Delegações partidárias visitavam a Grécia não só para reverenciar e apoiar a nova esquerda, mas principalmente para se credenciar como a versão do SYRIZA em seus países. Parecia que se tinha encontrado a pedra filosofal para a luta política, principalmente porque parte do  SYRIZA saíra das fileiras do Partido Comunista Grego (KKE), considerado por esse pessoal como stalinista, sectário e ultraesquerdista. Muita gente não levou em consideração desde o início as advertências do KKE sobre essa esquerda renovada, seu caráter de classe e plataforma política. Estavam todos embriagados com a forma do fenômeno e sequer se deram ao trabalho de pesquisar as origens, observar a trajetória, seu programa e a prática política. Todas as críticas vindas daqueles que estavam atuando  teatro de operações na Grécia era relegadas a um plano secundário.

Quando nas eleições anteriores, o KKE se recusou a compor um governo com o SYRIZA e alertou sobre seu verdadeiro caráter político, recebeu críticas violentas, grosseiras, muitas delas enfatizando o sectarismo e o ultraesquerdismo dos comunistas. Nas eleições de janeiro, quando o SYRIZA obteve condições para formar o novo governo, essa esquerda parecia em êxtase. Notas de apoio e solidariedade foram enviadas por várias organizações. Todo mundo queria estar próximo ou se parecer com o SYRIZA. Ninguém percebeu ou não quis perceber que o SYRIZA, em vez de chamar as forças de centro-esquerda para compor o governo, pois necessitava de apenas dois deputados para compor a maioria absoluta, surpreendentemente compôs com um partido nacionalista de direita (muitos comentam que este acordo já estava selado muito antes do resultado das eleições), mas isso era visto como uma flexibilidade tática, afinal para derrotar um inimigo maior era necessário certas concessões internas.

Ao longo de cinco meses Tsipras e Varoufakis negociaram com o Eurogrupo, sempre enfatizando que o objetivo das negociações era acabar com austeridade, resgatar a soberania e desenvolver internamente um plano de salvação social. Quando as negociações chegaram a um impasse e as ilusões de que era possível um acordo com a oligarquia financeira se acabaram, então Tsipras tentou uma última cartada. Convocou um referendo para que a população se manifestasse contra ou a favor da austeridade. O KKE ainda tentou no Parlamento incluir no referendo um item no qual o povo deveria se manifestar também sobre o rompimento com os credores e a saída do euro, mas essa proposta sequer foi posta em votação no Parlamento. Isso já demonstrava que o SYRIZA não queria nem era capaz de enfrentar os credores europeus.

Confiando nos discursos dos líderes do SYRIZA, a população votou em massa (61,3%) contra a austeridade. Surpreendentemente, após o referendo, o líder do SYRIZA começou a mostrar sua verdadeira face: aceitou a pressão dos credores para a demissão de  Varoufakis, enviou uma carta ao Eurogrupo na qual praticamente aceitava a maior parte das exigências e deu entrevista à imprensa internacional reafirmando os pontos em que estava disposto ceder. Percebendo o blefe do adversário, os negociadores do apertaram o torniquete e exigiram concessões muito maiores do que aquilo que tinham oferecido anteriormente, sob pena da saída da Grécia da zona do euro. Tsipras jogou a toalha e rastejou humilhantemente perante os negociadores.

A partir daí mudou completamente o discurso e passou a defender abertamente as exigências da Troika, com a mesma chantagem e os mesmos argumentos que partidos de direita fizeram anteriormente. O que veio depois todos já conhecem: aprovação das medidas de mais austeridade, repressão aos trabalhadores que protestavam em frente ao Parlamente contra o memorando, expurgo dos ministros e funcionários do governo que se posicionaram ou votaram contra as medidas de austeridade e, agora, aliança com os partidos de direita (PASOK, Nova Democracia, Potami), sem os quais não teria aprovado as medidas no Parlamento. Ou seja, as tensões da luta de classes nesse momento de crise profunda do capitalismo são tão grandes que a máscara do reformismo levou somente seis meses para cair e, com sua queda, pode ter desmoralizado todas as  experiências semelhantes em gestação pelo mundo. 

No Brasil, há uma prostração generalizada. Praticamente, todos os agrupamentos de esquerda (à exceção do PCB - Partido Comunista Brasileiro) embarcaram na onda do SYRIZA e agora, cabisbaixos e envergonhados, tentam justificar suas posições e as próprias reviravoltas do SYRIZA. Outros passaram do apoio entusiasta à crítica aberta. Militantes do PT, para justificar a política de seu governo e num delírio histórico, dizem que o que ocorreu na Grécia não foi a rendição do SYRIZA, mas uma espécie de acordo de Brest-Litovski, no qual os bolcheviques foram obrigados a fazer concessões para salvar a revolução.  Nas outras organizações instala-se a prostração generalizada, a tentativa envergonhada de justificar as medidas do SYRIZA como um mal menor, mas a verdade é que a derrota política do SYRIZA foi um banho de água fria no reformismo brasileiro. Outras correntes agora criticam o SYRIZA para salvar a pele, mas todos estavam entusiasmados e agora curtem a ressaca moral e política.

Em outros termos, estão todos tontos, confusos, envergonhados, frustrados, chorando pelos cantos, mais perdidos que cego em tiroteio, procurando uma explicação para uma mudança tão drástica de perspectivas. Afinal, o sonho de ser a versão nacional do reformismo grego se transformou num pesadelo. Dormiram no paraíso e acordaram próximo ao inferno. E agora, sem referências internacionais, sem a âncora que imaginavam redentora, o caminho se tornou bem mais difícil. Mas é importante assinalar que nenhuma dessas organizações que se empolgaram com o SYRIZA teve a dignidade de fazer uma autocrítica das grosserias que assacaram contra o KKE antes do desfecho da tragédia. O mais engraçado é que agora o KKE é chamado de sectário, ultraesquerdista e coisas do gênero, quando em passado recente o acusavam de conter a luta dos trabalhadores. A coerência não é o forte desse pessoal.

Existiria outra saída além da rendição?

Estes acontecimentos que levaram a uma verdadeira tragédia grega merecem uma reflexão por parte de todas as forças sociais e políticas que desejam mudar o mundo e construir a nova sociedade. Mas antes, é necessário responder à questão central sobre a crise: existiria uma saída para além da capitulação. Como se sabe não existe crise eterna nem crise sem saída. E também na política não existe vácuo. Tsipras estava diante de uma disjuntiva: a rendição ou a luta. Ele preferiu a primeira opção. Mas se a rendição fosse a única saída para os povos explorados pelo imperialismo, o capitalismo seria um sistema eterno. Portanto, qualquer organização, seja militar ou política, que capitula sem luta diante do inimigo não merece sequer existir. No caso grego, assim como em relação aos países, a saída não é a rendição, a saída é a luta.

O fato é que existia um leque de alternativas bem amplo. O ministro demissionário Yanis Varoufakis propôs criar um sistema paralelo de liquidez que poderia ser ativado em caso de asfixia financeira e que possibilitaria uma transição para uma nova moeda. Também o ministro da Reconstrução Produtiva, da Energia e Meio Ambiente, Panayotis Lafazanis, da Platafoma de Esquerda, propôs outra alternativa: o governo passaria a utilizar os 22 bilhões de euros retidos Banco Central enquanto uma nova moeda não fosse introduzida. Para tanto, era necessário o governo intervir no Banco Central caso houvesse alguma resistência, uma vez que seu presidente era ligado aos interesses da Troika. Evidentemente que essas duas soluções ainda não representavam o rompimento com o euro nem com a União Europeia e estavam ainda dentro da lógica de resolver a crise grega sem romper com a Troika, mas pelo menos demonstravam alguma disposição para a resistência. Mas o novo reformismo não é capaz de ser sequer uma caricatura da esquerda.

Na verdade, a verdadeira saída para a crise seria a luta que possibilitasse a mudança na  correlação de formas entre o povo grego e o imperialismo europeu. Essa luta envolveria o cancelamento unilateral da dívida grega, que é a raiz principal dos problemas, a nacionalização dos bancos e dos grandes oligopólios, o desligamento da União Europeia e do euro, além do fim das relações com a OTAN,  e um programa de mudanças que incluísse o resgate dos salários dos trabalhadores e aposentados e a retomada da economia em novas bases, como um via de transição para a reorganização da sociedade grega, baseada no interesse dos trabalhadores e da população em geral.   Como ficou demonstrado, não existe a menor possibilidade de acordo com o imperialismo e muito menos é possível reformar a Europa capitalista a partir de dentro, especialmente neste momento de crise sistêmica global.

Mas antes de tudo, era necessário um chamado ao povo grego em praça pública em todas as regiões do País para tomar ciência dos passos que o governo iria dar e das possíveis consequências do rompimento com o imperialismo europeu. Essas assembleias teriam um papel importante na preparação da resistência, a partir  da organização nas fábricas, nos estaleiros, nos bancos, nos bairros, nos escritórios, nas escolas e universidade e no campo para resistir a qualquer tipo de ação do inimigo. Mas isso é pedir muito ao novo reformismo: ele não estava à altura do povo grego.  

Uma saída dessa magnitude com certeza criaria uma nova conjuntura internacional. Mesmo levando em conta que a Grécia representa apenas 2% do PIB europeu, a dívida externa está nas mãos principalmente dos bancos da Alemanha e da França e, portanto, um cancelamento da dívida impactaria todo o sistema financeiro europeu, em função dos fluxos de interdependência entre os bancos da região e colocaria a crise no colo do imperialismo e não do povo grego. Além disso, seria um exemplo para os trabalhadores que estão na mesma situação na Espanha, em Portugal, na Irlanda, na Itália e outros países,  mudando assim as perspectivas  da luta dos trabalhadores em toda a Europa.

O SYRIZA, com o mandato popular da maioria da população, teve em suas mãos a possibilidade histórica de contribuir de maneira efetiva na luta contra o imperialismo, mas preferiu compor com o inimigo, com o argumento de que fora das regras impostas pelos algozes não haveria alternativas. No imaginário popular deve estar grassando uma grande frustração, afinal todos imaginavam que o partido no governo respeitaria a vontade popular. Mas o custo político dessa  capitulação é muito grande e terá repercussão tanto no interior do próprio SYRIZA quando nos outros partidos políticos e na sociedade grega. Essa nova conjuntura deverá impactar profundamente o quadro político do País e, independentemente do que venha a acontecer com o governo, haverá uma reorganização das forças políticas tanto no interior do próprio SYRIZA, como nas outras forças e organizações sociais, pois numa conjuntura dessa ordem, a indignação popular vai ser canalizada   para algum tipo de ação política.

Como aconteceu com o Partido dos Trabalhadores no Brasil, uma parte da esquerda do SYRIZA vai continuar vociferando contra a direção majoritária, mas aos poucos irá se adaptar até a integração, muito embora de vez em quando queira se diferenciar da maioria. Outra parte poderá romper com o SYRIZA e formar outra organização, como aconteceu com o PSOL no Brasil. O setor majoritário do SYRYZA, se continuar governando, tomará medidas cada vez mais à direita e se integrará à ordem, mesmo mantendo um discurso formalmente progressista, para continuar enganando os trabalhadores.

Como a experiência já demonstrou, é melhor para o imperialismo que um partido dito de esquerda realize o trabalho sujo, pois os partidos tradicionais já estão bastante desgastados junto à população. Assim se torna mais fácil para o capital atingir seus objetivos. O reformismo apresentará essas medidas como o mal menor, mas seguirá em frente na sua saga de fazer o papel da mão esquerda do imperialismo. Esse filme nós já vimos no Brasil e muitas vezes quando alertávamos os camaradas em fóruns internacionais ou em bilaterais éramos vistos como sectários e esquerdistas. Agora a bola está novamente com o povo grego que, por sua tradição de luta, saberá encontrar os caminhos para dar a volta por cima e buscar  sua emancipação. 

* Edmilson Costa é doutor em economia pela Unicamp, com pós-doutorado na mesma instituição. É autor, entre outros de A globalização e o capitalismo contemporâneo e A crise econômica mundial, a globalização e o Brasil. É diretor de Pesquisa do Instituto Caio Prado Junior e um dos editores da revista Novos Temas e membro do Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro - PCB.

O SYRIZA é formado por 12 organizações, sendo o Sinaspismos, corrente de eurocomunistas expurgada do KKE com a crise da URSS, o bloco majoritário. As outras organizações que formam o Syriza são as seguintes: AKOA (Esquerda Comunista, Ecológica e Renovadora); DEA (Esquerda Internacionalista dos Trabalhadores, trotskista); DKKI (Movimento Democrático e Social, que saiu do PASOK); KOE (Organização Comunista da Grécia, maoísta); KOKKINO (Vermelho, trotskistas); Cidadãos Ativos (Corrente fundada por Manolos Glezos, figura histórica grega e herói da resistência contra o nazismo); KEDA (Movimento pela Esquerda Unida na Ação, cisão do KKE em 2000); Rizospastes (cisão dos Cidadãos Ativos - nacionalistas); Omada Roza (Grupo Roza, esquerda radical); APO (Grupo Político Anticapitalista, ligada ao trotskismo). Além dessas organizações, compõem ainda o SYRYZA personalidades que vão de sindicalistas a atletas olímpícos.

 


 

 


Loading. Please wait...

Fotos popular