Pravda.ru

Mundo

Invasão dos EUA à Síria: respirem fundo, antes de mergulhar

10.08.2015
 
Invasão dos EUA à Síria: respirem fundo, antes de mergulhar. 22704.jpeg

Quando a revista Foreign Policy anunciou recentemente, em artigo com o mesmo título, que "Turquia Vai à Guerra", o que queriam dizer realmente era "EUA vão à guerra". Isso, porque o longo plano que a revista expõe naquele artigo não é criação turca, mas antigo plano dos EUA, guardado na gaveta há, no mínimo, desde o início de 2012.

O artigo diz que:

Ambos, EUA e Turquia concordam que o Estado Islâmico tem de ser varrido de seu território e da fronteira turca, embora funcionários dos EUA só falem de uma "zona de facto segura", onde sírios refugiados possam encontrar abrigo contra os tiros dos Jihadis e de al-Assad.

Mas essas tais "zonas seguras" são precisamente o que a Brookings Institution, think tank norte-americano conspira para criar desde o primeiro dia do conflito sírio, sob os mais diversos pretextos - primeiro, por fingida preocupação "humanitária", semelhante à farsa que inventaram para justificar a guerra da OTAN contra a Líbia em 2011, agora usando o chamado "Estado Islâmico" (ISIS/ISIL/Daesh) como pretexto.

O "Middle East Memo #21", "Assessing Options for Regime Change" [Avaliando opções para mudança de regime], Brookings' 2012, dizia:


Alternativa é os esforços diplomáticos focarem-se primeiro em como pôr fim a violência e ganhar acesso humanitário, como está sendo feito sob a liderança de Annan. Assim se podem criar paraísos seguros e corredores humanitários, que terão de ser apoiados por limitado poder militar. No caso da Síria, é menos do que os objetivos dos EUA exigem para a Síria e poderia manter Assad no poder. Mas a partir desse ponto, é possível que uma ampla coalizão com o mandato internacional apropriado possa acrescentar mais ações coercitivas a seus esforços."

 

Justificação para a intromissão ocidental
Claramente, apesar de a justificação para a intromissão ocidental mudar conforme mudem os ventos políticos, o plano subjacente é sempre dividir, destruir, na sequência invadir, ocupar até chegar o ponto de atropelar cadáveres sírios pelas ruas.

Na verdade, o mais recente pretexto, ISIS, foi criado e perpetuado até o dia de hoje, pelos EUA, com apoio de Arábia Saudita, Israel, Jordânia e Turquia. O ISIS não tem como fabricar armas, dinheiro e combatentes dentro da Síria e do Iraque. Já se sabe que recebe de fora todos esses materiais e suprimentos e dinheiro e mão de obra. Só na Turquia, centenas de caminhões atravessam diariamente pelos pontos de controle da fronteira turca, destinados aos territórios do ISISna Síria e no Iraque. Tão escandalosamente visíveis são esses comboios de suprimentos, que uma equipe de filmagens da Deutsche Welle passou um dia inteiro filmando os comboios e entrevistando habitantes da região, que descreveram a torrente diária de suprimentos para o terrorismo patrocinado pelo governo turco, que cruza a fronteira norte, para a Síria.

Até matérias publicadas no jornal israelense Haaretz já admitem que o exército de Israel estava enviando ajuda para a Frente Al-Nustra, da Al- Qaeda, já há anos listada pelo departamento de Defesa dos EUA como organização estrangeira terrorista; e, no passado, ajudara oISIS. A matéria, intitulada "Israel suspende tratamento médico para membros da Frente al-Nusra na Síria", admitia que:


Alto oficial do exército israelense revelou na 2ª-feira que Israel suspendera o atendimento médico que vinha dando a um grupo de extremistas sírios rebeldes feridos na guerra que se desenrola naquele país. A mudança no atendimento a extremistas da Frente al-Nusra, da al-Qaeda, aconteceu há seis semanas.

Segundo o oficial israelense, vários combatentes feridos da Frente al- Nusra receberam tratamento médico em Israel.


Crescentes reclamações da comunidade drusa de Israel obrigaram à declaração pública, que prova que Israel, como a Turquia, para o norte da Síria, está fornecendo apoio material a terroristas da Al Qaeda - os mesmos terroristas que o ocidente e seus aliados regionais tentam usar como pretexto para escalar ainda mais o conflito sírio.

Se a Turquia realmente quisesse parar o ISIS...

Se a Turquia realmente quisesse pôr fim à ameaça do ISIS, a primeira coisa a fazer seria parar de receber terroristas em território turco. Medidas estritas ao longo da fronteira turca seriam implementadas para impedir que novas levas de terroristas entrassem na Síria e se unissem às fileiras do ISIS, e teria fim imediato a infindável torrente de suprimentos que entra em território do ISIS na Síria e Iraque, ao que se sabe pela Turquia, membro da OTAN.

Pode-se ver que a Turquia é o virtual porto de arribação para todos os combatentes, em todo o mundo, que se queiram unir ao ISIS - sejamterroristas uigures que EUA e Turquia traficam da China, ou  delinquentes de todos os tipos que os serviços de inteligência ocidentais recrutam pela América do Norte e Europa para mandar para dentro e para fora da Turquia, antes que se ponham a montar ataques terroristas espetaculares em casa mesmo. Na verdade, um dos vários suspeitos do ataque ao jornal Charlie Hebo tentou fugir, precisamente, para a Turquia, na trilha para unir-se ao ISIS na Síria.

Já há anos, essas opções estavam claramente sobre a mesa e a Turquia poderia tê-las posto a funcionar a qualquer momento. Mas não o fez. Isso, porque eliminar o ISIS não é o objetivo dessa mais recente tentativa para intervir militarmente na Síria; o objetivo é cravar lá as tais "zonas seguras", descritas pelos norte-americanos já em 2012, a partir das quais atacar para derrubar o governo sírio.

A Turquia não tem intenção alguma de "deter o ISIS." Não há qualquer combatente "moderado" que a Turquia deva apoiar na próxima operação militar. Trata-se de invadir território sírio como invasão de facto, e empurrar o front para mais perto de Damasco, num esforço desesperado para abalar a coragem do povo sírio e do Exército Árabe Sírio. Também se trata de tentar abalar a decisão dos aliados da Síria que se mantêm ao lado de Damasco. 

Ao ameaçar uma invasão de facto ao território sírio, sob o falso pretexto de "combater o ISIS," quando na verdade o ISIS receberá cobertura aérea da OTAN, para ampliar sua capacidade de combate a qual, sem a OTAN e outros amigos de terroristas é perfeitamente inexplicável, a OTAN conta com arrancar concessões dos aliados da Síria, para assim saquear até o fim o que reste, depois de a invasão ter sido consumada.

A invasão pelo norte da Síria, planejada por EUA e Turquia é movimento de poder, nascido de uma tentativa derrotada para derrubar o governo sírio. Vem na sequência, depois da derrubada do governo Gaddafi e destruição da Líbia, em 2011. Está em andamento um bem calculado contramovimento de poder, acionado pelos aliados da Síria, para deter EUA e Turquia. *****

7/8/2015, Tony Cartalucci, New Eastern Outlook

 


Loading. Please wait...

Fotos popular